MEIO AMBIENTE

Gelo da Groenlândia está derretendo mais rápido do que se pensava (estudo)

Imagem da NASA Earth Observatory obtida em 22 de setembro de 2016 pela aeronave HU-25A Guardian, em 2 de setembro de 2016, mostra as geleiras Brückner e Heim, na Groenlândia© Fornecido por AFP Imagem da NASA Earth Observatory obtida em 22 de setembro de 2016 pela aeronave HU-25A Guardian, em 2 de setembro de 2016, mostra as geleiras Brückner e Heim, na GroenlândiaA camada de gelo altamente instável da Groenlândia está derretendo 7,6% mais rápido do que se pensava – disseram cientistas esta semana, depois de descobrirem um ponto sob a superfície da Terra que estava distorcendo seus cálculos.

Publicado na revista Science Advances, o estudo gera preocupações sobre o impacto crescente do derretimento do gelo na subida do nível do mar, uma vez que a Groenlândia é a segunda maior camada de gelo do mundo, depois da camada da Antártica.

De 2003 a 2013, a Groenlândia perdeu 2.700 gigatons (2.700 bilhões de toneladas métricas) de gelo, e não 2.500 gigatons como se pensava anteriormente.

Isso significa que a camada de gelo está perdendo anualmente cerca de 20 gigatons a mais do que afirmam as estimativas mais recentes.

A diferença de 7,6% foi descrita como “uma correção bastante modesta” pelo autor do estudo Michael Bevis, professor de Ciências da Terra da Universidade Estadual de Ohio.

“Isso não muda tanto as nossas estimativas de perda total de massa em toda a Groenlândia”, ressaltou Bevis.

“Mas isso traz uma mudança mais significativa para o nosso entendimento de em que parte da camada de gelo essa perda aconteceu, e onde ela está acontecendo agora”, acrescentou.

Usando dados de satélite, os pesquisadores descobriram que uma coluna quente de rocha parcialmente derretida no manto da Terra – que também alimenta os vulcões da Islândia – tinha suavizado a rocha sob a Groenlândia de uma maneira que levou os cientistas a subestimarem o derretimento.

Bevis descreveu a camada de gelo da Groenlândia como a “mais instável” do mundo e disse que as pesquisas mais recentes vão “levar a projeções mais bem informadas de aumento do nível do mar”.

Oceanos estão enfrentando uma extinção em massa sem precedentes

“Agora mesmo estamos decidindo, quase sem querer, quais caminhos evolutivos permanecerão abertos e quais serão fechados para sempre. Nenhuma outra criatura jamais havia feito isso, e será, infelizmente, nosso legado mais duradouro”. Elizabeth Kolbert definiu assim o papel que estão desempenhando os seres humanos em A Sexta Extinção, o livro que ganhou oPrêmio Pulitzer no ano passado. O título é bastante expressivo: nos quase 4 bilhões de anos de história da vida na Terra, ocorreram cinco megaextinções, momentos em que muitos dos seres vivos foram arrastados de repente para a desaparição por vários cataclismos. E agora, segundo todos os dados recolhidos pela ciência, a civilização humana está causando uma nova extinção em massa: somos como o meteorito que dizimou os dinossauros do planeta.

E as criaturas dos oceanos não vão conseguir se livrar. Estamos provocando a agonia de numerosas espécies marinhas e, como dizia Kolbert, escolhendo os seres aquáticos que ao desaparecerem deixarão de evoluir no futuro. A este ritmo, os grandes animais que vão povoar os mares dentro de milhões de anos não serão descendentes de nossas baleias, tubarões e atuns porque estamos matando todos eles para sempre. E do mesmo modo que odesaparecimento dos dinossauros deixou um vazio que demorou eras para ser preenchida pelos mamíferos, não sabemos o que vai ser da vida nos oceanos depois de serem arrasados.

“A eliminação seletiva dos maiores animais nos oceanos modernos, algo sem precedentes na história da vida animal, pode alterar os ecossistemas durante milhões de anos”, conclui um estudo apresentado nesta semana pela revistaScience. Liderado por pesquisadores de Stanford, o trabalho mostra como esta sexta extinção está acontecendo com os seres aquáticos de maior tamanho. Um padrão “sem precedentes” no registro das grandes extinções e que com muita segurança acontece por causa da pesca: hoje em dia, quanto maior o animal marinho, maior a probabilidade de se tornar extinto.

Como explicou para Materia o principal autor do estudo, Jonathan Payne, o nível de perturbação ecológica causada por uma grande extinção depende da percentagem de espécies extintas e da seleção de grupos de espécies que são eliminados. “No caso dos oceanos modernos, a ameaça preferente pelos de maior tamanho poderia resultar em um evento de extinção com um grande impacto ecológico porque os grandes animais tendem a desempenhar um papel importante no ciclo de nutrientes e nas interações da rede alimentar”, disse Payne, referindo-se a que os danos afetariam em cascata todos os ecossistemas marinhos.

Os cenários pessimistas preveem a extinção de 24% a 40% dos gêneros de vertebrados e moluscos marinhos; o cálculo mais trágico é comparável à extinção em massa do fim do Cretáceo, quando os dinossauros desapareceram, como explicado na revista Science.

O trabalho deste investigador da Universidade de Stanford e seu grupo foi analisar o padrão de desaparecimento de 2.500 espécies nos últimos milhões de anos. Até agora, o tamanho dos animais marinhos não tinha sido um fator determinante nos cataclismos anteriores, mas nos nossos dias existe uma notável correlação. Para os pesquisadores, é evidente que isso acontece por causa da forma de consumir ecossistemas própria dos seres humanos. Foi o que aconteceu com a extinção dos mamutes e agora acontece com a pesca: cada vez que entramos em um ecossistema primeiro acabamos com os pedaços maiores e à medida que os recursos ficam mais escassos vamos esgotando o resto dos recursos menores.

Os pesquisadores alertam que a eliminação desses animais no topo da cadeia alimentar poderia perturbar o resto da ecologia dos oceanos de forma significativa por, potencialmente, os próximos milhões de anos. “Sem uma mudança dramática na direção atual da gestão dos mares, nossa análise sugere que os oceanos vão sofrer uma extinção em massa de intensidade suficiente e seletividade ecológica para ser incluída entre as grandes extinções”, diz o estudo.

Este paleobiólogo defende que a visão positiva de sua descoberta é que as espécies ameaçadas ainda podem ser salvas da extinção com políticas de gestão eficientes e, a longo prazo, abordando os impactos do aquecimento global e da acidificação dos oceanos. “Podemos evitar esse caminho; com uma gestão adequada, seria possível salvar muitas dessas espécies da extinção”, afirma Payne.

Mariana: TCU vê omissão em tragédia

O Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) foi “falho e omisso” ao fiscalizar a segurança das barragens brasileiras, contribuindo para a tragédia de Mariana (MG), em 5 de novembro do ano passado. A conclusão consta de relatório sigiloso da área técnica do Tribunal de Contas da União (TCU), ao qual o Estado teve acesso. O documento aponta que a autarquia não foi capaz de garantir a implementação, pela mineradora Samarco, dos padrões exigidos pela Política Nacional de Segurança de Barragens, em vigor desde 2010.

ctv-cya-mariana: Para agentes do tribunal, a atual classificação de risco precisa ser revista© Fornecido por Estadão Para agentes do tribunal, a atual classificação de risco precisa ser revistaSegundo a auditoria, solicitada pelo Senado Federal cinco dias após o rompimento da Barragem de Fundão, o fracasso institucional do DNPM – consequência de falta de planejamento, de pessoal e de recursos financeiros – mantém aceso o alerta para o “risco latente e potencial de novos acidentes envolvendo barragens de rejeitos de mineração no País”. O texto deve ser votado hoje pelos ministros. Procurado por meio da assessoria de imprensa, o DNPM não se manifestou.

Técnicos da Secretaria de Fiscalização de Infraestrutura de Petróleo, Gás Natural e Mineração do TCU concluíram que o controle das documentações de segurança exigidas por lei das empresas – em especial o plano de ação de emergência – “não é realizado de forma sistemática e rotineira”, denotando “fragilidade e precariedade” do DNPM, que teria uma estrutura “deficiente”.

O relatório afirma que, nos últimos seis anos, as despesas discricionárias da autarquia, nas quais estão incluídas as relativas às atividades de fiscalização, estão em declínio progressivo. Além disso, o atual quadro de servidores equivale a apenas 62% do ideal. O maior déficit de pessoal está justamente na superintendência de Minas: para atender à demanda de trabalho da unidade, seriam necessários 384 funcionários. Só há 79.

Risco

Até os critérios de classificação de risco são questionados pelos técnicos do TCU. Eles argumentam que a catalogação das barragens em alto, médio ou baixo risco – como a de Fundão era qualificada – tem por base informações declaradas unicamente pelas mineradoras. “Sem análise crítica” dessas informações pela autarquia, os dados seriam pouco confiáveis. “Seguro alegar que o DNPM não detinha, à época do acidente, conhecimento acerca da situação real da barragem”, continua o relatório, que critica ainda a falta de conhecimento especializado dos técnicos do órgão – o que impede avaliações mais aprofundadas das situações das barragens. Atualmente, as vistorias são simples check-list.

Apesar de sinalizar os pontos em que a atividade do DNPM tem sido insatisfatória, o relatório recomenda que não se individualize condutas e responsabilidades pela tragédia, que deixou 18 mortos e 1 desaparecido, além de causar danos ambientais irreversíveis ao Rio Doce. “A negligência no trato com os deveres previstos em lei está entranhada na instituição.”

Também falta integração entre o órgão central do DNPM e as superintendências regionais. “Como resultado, verificou-se que apenas 35% das barragens classificadas como de alto risco foram fiscalizadas de 2012 a 2015”, pontua o texto, que enfatiza a falta de um sistema nacional de armazenamento de informações. “Dados decorrentes das fiscalizações permanecem regionalizados e fragmentados dentro de cada superintendência, prejudicando uma visão global, pelo DNPM, da situação da segurança de barragens de rejeitos no Brasil.”

