ANOMALIA DOS TEMPOS

Mãe e filho lutam na Justiça para poderem ser marido e mulher

Reprodução/Daily Mail

Amor entre mãe e filho é incondicional, certo? Pois é, parece que um casal norte-americano levou isso a sério demais. Isso mesmo, um casal. Formado por uma mãe e um filho.

Monica tem 36 anos e é mãe de Caleb, que tem 19. Os dois garantem que estão perdidamente apaixonados um pelo outro. E que esse sentimento não é nada fraternal. Tanto que eles respondem, atualmente, por incesto.

Os dois resolveram tornar o relacionamento público para chamar atenção para a atração sexual genética. Essa é a uma condição rara que, segundo eles, deveria tornar a relação entre ambos legal.

A norte-americana deu à luz aos 16 anos e deu seu bebê, que então tinha o nome de Carlos. Ele foi rebatizado como Caleb e seguiu sua vida longe da mãe biológica.

O problema foi o reencontro. Os dois afirmam que no primeiro dia se apaixonaram e que a atração entre ambos foi fulminante. Segundo eles, não tardou muito para que a relação entre ambos engatasse.

“Nós nos demos as mãos logo que nos vimos e no instante seguinte nos beijamos. E o beijo levou a outras coisas”, explica Monica ao Daily Mail. “É paixão. Eu abriria mão dos meus outros nove filhos para ficar com Caleb”.

Alguns benefícios de Dilma serão mantidos mesmo em caso de condenação

Se perder o mandato, a petista deixará de receber salário de R$ 30 mil, não terá mais direito a voar nos aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) e se mudará do Palácio da Alvorada

Carlos Moura/CB/DA Press

Ao fim do processo de impeachment, se confirmada a condenação pela maioria dos senadores, a presidente afastada, Dilma Rousseff, terá direito a um quadro de oito servidores — com salários que variam entre R$ 2,2 mil e R$ 11,2 mil — e mais dois carros oficiais para atendê-la em caráter vitalício. Se perder o mandato, a petista deixará de receber salário de R$ 30 mil, não terá mais direito a voar nos aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) e se mudará do Palácio da Alvorada.

O Supremo Tribunal Federal — que deve garantir as benesses a Dilma — entende que a petista se enquadrará na figura de ex-presidente, caso seja condenada. Um decreto assinado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de 2008, regulamentou a Lei nº 7.474, de 8 de maio de 1986, garantindo segurança e servidores para assessorar ex-presidentes. A legislação não esclarece qual a tramitação em casos de presidentes que tiveram seus mandatos interrompidos.

  • Começa o processo de votação do impeachment de Dilma no Senado
  • Dilma aceita retirar menção a ‘golpe’ de carta a senadores

Primeiro chefe de Estado a sofrer impedimento no país, Fernando Collor de Mello só conquistou o direito aos servidores em 1994, dois anos depois da condenação no Senado, e após ter sido absolvido pelo Supremo Tribunal Federal. Na visão do advogado constitucionalista André Alencar Santos, a concessão dos benefícios pode ser questionada judicialmente. “Por enquanto, é válida e tem que ser obedecida, mas, se provocado, o Supremo pode declarar a medida inconstitucional”, disse.

A assessoria de imprensa do Supremo afirmou, porém, que Dilma pode ter o benefício se condenada. A legislação concede a ex-presidentes quatro servidores para atividades de segurança e apoio pessoal; dois veículos oficiais, com dois motoristas; e ainda de dois profissionais em cargos em comissão. As remunerações são: dois servidores de R$ 11,2 mil, dois de R$ 8,5 mil, dois de R$ 2,8 mil e dois de R$ 2,2 mil. Cabe ao ex-presidente escolher os funcionários que o acompanhará. Eles serão capacitados para exercer as funções de segurança pessoal e motorista.

Leia mais notícias em Política

Os seguranças serão ligados ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República e terão direito a porte de arma de fogo. Para ter armas, será necessária uma “avaliação que ateste a capacidade técnica e aptidão psicológica para o manuseio de arma de fogo” e “observância dos procedimentos relativos às condições para a utilização da arma institucional”.

Por mês, se preencher todo o quadro de funcionários, serão gastos R$ 49,5 mil só com os servidores por ex-presidente. O custo anual com os oito servidores pode chegar a R$ 650 mil, ou seja, R$ 3,2 milhões, caso seja confirmada a condenação e todos eles usufruam do direito de manter os profissionais. Atualmente, têm as benesses os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva, Fernando Henrique Cardoso, Collor e José Sarney.

Os direitos de cada um

Conheça os benefícios vitalícios de cada ex-presidente no fim do mandato:

» 4 seguranças
» 2 assessores
» 2 motoristas
» 2 veículos oficiais

O custo
» 2 servidores com salários de R$ 11,2 mil
» 2 funcionários com remuneração de R$ 8,5 mil
» 2 contratados recebendo R$ 2,8 mil
» 2 trabalhadores com proventos de R$ 2,2 mil

Caberá ao presidente escolher os funcionários

Os mesmos receberão treinamento para se capacitarem para o exercício de segurança pessoal e motorista.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s