Os auditores recomendam que se instituam novos procedimentos de acompanhamento, controle e avaliação das fiscalizações realizadas em todo o País, como a implementação de metas e indicadores de qualidade e a padronização de atividades como análises e pareceres técnicos. “Caso a fiscalização não seja aprimorada, o controle exercido pelo departamento não contribuirá para evitar ou mitigar eventuais consequências de novas tragédias, como a que se viu na Barragem de Fundão”, conclui o relatório.

Uma parceria entre o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e o Projeto Onçafari, organização sem fins lucrativos de preservação de onças-pintadas, concluiu no início de junho a primeira experiência bem sucedida de reintrodução da espécie na natureza. As irmãs Isa e Fera, fêmeas de pouco mais de dois anos de idade, perderam a mãe em 2014, em Corumbá (MS), e desde então, até voltarem aos alagados e matas pantaneiros, foram criadas sob a supervisão de pesquisadores do ICMBio e do Onçafari e com suporte financeiro de empresários ligados ao projeto.

Ao contrário do que normalmente ocorre quando animais da espécie são resgatados nestas circunstâncias natureza, as duas onças não foram criadas em cativeiros comuns, de onde costumam ser levadas a jaulas de zoológicos mundo afora. Sem a mãe, a quem cabe ensinar os filhotes a caçar, Isa e Fera foram encaminhadas a um centro de reabilitação animal em Amparo, no interior de São Paulo, onde passaram cerca de cinco meses, até serem alocadas no Refúgio Ecológico Caiman, uma fazenda com área equivalente a 53.000 campos de futebol voltada ao ecoturismo e à preservação ambiental na cidade de Miranda (MS). Há na região cerca de 70 onças-pintadas, todas acompanhadas em algum momento da vida pelo Onçafari, que viu nascer cerca de 25 filhotes.

Em uma área de 10.000 m² construída na propriedade, delimitada por cercas elétricas e telas de mais de quatro metros de altura e que reproduz o Pantanal com matas, lagoas e a vegetação rasteira, as onças foram “treinadas” durante um ano para a volta à vida selvagem. A construção do recinto custou cerca de dois milhões de reais, bancados por patrocinadores do Onçafari e de empresários que “adotaram” Isa e Fera.

Sem nenhuma mordomia, as irmãs tinham de usar seus instintos para caçar animais como capivaras, queixadas, coelhos e jacarés, capturados pelo ICMBio na natureza e colocados dentro do recinto onde estavam os felinos. “Para a onça poder começar a caçar, e a gente fazer o papel de mãe, não adianta dar um filé para ela comer. Elas tinham que caçar animais que fossem encontrar quando fossem soltas. Sem isso, esses bichos nunca estariam preparados para viver sozinhos”, diz o pesquisador Rogério Cunha, do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros (Cenap), vinculado ao ICMBio.

Segundo Cunha, embora tenha havido críticas à captura de animais silvestres para o “abate” pelas onças, a prática foi aprovada por comitês de ética.

Leia também:

PF apreende pássaros de traficante que já contrabandeou 359 aves

Há quatro espécies de girafa – não uma, como se acreditava

Para não repetirem a principal falha de um projeto de reintrodução anterior, em Goiás, em que as onças foram soltas e depois tiveram de ser recapturadas para evitar ataques, os pesquisadores monitoraram o comportamento de Isa e Fera por meio de câmeras e as isolaram de qualquer contato direto com humanos. “O principal era elas não associarem os biólogos, o ser humano, a comida. Esse é o grande erro. Cortamos completamente a relação, nos locais onde se colocavam as presas, havia placas. Elas não viam gente durante o processo”, afirma Rogério Cunha.

A partir do monitoramento das onças no habitat natural por meio de coleiras eletrônicas, o pesquisador cita três pontos que atestam o sucesso da experiência até agora: Isa e Fera são arredias a carros e pessoas em estradas, ambas conseguem caçar e se alimentar de outros animais e estabeleceram território sem disputas com outras onças – as irmãs estão tão enturmadas que uma delas já até cruzou com um macho da região.

“Se acontecer alguma coisa com elas hoje em dia, vai ser alguma coisa que aconteceria com qualquer onça selvagem”, diz, a respeito da adaptação de Isa e Fera à nova vida, o ex-piloto de Fórmula Indy Mário Haberfeld, criador e coordenador do Projeto Onçafari.

Para Haberfeld, o sucesso na reambientação das onças na natureza pode ser usado para evitar a extinção destes animais em biomas brasileiros onde eles vivem e estão ameaçados. “Talvez não seja o caso crítico no Pantanal e na Amazônia, onde há relativamente muitas onças, mas em biomas como a Caatinga e a Mata Atlântica, onde as onças estão ameaçadas de extinção, isso (reintrodução) pode ser uma forma de aumentar a população de novo. Provou-se que é possível salvar onças em outros biomas do Brasil e até em outros países onde elas ocorrem”.

Juíza quer perícia em área da Samarco para avaliar novos riscos

Alguns estados de EUA como Utah já provaram os fins de semana de três dias.© Barbara Woike Alguns estados de EUA como Utah já provaram os fins de semana de três dias.
Quase todo mundo gosta de feriados. Um fim de semana de três dias significa mais tempo para passar com a família ou amigos, para sair e explorar o mundo e para relaxar das pressões do trabalho. Imaginem se tivéssemos um fim de semana de três dias por semana, em vez de tê-lo apenas de vez em quando ao longo do ano. Não é apenas uma ideia agradável. Além das possibilidades para o tempo livre, os fins de semana de três dias também podem ser um dos passos mais simples que podemos dar para reduzir radicalmente nosso impacto ambiental e preparar nossa economia para o futuro.

A redução do número de horas de trabalho, geralmente, está relacionada a uma redução significativa no consumo de energia, como argumentam os economistas David Rosnick e Mark Weisbrot. De fato, se os norte-americanos, por exemplo, tivessem os níveis de horas de trabalho europeus, estima-se que reduziria em cerca 20% o consumo de energia e, consequentemente, asemissões de carbono.

Com uma semana de quatro dias, um enorme número de deslocamentos para e do trabalho poderia ser evitado, assim como o gasto de energia dos locais em funcionamento. Em um momento em que precisamos reduzir as emissões de carbono em grande escala, implementar um fim de semana de três dias poderia ser a maneira mais simples e elegante de tornar nossa economia mais respeitosa em relação ao meio ambiente.

O exemplo de Utah

Isso já aconteceu antes. Por exemplo, em 2007, o Estado de Utah, nos Estados Unidos, redefiniu a semana de trabalho para os funcionários públicos, estendendo os horários de segunda a quinta-feira, podendo assim eliminar totalmente as sextas-feiras. Nos primeiros dez meses, a iniciativa economizou ao estado pelo menos 1,8 milhão de dólares (cerca de 5,9 milhões de reais) em custos de energia. Menos dias de trabalho eram equivalentes a menos iluminação dos escritórios, menos ar condicionado e menos tempo de funcionamento de computadores e outros equipamentos, tudo sem mesmo reduzir o número total de horas trabalhadas.

Um dia por semana, milhares de pessoas que viajam diariamente de casa para o local de trabalho poderiam ficar em casa. Se fosse incluída a redução das emissões de gases de efeito estufa causadas pelo deslocamento, o estado calculou uma economia de mais de 12.000 toneladas de CO2 por ano.

Utah desistiu do experimento em 2011, depois que os habitantes do Estado começaram a se queixar que não tinham mais acesso aos serviços às sextas-feiras. Parece que é um tipo de inovação que tem de ser acompanhada por uma mudança em nossas expectativas, de forma que a sexta-feira se torne o “terceiro dia do fim de semana”, em vez de um mero dia útil sem trabalho. O caso de Utah mostra que, reproduzido em um país inteiro, a semana de quatro dias poderia representar um progresso substancial em direção a uma economia que é menos prejudicial ao meio ambiente.

Mas também haveria outras vantagens. Trabalhar menos melhoraria o frágil equilíbrio entre a vida profissional e familiar, e nos ajudaria a recuperar nossa saúde mental e bem-estar físico. Além disso, permitiria ter mais tempo para se dedicar a atividades sociais, cuidar de crianças e idosos e interagir com nossas comunidades. Os experimentos com horas laborais reduzidas em locais de trabalho selecionados realizados na Suécia, em 2015, levaram a uma redução das doenças e até mesmo aumentaram a produtividade.

Destinar a melhoria da eficiência econômica a ter mais tempo livre e a reduzir o consumo de energia em vez de produzir mais bens poderia dar lugar a um mundo melhor e mais seguro no que se refere ao meio ambiente.

Uma objeção óbvia poderia ser: “Como vamos nos permitir isso?”. Mas há importantes razões econômicas e tecnológicas pelas quais tanto os Governos como os partidos políticos, as fundações e os movimentos sociais deveriam começar a pensar em defender a colocação em prática dos fins de semana de três dias.

Como argumentou recentemente o antropólogo David Graeber, muitos de nós trabalhamos em empregos que, ao que parece, não servem para nada. De fato, há tempos os economistas estão conscientes das horas supérfluas contidas em muitas jornadas de trabalho, nas quais os empregados estão efetivamente subutilizados em seu posto de serviço, mas não podem ir embora por causa da persistente questão do “presentismo”, pela qual os chefes valorizam os trabalhadores conforme as horas que passam no local de trabalho mais do que por sua produtividade. Em vez de trabalhar mais horas com poucos resultados produtivos poderíamos adotar uma semana laboral mais curta e contribuir para salvar nosso planeta e nosso bem-estar.

De uma perspectiva mais de longo prazo, prevê-se que, nas próximas décadas, uma nova onda de mecanização do trabalho na qual intervirão a robótica avançada e os sistemas de aprendizagem automática substitua 47% dos atuais postos de trabalho nos Estados Unidos e 54% na Europa. Nessas circunstâncias, nas quais se terá significativamente menos acesso ao emprego, adotar medidas como os fins de semana de três dias se torna algo essencial para que a vida seja viável em condições econômicas diferentes.

Como sustentamos em nosso livro Inventing the Future [Inventar o Futuro], logo a mecanização nos oferecerá a perspectiva de um mundo laboral muito diferente. Seu aumento incrementará a eficácia de muitos processos produtivos, utilizando menos energia e menos força de trabalho humana, até que, no final, fiquemos liberados em grande parte do trabalho.

A chave para colher os frutos da mecanização sem transtornos sociais drásticos depende em parte de que sejam postas em prática políticas que promovam a participação nos lucros. Isso significa uma semana laboral mais curta graças à ampliação do fim de semana, e ao mesmo tempo uma renda básica universal.

Nada disso acontecerá da noite para o dia. Mas, se estiverem no Reino Unido e tiverem a sorte de ter a segunda-feira livre, não se esqueçam de que esse dia extra em casa ou no parque não serve só para diversão, mas contribui para combater as mudanças climáticas.

Ursos polares estão ficando sem gelo no Ártico

Calcula-se que a população total de ursos polares (Ursusmaritimus) seja de cerca de 25.000 indivíduos© Fornecido por AFP Calcula-se que a população total de ursos polares (Ursusmaritimus) seja de cerca de 25.000 indivíduosOs ursos polares estão ficando sem a camada de gelo indispensável para a sua sobrevivência em 19 regiões do Ártico – adverte um estudo publicado nesta quarta-feira (14).

Devido às mudanças climáticas, a banquisa (água do mar congelada) que se forma nas regiões polares está derretendo mais cedo na primavera e se formando mais tardiamente no outono, afirmaram pesquisadores da revista Cryosphere, da União Europeia de Geociências (EGU).

Entre 1979 e 2014, o Ártico perdeu de 7 a 19 dias de gelo por década nessas 19 regiões, revelaram imagens de satélite.

“Devido à dependência (dos ursos) do gelo marinho, as mudanças climáticas constituem a principal ameaça para sua sobrevivência”, alerta o relatório.

Calcula-se que a população total de ursos polares () seja de cerca de 25.000 indivíduos.

Convertidos em símbolo dos estragos das mudanças climáticas, esses grandes carnívoros permanecem a maior parte do tempo na banquisa, onde caçam, descansam e se reproduzem.

Quando o gelo derrete, voltam à terra firme e sobrevivem apelando às suas reservas de gordura durante períodos que estão se tornando cada vez mais longos.

Além disso, os ursos polares têm de nadar distâncias cada vez maiores antes de encontrar um lugar para se instalar.

Esses animais dependem da camada de gelo principalmente para caçar focas, sua presa favorita, visto que têm dificuldades para agarrá-las enquanto nadam.

O Ártico está aquecendo duas vezes mais rápido do que o restante do planeta sob o efeito das mudanças climáticas geradas pelas emissões de gases do efeito estufa. Esses gases resultam em grande parte da combustão de energias fósseis pelos seres humanos em um planeta superpovoado.

Os ursos polares podem perder um terço da sua população até meados do século XXI, advertiu em 2015 a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), que por enquanto os classifica entre as espécies “vulneráveis”.

Urso polar “mais triste do mundo” pode ganhar nova casa

Urso polar é mantido preso dentro de shopping de Guangzhou, na China, para fazer selfies com os visitantes© image/jpeg Urso polar é mantido preso dentro de shopping de Guangzhou, na China, para fazer selfies com os visitantes

O “urso polar mais triste do mundo”, residente de um controverso parque temático em Guangzhou, no sul da China, pode ganhar uma nova casa no Reino Unido. Após petições e protestos para pedir o fechamento do aquário Grandview, localizado dentro de um shopping center chinês, o Parque de Vida Selvagem de Yorkshire se ofereceu para receber Pizza, o urso, em um habitat especialmente desenvolvido para sua espécie.

Aberto em janeiro, o aquário Grandview foi denunciado por diversas instituições de defesa dos direitos dos animais por ser considerado uma “prisão” para os bichos. O grupo Animals Asia chegou a coletar meio milhão de assinaturas em uma petição contra o local no início do ano. Conhecido por sua expressão de constante tristeza, Pizza é a atração mais fotografada e fica exposto para selfies com os visitantes.

“A boa notícia para o Grandview é que agora eles têm a chance de corrigir seu erro”, afirmou Dave Neale, diretor de bem-estar animal da Animals Asia. “Graças à incrível oferta do Parque de Vida Selvagem de Yorkshire pode haver um final feliz”, comentou. De acordo com a rede CNN, um porta-voz do aquário afirmou que ainda não recebeu uma proposta formal do parque inglês.

Leia também

“Urso polar mais triste do mundo” vive exposto em shopping

Golfinho dócil vira ‘bicho de estimação’ de crianças alemãs

Gato é resgatado de escombros 15 dias após terremoto na ItáliaSegundo jornal chinês People’s Daily, Pizza vive em um aquário de menos de 40 metros quadrados, apenas com uma piscina rasa e com a presença constante de visitantes que batem nos vidros para chamar a sua atenção. O gerente do Grandview, Li Chengtang, disse a imprensa estatal que é “difícil julgar o espaço apropriado para os animais já que a China não tem leis sobre esse tema”. No momento, o estabelecimento está sendo investigado pelo Escritório de Pesca e Oceanos de Guangzhou, devido a morte animais no local.

De acordo com o parque de Yorkshire, a oferta para receber Pizza obriga que o Grandview não o substitua com outro urso polar ou animal de tamanho semelhante. Além disso, nenhum pagamento está sendo oferecido pelo urso, por medo de o dinheiro seja usado para adquirir outros bichos. Segundo a Animals Asia, se a oferta for aceita, os custos da transferência seriam arrecadados pela ONG e processo conduzido pelo parque, que tem experiência no transporte internacional de animais.

França proíbe venda de copos e pratos plásticos descartáveis

Oceanos enfrentam extinção em massa sem precedentes

A França tornou-se o primeiro país do mundo a proibir a venda de copos, taças, pratos, talheres e outros utensílios descartáveis de plástico.

A nova lei segue uma proibição total de sacolas plásticas aprovada em julho e é parte do projeto Transição Energética para o Crescimento Verde, um plano para tornar o país um dos líderes mundiais na adoção de práticas de redução de impacto ambiental e das emissões de gases de efeito estufa.

Aprovada no mês passado, a medida passará a valer integralmente em 2020, o que dá bastante tempo para os fabricantes e estabelecimentos comerciais, incluindo restaurantes e supermercados, se adequarem às novas regras.

Mas isso não significa o fim dos utensílios descartáveis. Segundo a nova lei, esses produtos deverão ser 50% constituídos por materiais de origem vegetal e serem biodegradáveis. Esses materiais incluem, em particular, amido de milho, amido de batata, fibras têxteis ou de celulose, ou de bambu. Cinco anos depois, em 2025, o conteúdo vai aumentar para 60%.

França diz "Au revoir plastiques": aprovada no mês passado, a medida passará a valer integralmente em 2020.© Thinkstock França diz “Au revoir plastiques”: aprovada no mês passado, a medida passará a valer integralmente em 2020.Com a investida, o país espera reduzir o impacto ambiental do plástico convencional, derivado de petróleo, que leva várias décadas para se decompor e é frequentemente associado a substâncias que podem ser tóxicas. Além disso, é esperada uma redução dos custos com energia para reciclagem dos utensílios descartáveis.

De acordo com a AFP, organizações ambientalistas elogiaram a lei francesa e esperam que ela sirva de exemplo para outros países, porém críticos argumentam que a proibição de produtos prejudica os consumidores e que as medidas francesas violam as regras da União Europeia sobre a livre circulação de mercadorias.

Estimativas apontam que 4,7 bilhões de utensílios plásticos foram descartados na França em 2015 apenas, e cerca de 17 bilhões de sacolas plásticas usadas anualmente em supermercados de todo o país.

Juíza quer perícia em área da Samarco para avaliar novos riscos

Responsabilidade por Mariana também é do governo, diz ONU: O distrito de Bento Rodrigues, na cidade de Mariana, em Minas Gerais, foi devastado pela lama© Fornecido por Estadão O distrito de Bento Rodrigues, na cidade de Mariana, em Minas Gerais, foi devastado pela lama

A juíza da 12.ª Vara da Justiça Federal em Minas Gerais, Rosilene Maria Clemente de Souza Ferreira, quer que seja feita uma perícia nas estruturas que restaram da Samarco em Mariana para saber se suportarão o próximo período de chuvas, que normalmente se inicia em outubro. “Confesso que isso me tira o sono”, disse.

O posicionamento da juíza foi repassado a representantes da empresa e de suas proprietárias, Vale e BHP Billiton, nesta terça-feira, 13, na primeira audiência de conciliação dentro do processo movido pelo Ministério Público Federal (MPF) que pede R$ 155 bilhões às empresas pelo rompimento da Barragem de Fundão, em 5 de novembro de 2015, que matou 18 pessoas e deixou uma desaparecida.

A advogada da Samarco, Eliane Carvalho, disse durante a audiência que as estruturas existentes hoje conseguem evitar o carregamento da lama que ainda existe no complexo da Samarco para o Rio Doce. Ela afirmou que uma novo dique, chamado de S4, precisa ser construído para evitar novas descidas de rejeitos durante o período de chuvas.

Patrimônio

A construção dessa estrutura, conforme a advogada, tem posição contrária do Ministério Público Estadual (MPE) por afetar patrimônio histórico, como um muro construído no século 18. Sem especificar qual porção do muro seria atingida, a advogada admitiu que parte poderá ficar submersa “por algum tempo”. Apesar do posicionamento da juíza em relação ao período de chuvas, ainda não houve despacho oficial nesse sentido.

Ao longo da audiência, a Samarco pediu à juíza que determinasse imediatamente a entrada da Samarco em áreas particulares próximas do local em que o dique S4 deveria ser construído. A empresa alega que já tentou, sem sucesso, comprar as áreas.

O advogado-geral do Estado, Onofre Alves Batista Júnior, disse haver “risco iminente” de novas descidas de lama caso a obra não seja feita, mas que estudos indicam que o S4 só mitiga o problema. “Se é fundamental, tem de ser construído.” Segundo ele, a desapropriação pode ser feita por decreto, mas com indenização paga pela Samarco. Para o coordenador da força-tarefa do MPF em Mariana, José Adércio Leite Sampaio, o dique é “solução de mineradora”. “O Estado e a União são reféns da Samarco.” A juíza se mostrou favorável ao S4.

Clique para expandir

Anúncios

CAIU NA REDE É NOTICIAS

De chefe da economia a alvo da Lava Jato: a trajetória de Mantega em 4 pontos

Guido Mantega© Fornecido por BBC World Service Trading Limited Guido MantegaUm dos elaboradores das propostas econômicas das campanhas petistas à Presidência da República nos anos 90, Guido Mantega deu início na década seguinte a uma trajetória que o transformou no ministro da Fazenda mais longevo da história recente do Brasil.

Mesmo assim, acabou preso na manhã desta quinta-feira por causa de assuntos não necessariamente ligados à economia, onde fez carreira, mas à política.

Segundo o Ministério Público Federal, Mantega é acusado de ter solicitado ao empresário Eike Batista um repasse milionário ao PT para pagar dívidas de campanha. A prisão acabou revogada horas depois pelo juiz Sergio Moro.

Relembre, em quatro pontos, a atuação do ex-ministro no cargo e as acusações contra ele.

1. Chegada ao governo

Nascido em Gênova, na Itália, Guido Mantega mudou-se para o Brasil ainda bebê com os pais. Formou-se na USP, onde também fez doutorado, e participou do núcleo duro da economia das fracassadas campanhas de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência em 1989, 1994 e 1998.

Em 2002, entrou na campanha dividindo as atenções com Antonio Palloci, principal articulador da icônica “Carta ao Povo Brasileiro”, com a qual Lula acalmou o mercado financeiro, que temia sua chegada ao poder.

Com a vitória do petista, Mantega tornou-se ministro do Planejamento em 2003, enquanto Palocci ficou com a desejada Fazenda.

À frente da pasta, ajudou a impulsionar o projeto das Parcerias Público Privadas (PPPs). Cerca de dois anos depois, em novembro de 2004, tornou-se presidente do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social), quando o presidente da instituição, Carlos Lessa, foi demitido após criticar publicamente o então presidente do Banco Central, Henrique Meirelles.

Guido Mantega© Fornecido por BBC World Service Trading Limited Guido MantegaA chegada à Fazenda, em março de 2006, ocorreu quase que por acaso, quando denúncias veiculadas pelo jornal O Estado de S. Paulo envolvendo a quebra de sigilo bancário do caseiro Francenildo Soares Costa atingiram em cheio à imagem de Palocci. Palocci resolveu deixar a pasta, ocupada às pressas por Mantega.

2. Bonança econômica

Como ministro da Fazenda, Mantega guiou a economia brasileira em meio a um período de grande bonança econômica, impulsionada principalmente pela alta no preço internacional das matérias-primas (commodities).

No cargo, foi um dos arquitetos da política anticíclica que ajudou a reduzir os efeitos da crise internacional sobre o Brasil, em 2008. Dentro dessa estratégia, o governo expandiu seus gastos e investimentos, além de ampliar o crédito aos bancos públicos, estimulando o consumo.

Após o fim do governo Lula, Mantega permaneceu à frente da Fazenda no primeiro governo de Dilma Rousseff.

De 2006 até 2011, sob seu comando, a economia brasileira registrou o maior crescimento dos 30 anos anteriores (a média foi de 4,2% por ano; só em 2010, o PIB cresceu 7,5%). O desemprego também caiu fortemente, passando de 9,8%, em 2006, para 6%, em 2011 (a taxa ainda cairia ainda mais, para 4,7%, ao deixar o órgão, em 2014).

3. Derrocada e demissão

Mas a partir de 2011, com a retração da economia mundial, a situação de Mantega começou a mudar – a política de expansionismo fiscal (aumento dos gastos públicos e redução dos impostos) acabou tornando-se sua principal “pedra no sapato”.

O ex-ministro começou a enfrentar a desconfiança não só do mercado, mas também do empresariado, que freou investimentos. Em dezembro de 2012, a revista britânica The Economist chegou a defender publicamente a demissão de Mantega.

No primeiro semestre de 2014, contudo, veio outra notícia que selaria de vez sua saída do governo.

Após dois semestres consecutivos de queda no PIB, o Brasil entrou oficialmente em recessão técnica. O afrouxamento fiscal também cobraria seu preço (o superávit primário – a economia para pagar juros da dívida pública – fecharia 2014 em 0,4% do PIB) e a inflação terminaria o ano em 6,41%, pouco abaixo do teto da meta (6,5%) e no patamar mais alto desde 2011.

Em setembro daquele ano, Mantega acabou demitido por Dilma.

A um mês das eleições presidenciais, a petista afirmou que, caso fosse reeleita, trocaria o ministro da Fazenda, mas não anunciou quem ocuparia o posto. Apesar do embaraço do episódio, Mantega decidiu permanecer no cargo até a troca ser efetivada, para não prejudicar a campanha petista.

Com a vitória de Dilma, ele deixou oficialmente o governo em 1º de janeiro de 2015, sendo substituído por Joaquim Levy, considerado mais próximo do mercado.

Com oito anos, nove meses e quatro dias à frente da pasta, Mantega entrou para a história como o ministro da Fazenda mais longevo da era republicana.

4. Acusações e prisão

À saída do governo, seguiu-se um período longe dos holofotes da imprensa, com raras aparições públicas. Mantega voltou à FGV, onde dava aulas antes de ser ministro, e passou a liderar um grupo de pesquisas econômicas.

Também dedicou mais tempo à mulher, Eliane Berger, que luta contra um câncer desde 2012.

Em novembro de 2015, foi alvo de condução coercitiva (quando o investigado é levado para depor) na Operação Zelotes, que apura um amplo esquema de sonegação fiscal.

O objetivo era investigar se Mantega tinha alguma ligação com uma empresa que é suspeita de comprar decisões do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), que integra o Ministério da Fazenda.

Na manhã desta quinta-feira, porém, ele foi preso na 34ª fase da Operação Lava Jato, intitulada Arquivo X.

Segundo o Ministério Público Federal, sob orientação do PT, o ex-ministro solicitou ao empresário Eike Batista a transferência de US$ 2,35 milhões a uma empresa do casal de publicitários João Santana e Mônica Moura para pagar dívida de campanha. Os pagamentos foram feitos no exterior.

No momento da operação, Mantega estava no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, acompanhando a mulher, que se preparava para passar por uma cirurgia.

Horas depois, ele teve a prisão revogada pelo juiz federal Sérgio Moro. A decisão foi motivada pela saúde de Eliane.

“Considerando os fatos de que as buscas nos endereços dos investigados já se iniciaram e que o ex-ministro acompanhava o cônjuge no hospital e, se liberado, deve assim continuar, reputo no momento esvaziados os riscos de interferência da colheita das provas nesse momento”.

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, o advogado de Mantega, José Roberto Batochio, descreveu a prisão como “abusiva, arbitrária e não tinha razão de ser”.

Já o presidente do PT, Rui Falcão, afirmou estar “revoltado” com a operação.

Segundo ele, o “estilo de arbitrariedade e violação de direito” da força-tarefa da Lava Jato é “insuportável”.

Prisão de Mantega foi para influenciar as eleições, diz Dilma

© Fornecido por New adVentures, Lda.A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) classificou como “lamentável” a prisão do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega. Ela afirmou também que o objetivo da ação é influenciar a campanha eleitoral.

As declarações foram dadas nesta quinta-feira (22) em Salvador, onde a ex-presidente participou de uma ato contra o presidente Michel Temer (PMDB), organizado pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo sem Medo.

“Hoje, um fato lamentável aconteceu, que é o uso e a tentativa de prender uma pessoa como é o ex-ministro Guido Mantega em um hospital onde a mulher dele estava sendo operada de câncer. A pergunta é: por que prender? A resposta é: para influenciar a campanha eleitoral”, disse.

Dilma disse lamentar “profundamente” a prisão e na sequência afirmou que os governos Lula e Dilma foram os que mais combateram a corrupção.O ex-ministro da Casa Civil Jaques Wagner (PT) também comandou a operação da Polícia Federal e disse que a prisão de Mantega no hospital “foi de uma crueldade nazista”.

No ato em Salvador, a ex-presidente Dilma desfilou em cima de uma caminhonete ao lado de Jaques Wagner, do governador Rui Costa (PT) e da candidata a prefeitura de Salvador Alice Portugal (PCdoB).

No chão, o público cercava o carro em que Dilma desfilou, com gritos de “fora, Temer” e “Dilma, guerreira, da pátria brasileira”. Sorrindo e acenando para o público, a ex-presidente evitou entoar os gritos contra o presidente.

No discurso, a ex-presidente voltou a afirmar que o impeachment foi um “golpe” para retirar direitos sociais e que serviu para impedir que as investigações da Lava Jato “cheguem aos golpistas”.

Dilma ainda afirmou que, no governo Temer, “o povo não cabe no orçamento” e acusou o presidente de querer “privatizar tudo”.

“Eles querem privatizar tudo que puder, as terras, a Petrobras. Querem passar a comprar plataforma [de exploração de petróleo] fora do Brasil, transferindo para a Coreia, o Japão os empregos que nós poderíamos ter”.

A manifestação percorreu um trecho de 2,5 km entre a Praça do Campo Grande a Praça Castro Alves, no centro de Salvador. Segundo a organização, 50 mil pessoas participaram do ato.

CAMPANHA NACIONALIZADA

Além de participar do ato, Dilma também gravou cenas para o programa eleitoral de Alice Portugal (PCdoB), candidata à prefeitura de Salvador.

A candidata do PCdoB tem adotado a estratégia de nacionalizar a campanha eleitoral, associando o seu adversário, o prefeito ACM Neto (DEM), ao presidente Michel Temer.

Por outro lado, Portugal tem associado sua candidatura ao apoio de Dilma e Lula, aproveitando a popularidade de ambos no Nordeste. Em Salvador, os candidatos do PT foram os mais votados em todas as eleições presidenciais desde 1989.

Este é o segundo ato político de que Dilma participa desde que deixou o cargo de presidente após a confirmação do impeachment no Senado.

Na quarta-feira (21), a ex-presidente esteve no Rio de Janeiro, onde participou de um ato de campanha da candidata Jandira Feghali (PCdoB).

 

GIRANDO NAS NOTICIAS

Garçons cobram dívida trabalhista de Russomanno

Doria sobe e divide liderança com Russomanno e Marta

O Tribunal Regional do Trabalho do Distrito Federal tem ao menos cinco processos trabalhistas contra o Bar e Restaurante do Alemão de Brasília, que foi de propriedade do candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PRB, Celso Russomanno. Os funcionários cobram dívidas trabalhistas em causas que ainda estão em andamento.

Celso Russomanno (PRB): O candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PRB, Celso Russomanno© Fornecido por Estadão O candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PRB, Celso RussomannoAs ações foram propostas a partir de agosto deste ano, mês em que o bar fechou. Entretanto, três dos cinco processos ainda não tiveram nem sequer a primeira audiência de conciliação porque os oficiais de Justiça não conseguem localizar representantes legais do estabelecimento: os requerimentos voltam com a informação de que o requerido, o bar, “mudou-se”, segundo os despachos do processo.

A dificuldade na localização dos representantes do bar que pertencia ao candidato já fez com que em um dos processos, da 15.ª Vara do Trabalho de Brasília, o juiz Aldrey Choucair Vaz notificasse os requeridos por meio de edital público. O despacho é do dia 1.º deste mês.

Os valores das ações não são de acesso público no TRT. Entre os assuntos dos processos, entretanto, é possível saber o teor das reclamações: atraso no pagamento de verbas rescisórias, adicional de horas extras, aviso prévio, entre outros.

Em entrevista nesta quinta-feira, 22, à Rádio Bandeirantes, Russomanno afirmou que pagou todos os funcionários do bar, que foi despejado após acumular dívidas.

Ao Estado, o garçom Gledis Nei, um dos autores das ações contra o bar, disse que até gorjetas deixaram de ser pagas. “Eu trabalhei lá durante seis anos. Praticamente morava lá dentro e até agora não recebi nada de rescisão. Me devem até gorjeta”, disse o funcionário.

“Esses que entraram na Justiça do Trabalho não quiseram esperar o pagamento. Se eles quiserem que eu pague, eles retiram a ação e eu pago sem problema nenhum”, disse o candidato.

Moro manda arquivos do celular de

O juiz Sérgio Moro autorizou o compartilhamento com o grupo de trabalho da Polícia Federal responsável pelos inquéritos da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal das informações presentes nos celulares do empreiteiro Marcelo Bahia Odebrecht – preso desde 19 de junho de 2015.

O RELATÓRIO DO CELULAR DE MARCELO ODEBRECHT

A força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, ao se manifestar para o juiz Sérgio Moro sobre o compartilhamento material, apontou que ‘não há como negar a relação entre os fatos apurados perante este juízo e perante o Supremo Tribunal Federal’.

Atualmente, existem no Supremo 81 inquéritos contra 364 investigados na Lava Jato, incluindo pessoas físicas e jurídicas e até pessoas sem foro mas que devido ao envolvimento com os parlamentares deverão ser julgados pela Corte máxima.O aparelho do maior empreiteiro do País foi apreendido na 14.ª fase da Operação, deflagrada em 19 de junho de 2015 e que levou à prisão Odebrecht e o empresário Otávio Marques, da Andrade Gutierrez.

No celular de Odebrecht, que está em vias de fechar acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal, foi encontrado um conjunto de siglas com referência a políticos, frases cifradas e codinomes que revelaram a proximidade do empreiteiro com o mundo político.

Quando o material veio à tona, a Polícia Federal utilizou tarjas para preservar os nomes dos políticos com foro privilegiado, justamente pelo fato de as investigações estarem no âmbito da primeira instância judicial naquela época.

Muitas mensagens já foram decifradas pelos investigadores em Curitiba. Eles descobriram a existência de um ‘departamento de propinas’ que funcionava na empresa e envolvia não apenas obras na Petrobrás.Desde que o funcionamento do departamento foi revelado, em março deste ano, a cúpula da empreiteira, incluindo Marcelo Odebrecht, decidiu colaborar com as investigações.

Agora, além da força-tarefa em primeira instância, os investigadores da Diretoria de Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal em Brasília também vão poder aprofundar nas investigações, mirando em políticos que detêm foro privilegiado perante o Supremo Tribunal Federal e cujos nomes e contatos estão armazenados no aparelho do empreiteiro.

A Lava Jato já conseguiu cruzar os conteúdos das mensagens de celular e anotações na agenda eletrônica de Marcelo com operações financeiras e outros elementos que, para o Ministério Público Federal, ligam os executivos ao esquema de corrupção na Petrobrás.Parte deste material decifrado já foi utilizado para embasar denúncias contra nomes ligados à empreiteira. Nenhum dos diálogos e anotações que fazem referências expressas a políticos, porém, ainda foi decifrado e cruzado com outras informações das investigações.

Moro manda arquivos do celular de Odebrecht ao STF

Em meio à ofensiva contra pagamentos irregulares de benefícios a segurados, a Justiça Federal decretou liminarmente o bloqueio de R$ 7,5 milhões em bens e valores de dois médicos peritos da Previdência – Paulo César Cardoso e Luiz Carlos da Silveira -, sob investigação por supostamente emitirem atestados de ‘doenças incapacitantes e invalidez’.

As informações foram divulgadas no site do Ministério Público Federal em Goias. (Leia a íntegra da inicial da ação e da decisão liminar da Justiça Federal (Processo nº0002188-97.2016.4.01.3505).A decisão judicial acolhe pedido do Ministério Público Federal em Anápolis (GO) em ação de improbidade administrativa proposta contra os dois médicos ‘pela prática da concessão e/ou manutenção irregular de benefícios previdenciários por meio de perícias fraudulentas’.De acordo com a ação, no período de 2002 a 2006, Paulo César Cardoso e Luiz Carlos da Silveira ‘praticaram, por diversas vezes, fraudes na agência do INSS no município de Minaçu, localizado no norte do estado de Goiás’.

“Os dois elaboravam laudos médico-periciais que atestavam fraudulentamente a existência de doenças incapacitantes e a invalidez de segurados do Regime Geral da Previdência Social, o que causou prejuízos ao INSS.

“Para o procurador da República Rafael Paula Parreira Costa, autor da ação, o valor do dano a ser ressarcido é de cerca de R$ 2,5 milhões o que, acrescido da multa prevista na Lei de Improbidade Administrativa (Lei 8.429/92), chega a mais de R$ 7,5 milhões.As fraudes teriam beneficiado diversos segurados que, em troca, concederiam favores políticos ao então candidato às eleições municipais de Minaçu (GO) de 2004, Paulo César Pedroso.

Na esfera criminal, a Justiça Federal julgou procedentes as acusações da Procuradoria da República em Goiás e condenou em março deste ano, pelo crime de estelionato, cada um dos dois médicos a cinco anos de reclusão, em regime semiaberto, e ao pagamento de multa.A reportagem não localizou os médicos peritos da Previdência. O espaço está aberto para suas manifestações.

O empresário Eike Batista entregou documentos ao Ministério Público Federal para comprovar o que disse em depoimento, em 20 de maio, sobre o pedido de R$ 5 milhões para o PT feito pelo ex-ministro Guido Mantega e sobre o repasse para o marqueteiro do PT João Santana em contra secreta na Suíça.Ex-controlador da OSX, o empresário entregou documentos como a agenda oficial com o ministro Mantega, em Brasília, o registro de voo, contratos falsos firmados com empresas de Santana e os comprovantes de transferência de uma conta sua no exterior para a conta do casal João Santana e Mônica Moura em nome da offshore Shell Bill Finance – de US$ 2,3 milhões, em 2013.Além da agenda com registro do encontro oficial com Mantega no dia 1º de novembro de 2012, ele entregou o registro do voo usado por ele para se deslocar até Brasília.

EIKE ATISTA

procurou o MPF não como colaborador, mas sim depois de um delator da Lava Jato ter apontado propinas e fraudes na licitação das plataformas P-67 e P-70, vencidas pelo Consórcio Integra Offshore (formado pela Mendes Júnior e OSX Construção Naval) – negócios de US$ 922 milhões, assinado em 2012. O delator era Eduardo Musa, e-gerente da área responsável pelo contrato, a Diretoria Internacional, até 2009, e diretor da OSX na época do fato.Em maio deste ano, outro ex-executivo da OSX confirmou aos investigadores da força-tarefa as fraudes, deu o caminho do dinheiro da propina e citou que Eike Bastista sabia e discutiu o assunto.

Segundo os procuradores, foram rastreados até aqui três frentes de corrupção. A primeira dela vai para o operador de propinas do PMDB João Augusto Henriques, que recebeu R$ 7,5 milhões da Mendes Jr. via empresa Trend Participações. O outro pode ter abastecido dois políticos do PT: o ex-ministro José Dirceu (Casa Civil, governo Lula) via empresa de fachada Credencial Construções, e o ex-deputado André Vargas. E a terceira que trata do pedido de R$ 5 milhões que teria sido feito por Mantega a Eike e pago a Santana.

O empresário negou propina, no entanto, mas a versão não convenceu o juiz federal Sérgio Moro. Em seu despacho que autorizou a deflagração da 34ª fase da Lava Jato, ele ressalta que “Eike Batista negou que o depósito de USD 2.350.000,00 tivesse relação com o contrato obtido pelo Consórcio Integra, tratando-se de doação eleitoral”.

“O problema é que a transferência de recurso foi feita por meio subreptício, através de contas secretas mantidas no exterior e com simulação de contratos de prestação de serviço, meio bem mais sofisticado do que o usual mesmo para uma doação eleitoral não contabilizada”, observou Moro.

“Além disso, seu interlocutor teria sido o então Ministro da Fazenda, a quem não cabe solicitar doações eleitorais ao partido do governo, ainda mais doações subreptícias.”

O magistrado ressaltou ainda que o repasse foi feito a Santana em 16  de abril de 2013, “ano no qual não houve eleições”. “E mesmo considerando a data da solicitação, 1 de dezembro de 2012, igualmente após as eleições municipais daquele ano.”

UM GIRO NAS NOTICIAS

Governador visita Barra do Rocha e formaliza apoio à reeleição de Vera

Rui realizou caminhada em Barra do Rocha (Foto: Valdir Santos/Ubatã Notícias)

Na noite de quinta feira (15) o governador Rui Costa esteve em contato com a população de Barra do Rocha, quando publicamente demonstrou o seu apoio à reeleição da prefeita Vera Franco.  Na oportunidade, Rui realizou caminhada pelas ruas da cidade, ouvindo da comunidade barrochense suas principais reivindicações. A caminhada do governador com Vera trouxe para Barra do Rocha a certeza de que uma parceria ainda mais frutífera para o município com a administração do Governo do Estado deverá ser mantida também em 2017.

Rui confirma apoio a Vera durante bate papo (Foto: Valdir Santos/Ubatã Notícias)

Em discurso, Rui Costa destacou as ações realizadas pelo Estado no município, como a implantação da Farmácia da Bahia, e reafirmou o apoio à reeleição de Vera. Já a candidata agradeceu a presença do governador em Barra do Rocha, lembrou das obras realizadas no município e também apresentou outras demandas. “Rui, você tem sido um grande parceiro e o nosso povo sabe reconhecer quem tem serviço prestado”, disse Vera, que foi bastante aplaudida. (Ipiaú Online)

Ipiaú: Polícia prende último envolvido em atentado durante comício

Gustavo Santana foi preso pela CIPE e agentes do Soint (Foto: Giro em Ipiaú)

O suspeito de ser autor dos disparos que mataram um homem e feriu outras seis pessoas na noite de quinta-feira (15), durante um comício na cidade de Ipiaú foi preso e confessou o crime na manhã desta sexta-feira (16), de acordo com informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP). Outro homem, Edson Miranda dos Santos, vulgo “Jhan”, que também era suspeito de participar da briga que motivou o crime morreu em confronto com a polícia. O tiroteio aconteceu no comício da candidata a prefeita Maria das Graças (PP) e contava com a presença do governador da Bahia, Rui Costa. De acordo com a SSP, a dupla responsável pelo crime foi encontrada em uma casa na zona rural da cidade e reagiu à abordagem da polícia.

Uma pistola Glock e um revólver 32 foram apreendidos (Foto: Giro em Ipiaú)

No confronto, um dos homens foi atingido e não resistiu aos ferimentos. Com eles foram encontradas uma pistola que foi utilizada no crime, e um revólver calibre 32. Na noite de quinta-feira, um revólver calibre 38, também usado na ação criminosa, já havia sido apreendido. Também na manhã desta sexta-feira (16), dois suspeitos de participar da ação que matou um homem e feriu outras seis pessoas durante o comício político foram presos. Um adolescente de 17 anos está entre eles e foi apreendido e encaminhado para delegacia. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública da Bahia, um desentendimento com a vítima no início do comício da candidata a prefeita Maria das Graças (PP) foi o que motivou o crime. (Giro em Ipiaú)

Corpo do ator Domingos Montagner será enterrado neste sábado, em São Paulo

Domingos Montagner morreu afogado. Foto: Reprodução/Ego

O ator Domingos Montagner, 54 anos que morreu afogado no rio São Francisco na quinta-feira (15), será enterrado neste sábado (17), no Cemitério da Quarta Parada, na região leste de São Paulo. A informação foi divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo. O corpo do ator está sendo transportado de Aracaju e deve chegar à capital paulista por volta das 16h desta sexta-feira (16). Ainda segundo o jornal, o velório acontecerá no mesmo dia, em um local próximo, e será apenas para familiares e amigos íntimos. Montagner morreu após mergulhar de uma pedra no rio São Francisco. Ele estava acompanhado da atriz Camila Pitanga, durante um intervalo das gravações da novela ”Velho Chico”, da Rede Globo. (Folha)

Planalto prepara decreto para cruzamento de dados de beneficiários do Bolsa Família

Governo Federal quer melhorar a fiscalização do Programa

O governo federal deve editar nos próximos dias um decreto para viabilizar o cruzamento de dados dos interessados em se inscrever no programa Bolsa Família com as informações de órgãos como Receita Federal e Ministério do Trabalho. De acordo com a revista Veja, o ministro de Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, informou que a ideia é evitar que pessoas que possuem patrimônio ou que não se enquadrem nas regras do programa passem a receber o benefício. Após do decreto, a gestão Temer prevê outra parceria da pasta com a Caixa Econômica Federal para promover o cadastro de pessoa física (CPF) para os beneficiários que ainda não tenham o documento. Dessa forma, se um inscrito informar que tem cinco filhos sem documentos, cada um deles receberá um CPF.  O objetivo é facilitar o cadastro e evitar uma modalidade de fraude ao programa, que inclui a contabilização da mesma criança em várias famílias para ampliação da quantia do benefício. (Bahia Notícias)

Justiça mantém suspensão de lei do farol baixo em rodovias

A Justiça Federal em Brasília negou nesta sexta-feira (16) recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) e decidiu manter a suspensão da Lei 13.290/2016, conhecida como “Lei do Farol Baixo”, que obrigava condutores de todo o país a acender o farol do veículo durante o dia em rodovias. No dia 2 de Setembro, o juiz Renato Borelli, da 20ª Vara Federal em Brasília, aceitou pedido liminar da Associação Nacional de Protecção Mútua aos Proprietários de Veículos Automotoras (ADPVA) e entendeu que os condutores não podem ser penalizados pela falta de sinalização sobre a localização exata das rodovias. Na ação, a associação citou o caso específico de Brasília, onde existem várias rodovias dentro do perímetro urbano. “Em cidades como Brasília, exemplificativamente, as ruas, avenidas, vias, estradas e rodovias penetram o perímetro urbano e se entrelaçam. Absolutamente impossível, mesmo para os que bem conhecem a capital da República, identificar quando começa uma via e termina uma rodovia estadual, de modo a se ter certeza quando exigível o farol acesso e quando dispensável”, disse a entidade. (Pimenta)

PM morto em assalto chegava da igreja quando foi alvejado, diz polícia

Romário José da Silva trabalhou na Polícia Militar por mais de 30 anos  (Foto: Divulgação/PM)

O sargento da reserva da Polícia Militar morto durante um assalto na noite quinta-feira (15), no município de Eunapóslis, sul da Bahia, voltava da igreja com a família no momento em que ocorreu o crime. As informações foram passadas ao G1 pela Polícia Civil, nesta sexta-feira (16). De acordo com a polícia, a família chegava em casa, no bairro Vila Olímpica, por volta das 22h, quando quatro homens armados se aproximaram a pé e anunciaram o assalto. Romário José da Silva, de 54 anos, reagiu e os homens atiraram várias vezes contra ele e fugiram levando o carro do sargento. Segundo a polícia, a vítima chegou a ser levada para o Hospital Regional de Eunápolis, mas não resistiu aos ferimentos. O sargento foi enterrado na tarde desta sexta-feira, no Cemitério da Consolação, no município onde o crime ocorreu. Ainda conforme a polícia, a vítima trabalhou por mais de 30 anos na Polícia Militar e estava aposentada há cerca de 5 anos. Até o fechamento desta reportagem, nenhum suspeito tinha sido preso. O caso é investigado como latrocínio, roubo seguido de morte. (G1)

Itabunense é presa em aeroporto com 11 quilos de drogas

Juliana foi presa ao desembarcar em Salvador

A itabunense Juliana Souza, de 19 anos, foi presa com 11 quilos de maconha, na noite de quarta, ao desembarcar no Aeroporto Luís Eduardo Magalhães, em Salvador. Juliana estava acompanhada por um homem de 30 anos, de Santo André (SP). Os dois foram presos por agentes da Polícia Federal. A droga, proveniente de Manaus (AM), teria como destino a capital baiana, de acordo com a polícia. Os dois foram indiciados por tráfico de drogas e encaminhados para presídio na Região Metropolitana de Salvador. (Pimenta)

Aurelino Leal: PM prende homem acusado de homicídio em Laje do Banco

Homem foi preso no distrito de Laje do Banco (Foto: Ubatã Notícias)

Uma guarnição da 61ª CIPM/Ubaitaba, sob o comando do Capitão Ramos, prendeu, na manhã desta sexta-feira (16), em cumprimento a um mandado de prisão, no distrito de Laje do Banco, município de Aurelino leal, um homem identificado como Eliomar Barbosa dos Santos. Eliomar é acusado de homicídio e já foi condenado a 12 anos de prisão pelo crime. O mandado de prisão foi expedido pelo Juiz de Direito da Comarca de Aurelino Leal, o magistrado Renato Alves Cavichiolo. (Ubatã Notícias)

Candidato a vereador é preso com 400 kg de drogas enterrados em chácara

Marcio Dias é candidato a vereador em Cuiabá (Foto: Reprodução/TVCA)

Um candidato a vereador em Cuiabá foi preso com aproximadamente 400 kg de maconha, nesta quinta-feira (15). Segundo a Polícia Militar, a droga foi encontrada enterrada em buracos de uma chácara na região do Coxipó do Ouro, na capital mato-grossense. A propriedade pertence a Marcio Gonzaga Dias, de 37 anos, candidato a vereador em Cuiabá pelo PT do B. O advogado do candidato, Luciano Pedroso de Jesus, declarou que Marcio não sabia que a droga estava enterrada na chácara. Outras 12 pessoas também foram presas com 400 kg de maconha na mesma situação em que o candidato foi preso. Segundo a Polícia Militar, a outra parte da droga estava em uma casa no Bairro Sol Nascente. O grupo foi preso após investigações sobre tráfico de drogas na capital. Um dos suspeitos usava uma tornozeleira eletrônica e fez, por várias vezes, o trajeto entre a casa e a chácara do candidato, conforme informou a polícia. “[O candidato a] vereador não é o dono da droga, ele é dono do balneário que foi alugado para essas pessoas que são ‘donas’ da droga. [O candidato a] vereador não tem nenhuma participação”, declarou o advogado à TV Centro América. (G1)

Ipiaú: Um dos acusados de atirar durante comício morre em confronto com a PM

Dois suspeitos foram apresentados na delegacia (Foto: Giro Ipiaú)

Um homem identificado até o momento pelo apelido de “Jhan” morreu em confronto com policiais do Serviço de Investigação (Soint) da 55ª CIPM e da CIPE Central (ver foto). Após a prisão dos dois suspeitos de envolvimento no crime, a polícia numa resposta rápida chegou até o verdadeiro autor dos disparos que matou Danilo Menezes de Souza. Os suspeitos estavam escondidos nas proximidades da Fazenda Fegam, na zona rural de Ipiaú. Segundo a polícia, houve confronto e “Jhan”, apontado como um dos autores dos disparos durante o comício realizado na noite dessa quinta-feira (15) acabou sendo baleado e morreu a caminho do Hospital Geral de Ipiaú. Outros dois irmãos foram presos pela PM. Com eles foram encontradas as armas do crime; uma pistola Glock e um revólver calibre 32. À polícia, um dos presos informou uma motivação diferente da apresentada mais cedo por outro suspeito. A confusão teria ocorrido após Danilo “mexer” com a mulher de um dos acusados. Os dois irmãos foram encaminhados à delegacia e serão ouvidos pelo delegado Ivan Lessa.

Governador participava de Comício no momento dos tiros (Foto: Reprodução)

O caso aconteceu na noite de quinta-feira (16) em frente ao Ginásio de Esportes Clériston Andrade, em Ipiaú. No momento acontecia um comício da candidata prefeita Maria das Graças e contava com a participação do governador Rui Costa. Após o pronunciamento de Rui Costa, Maria inciou o seu discurso e em menos de três minutos ouviram os tiros no local distante pouco mais de 150 metros do palanque. Sete pessoas foram baleadas, uma delas, Danilo Menezes, morreu na madrugada no Hospital Prado Valadares, em Jequié. Os outros seis foram atingidos nas pernas e braços e não correm risco de morte. (Giro Ipiaú)

Ubaitaba: PM prende dupla acusado de assalto

Dupla foi presa pela PM (Foto: Ubatã Notícias)

PM apreendeu revólver com dupla (Foto: Ubatã Notícias)

Uma guarnição da 61ª CIPM/Ubaitaba, prendeu, por volta das 21h:30min desta quinta-feira (15), na Avenida Beira Rio, em Ubaitaba, duas pessoas acusadas de assaltar o celular de uma mulheres. Os acusados foram identificados apenas pelos prenomes de Mariana e Lúcio, vulgo Neguinho. Com a dupla, a PM apreendeu uma revólver calibre 22, cano duplo, municiados. Os acusados foram apresentados na sede da 7ª Coorpin, em Ilhéus. O celular foi devolvido à proprietário na manhã desta sexta-feira (16). (Ubatã Notícias)

Ubatã: Governador Rui Costa participa de carreata e comício e formaliza apoio a Siméia

Governador participou de carreata (Foto: Valdir Santos/UN)

O governador da Bahia, Rui Costa, visitou, nesta quinta-feira (15), o município de Ubatã. O chefe do executivo estadual foi recepcionado por uma grande comitiva formada pela perfeita Siméia Queiroz (PSL), pelo candidato a vice Paulo Silva (PP), por candidatos a vereador, lideranças regionais e pela comunidade. O evento foi iniciado com uma carreata, que percorreu algumas das principais ruas do município e seguiu em direção ao Churrascão, onde Rui segui a pé até o local do evento.

Rui Costa formaliza apoio a Siméia e Paulo Silva (Foto: Valdir Santos/UN)

Cerca de 3 mil pessoas participaram do comício no Popular. Paulo Silva fez um discurso vibrante e agradeceu a presença de Rui em Ubatã. O Governador, numa pronunciamento de cerca de 10 minutos, formalizou o apoio à reeleição de Siméia Queiroz e lembrou que a gestora conseguiu devolver a credibilidade ao município. “Pelo trabalho realizado e pela seriedade dessa menina, peço que o voto dos ubatenses seja novamente em Siméia”, disse Rui, que foi bastante aplaudido.

Comício foi realizado no Bairro Popular (Foto: Valdir Santos/UN)

Siméia agradeceu a presença das autoridades e da comunidade que se fez  presente no evento e lembrou das obras e ações do governo do estado realizadas no município. “O governo do estado liberou ambulância, uma emenda para pavimentação de ruas no Popular e Alan Machado, ônibus escolar, aparelho de Raio X para o Hospital e agora liberou também a pavimentação do Dois de Julho”, disse Siméia, que durante discurso apresentou outras demandas para o governador. Em tempo, a gestora cumpre agenda de campanha nesta sexta. (Ubatã Notícias)

 

Domingos Montagner: Laudo confirma morte por afogamento no Rio São Francisco

Ator morreu afogado no Rio São Francisco

O laudo do Instituto Médico Legal (IML) de Sergipe confirmou que a morte do ator Domingos Montagner foi causada por afogamento. O diretor José Aparecido Cardoso informou, por volta das 3h da madrugada desta sexta-feira (16), que lesões superficiais constataram a asfixia mecânica por afogamento. Uma declaração de óbito será emitida para atstar a causa da morte. O corpo do ator que interpretava Santo, na novela ‘Velho Chico’, foi encontrado a 18 metros de profundidade e a 320 metros da prainha de Canindé do São Francisco, nesta quinta-feira (15). De acordo com o G1, o IML aguarda o comparecimento de alguém da família ou algum responsável para fazer a liberação do corpo – o procedimento só pode ser feito com grau de parentesco de pai, mãe, filho, esposa, irmão ou alguém com uma procuração assinada por algum desses parentes.

Ubaitaba: PM prende dupla armada acusada de assaltar loja de eletroeletrônicos

Dupla foi presa pela Polícia Militar (Foto: Ubatã Notícias)

Por volta das 11h30m desta quinta feira (15), um grupo formado por cerca de quatro elementos assaltou uma loja de eletroeletrônicos, no centro de Ubaitaba. De posse de revólveres, os indivíduos renderam os vendedores e saíram da loja com vários celulares e tablets em uma sacola plástica. Contudo, ao perceber a ação delituosa, um policial à paisana, que circulava pela área, conseguiu alcançar dois dos criminosos, que seguiram a pé pela Avenida Beira Rio. Ao dar voz de prisão, os mesmos deflagraram diversos disparos contra o policial, que ainda conseguiu cercá-los no interior de um Supermercado. Ao chegarem os reforços das guarnições da área, finalmente foram presos os marginais conhecidos como Fábio e Gutierrez.

Polícia apreendeu revólveres e aparelhos roubados (Foto: Ubatã Notícias)

Segundo informações, o restante da quadrilha estava no interior de um veículo Fiat Palio de cor vermelha, aguardando a chegada dos comparsas. Contudo, ao ouvirem os disparos eles fugiram, deixando os outros dois para trás. Com eles a polícia encontrou toda a mercadoria roubada, bem como as armas utilizadas no crime, um revólver calibre 38 e outro calibre 32. A polícia suspeita que esta mesma quadrilha vinha praticando diversos crimes a estabelecimentos comerciais na cidade. As buscas aos outros envolvidos no assalto seguiram com o apoio da CIPE Cacaueira. Os indivíduos presos, bem como o material apreendido foram apresentados na DP da cidade de Ubaitaba, na presença do delegado titular.

Homem é morto na frente de sobrinho de 10 anos em carroça; criança é baleada

Caso aconteceu em Feira de Santana

Um carroceiro de 38 anos foi morto a tiros na frente do sobrinho de 10 anos quando estava em uma carroça no município de Feira de Santana, nesta quinta-feira (15). Durante a ação, a criança também foi baleada, mas sobreviveu. De acordo com a Polícia Civil, o crime ocorreu na Rua Visconde de Paula de Moraes, no Centro Industrial do Subaé (CIS). Ainda não há informações sobre suspeitos e nem sobre a motivação do homicídio. “Ele estava na carroça com o sobrinho e um indivíduo se aproximou e deu diversos tiros contra ele. Depois, o cavalo que puxava a carroça se assustou e disparou, carregando o corpo da vítima e a criança até uma entrada de terra. Depois, o corpo caiu perto de uma poça de água, onde foi encontrado”, destacou o delegado José Guimarães, em contato com G1. Conforme a polícia, a abordagem ocorreu por volta das 12h20. O carroceiro foi atingido nas costas e no rosto. O menino de 10 anos foi socorrido e encaminhado para o Hospital Estadual da Criança (HEC). O estado de saúde do menino não foi informado. (G1)

Corpo de ator da novela ‘Velho Chico´ é encontrado no Rio São Francisco

Domingos Montagner morreu afogado no São Francisco

O ator Domingos Montagner, o Santo da novela “Velho Chico”, da TV Globo, morreu nesta quinta-feira (15). Ele gravou cenas de “Velho Chico” na parte da manhã, em Alagoas. Após o término da gravação, ele almoçou e, em seguida, foi tomar um banho de rio. Durante o mergulho, não voltou à superfície. A atriz Camila Pitanga, que estava no local, avisou à produção, que iniciou imediatamente as buscas pelo ator. Helicópteros do Grupamento Tático Aéreo, Policia Militar, Corpo de Bombeiros e pescadores da região ajudaram nas buscas. Nesta semana, a novela também teve cenas gravadas em Piranhas (AL). Paulistano, Montagner tinha 54 anos. Ele começou sua carreira  artística trabalhando no teatro e em circos. Ele atuou em treze programas de TV, entre séries e novelas, além de nove filmes. Alguns papéis de destaque foram o Capitão Herculano Araújo de “Cordel Encatado” (2011) e o presidente Paulo Ventura de “O brado retumbante” (2012). Ele também chamou atenção como o Zyah de “Salve Jorge” (2012) e João Miguel de “Sete Vidas (2015). O ator estava no ar como o Santo de “Velho Chico” (2016). Ele era casado e deixa três filhos. (G1)

Ipiaú: Comício com participação do governador termina com um morto e seis baleados

Danilo acabou indo a óbito após ser baleado

Uma pessoa morreu e outras seis ficaram feridas em um evento político realizado na noite dessa quinta-feira (16), em frente ao Ginásio de Esportes Clériston Andrade, em Ipiaú, com a presença do Governador Rui Costa. Os tiros foram disparados por um homem ainda não identificado que fugiu a pé. Segundo populares, ele teria se dirigido até Danilo Menezes de Souza e realizado os disparos. Além de Danilo, outras seis pessoas foram atingidas. Ronaldo Pinto Andrade (baleado na virilha), Saionara Menezes de Souza (baleada em um dos dedos da mão), Joélio dos Santos (baleado no braço), Alexsandro (baleado no braço e na perna), um jovem identificado pelo prenome de Alan (baleado na perna) e Fábio dos Santos (baleado no pé).  Danilo morreu na madrugada dessa sexta-feira. Ele foi levado para o Hospital Prado Valadares, em Jequié, numa unidade avançada do Samu.

Houve bastante correria após pessoas serem

Ronaldo, Joélio e Alessandro também foram encaminhados para a unidade hospitalar de Jequié para serem submetidos aos procedimentos cirúrgicos de retirada das balas. Segundo uma das vítimas contou ao GIRO, momentos antes dos tiros, teria ocorrido uma briga. O tiroteio aconteceu durante o discurso da candidata a prefeita de Ipiaú, Maria das Graças (PP). No momento dos tiros, Rui Costa se preparava para deixar o palanque. Houve muita correria e confusão no local. A polícia já tem pistas do autor dos disparos e já apreendeu um menor suspeito de participação no crime.

Atentado aconteceu em frente ao Ginásio de Esportes

O governador comentou o caso e prometeu reforçar a segurança até as eleições: ” A partir de amanhã (16) vamos manter um pelotão especializado da caatinga em Ipiaú até o dia da eleição e um grupamento especializado da Polícia Civil para deixar claro que criminoso, seja da política ou do banditismo, não vai intimidar o estado de direito e nem a sociedade. Aqueles que querem se impor pelo medo terão a força e a mão do estado botando ordem, colocando presos aqueles que querem aterrorizar as famílias de Ipiaú”, disse. “Nós vamos com certeza pegar os responsáveis por isso”, acrescentou.  A polícia informou que o crime foi motivado por uma rixa entre o autor e a vítima, Danilo.

Reféns de ursos polares, cientistas estão cercados há mais de duas semanas

Cientistas estão cercados por pelo menos 10 ursos polares

Cinco cientistas estão cercados há mais de duas semanas por pelo menos dez ursos polares adultos e seus filhotes na ilha de Troynoy, ao norte da Sibéria. A ilha fica a centenas de quilômetros da costa da Rússia, o que dificulta tentativas de ajuda. O grupo está no local para pesquisas em uma estação meteorológica, segundo o site Exame. Em 29 de agosto, os ursos chegaram a matar um dos dois cachorros da estação. Por estarem presos, os cientistas não têm a possibilidade de realizar observações meteorológicas. Também não há mais sinalizadores usados para assustar os bichos. Na tentativa de ajudar o grupo, o governo russo enviou mantimentos, sinalizadores e cães de guarda, mas os materiais devem demorar um mês para chegar devido à inacessibilidade do local. Até o início de novembro, a probabilidade é que o mar ao redor de Troynou congele. Dessa forma, os ursos poderão deixar a ilha em busca de comida. No entanto, o aquecimento global pode impedir que isso aconteça, e os cientistas permanecerão reféns por mais algum tempo. (Bahia Notícias)

Mãe e filho são mortos a tiros em Jequié

Assassinatos ocorreram no Bairro do Mandacaru

Uma mulher de 44 anos e o filho, um adolescente de 16, foram mortos a tiros dentro da casa onde moravam no bairro Mandacaru, em Jequié, região sudoeste da Bahia, na quarta-feira (14). Segundo informações da Polícia Militar, mãe e filho foram surpreendidos por quatro suspeitos, que fugiram a bordo de um carro após o crime. Ainda de acordo com a PM, o adolescente morreu no local e a mãe chegou a ser socorrida por populares até o Hospital Geral Prado Valadares, mas não resistiu aos ferimentos. A polícia realizou rondas em busca dos suspeitos, mas até a manhã desta quinta-feira (15), ninguém havia sido preso. A polícia informou também que as mortes apresentaram características de execução. O caso será investigado pela delegacia de Jequié, mas a motivação e autoria do crime ainda não foram determinadas. (Pimenta)

Homem é preso com 15 kg de cocaína em painel de carro

Droga foi interceptada em Feira de Santana

Um homem foi preso ao tentar transportar 15 kg de pasta base de cocaína, dentro de painel de um veículo, no lugar do airbag. De acordo com a Polícia Civil, Jadilson Alves dos Santos, de 34 anos, conhecido como Jai, contratou uma transportadora para levar o veículo de São Paulo para Feira de Santana. Ainda segundo a polícia, o destino final da droga era o município de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador. O caso ocorreu na terça-feira (13), mas a informação só foi divulgada pela polícia na quinta-feira (14). Jadilson Santos foi preso por investigadores da Delegacia de Tóxicos e Entorpecentes (DTE/Feira). A droga foi interceptada na BR-116, em Feira. A delegada Klaudine Passos, titular da UTE/Feira, unidade que integra o Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), informou por meio de nota que a polícia chegou até o carro por meio de denúncias anônimas. O suspeito, que foi autuado em flagrante, já tem passagem por tráfico e foi encaminhado ao sistema prisional. Já os 15 kg de pasta base, que poderia ser refinada e transformada em até 75 quilos de cocaína, seguiu para o Departamento de Polícia Técnica (DPT). (G1)

ECONOMIA

Maior procura ocorreu entre os brasileiros de renda mais baixa, com ganho mensal de até R$ 500

O número de pessoas que procurou crédito em agosto cresceu 7,4% frente a julho. Os dados são parte do Indicador Serasa Experian da Demanda do Consumidor por Crédito, divulgado nesta quarta-feira (14). Na comparação com agosto do ano passado, a alta foi de 1,9%.

Esse indicador é importante por mostrar a intenção de consumo dos brasileiros. Quando há aumento da demanda por crédito, isso significa que os consumidores estão mais dispostos a comprar e mais confiantes no futuro, já que os financiamentos e empréstimos são pagos a prazo.

Na comparação com julho, a maior demanda ocorreu entre os brasileiros com renda de até R$ 500 mensais – alta de 9,7%. Para os que ganham entre R$ 500 e R$ 1 mil, o avanço foi de 9,0%. Já entre os brasileiros que recebem entre R$ 1 mil e R$ 2 mil, a alta foi de 6,4%.

A Serasa informou ainda que o desempenho também foi positivo entre a parcela da população com maior rendimento. Para os que recebem entre R$ 2 mil e R$ 5 mil por mês, o avanço foi de 5,1%.

Crédito por faixa de renda

Para os consumidores cujo rendimento mensal se situa entre R$ 5 mil e R$ 10 mil, a alta na demanda por crédito foi 4,9%. Os que têm ganhos acima de R$ 10 mil, o aumento foi de 6,5%.

Por região, o melhor desempenho foi do Sul, com alta de 10,9% entre julho e agosto. A lista segue com Nordeste (8,2%), Sudeste (6,6%), Centro-Oeste (5,7%) e Norte (3,6%).

Custo da indústria com capital de giro caiu 7,7% e os custos com bens intermediários recuaram 11,2%

Pela primeira vez desde 2014, os custos industriais registraram queda. Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI), responsável pela pesquisa, houve um recuo de 1,1% na comparação entre o primeiro e o segundo trimestre do ano.

Os dados fazem parte do Indicador de Custos Industriais, levantamento que foi divulgado nesta quarta-feira (14). Segundo a CNI, a redução foi puxada pela queda dos custos com capital de giro e com bens intermediários importados – produtos usados para produzir outros itens.

A entidade informou ainda que, ao segundo trimestre, o custo com capital de giro caiu 7,7% e o de custos com bens intermediários recuou 11,2%. A queda do dólar frente o real está entre os principais motivos para a redução de custos no período.

Melhora do cenário para a indústria

A CNI explicou que esse movimento de baixa permitiu melhorar as margens de lucro das empresas. “É o terceiro trimestre consecutivo em que o aumento dos preços supera o aumento dos custos industriais, o que indica um período de descompressão das margens de lucro”, informou a entidade no estudo.

 

Ministro do Planejamento defendeu mudanças na alocação dos recursos orçamentários para reduzir desequilíbrio

A expectativa de queda de inflação e do Risco Brasil, aliadas à retomada da confiança de empresários e consumidores, são sinais de que a economia brasileira começa a se recuperar, disse o ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira, nesta terça-feira (13), durante audiência pública na Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional, para discutir o Projeto de Lei Orçamentária de 2017 (Ploa).

Segundo o ministro, essa melhora foi observada na elaboração do orçamento de 2017, que prevê o crescimento de 1,6% no Produto Interno Bruto (PIB), alcançando R$ 6,8 trilhões contra uma queda de 3% em 2016, somando R$ 6,2 trilhões. “Temos uma situação fiscal apertada, mas a economia já começa a dar sinais de recuperação”, afirmou o ministro.

A expectativa prevista no Projeto de Lei Orçamentária de 2017 (Ploa) é que o resultado primário do governo central irá registrar déficits de R$ 139 bilhões e de R$ 79 bilhões, em 2016 e 2017, respectivamente, e conseguirá se equilibrar em 2019. “Isso mostra que temos a necessidade de um ajuste fiscal gradual e contínuo para equilibrar o orçamento federal”, disse Dyogo.

Para 2017, o limite para despesa é de R$ 1,281 trilhão ou 19,3% do PIB. A despesa do governo federal tem crescido desde 1997 e passou de 14% do PIB para 19,9% do PIB em 2016. “Isso demonstra a necessidade de se fazer uma contenção da evolução das despesas. Não podemos ter, nos próximos vinte anos, a mesma trajetória dos mesmos últimos vinte anos, sob pena de colocarmos o País em um sério risco fiscal”, explicou o ministro.

Gastos públicos

Nesse sentido, o governo está fazendo um enorme esforço para conter os gastos públicos por meio de ações gerenciais e administrativas. Com isso, as despesas discricionárias sairão de R$ 252,2 bilhões, previstos em 2016, para R$ 249,3 bilhões, em 2017.

Dyogo defendeu ainda mudanças na alocação dos recursos orçamentários para reduzir desequilíbrios. “Hoje 60% dos recursos do orçamento anual são destinados a pagamento de aposentadorias e benefícios, e apenas 3% vão para investimento”, exemplificou.

Outra preocupação do governo é com a evolução da dívida pública. A projeção é de que a dívida bruta cresça de 66,5% do PIB em 2015 para 75,8% ao final de 2017. “Essas projeções mostram a urgência, a importância de ter durante a discussão do Orçamento, com bastante parcimônia e clareza, de que a situação fiscal do País demanda cuidados. A situação do País demanda a adoção de medidas enérgicas para voltarmos a ter uma trajetória de resultados e de dívida que tragam confiança aos investidores e às pessoas”, recomendou o ministro.

O ministro acrescentou que não há previsão de aumento de impostos ou de contribuições no PLOA 2017, e que a elevação da carga tributária prevista no projeto advém da expectativa de crescimento econômico.

Entrada de dólares no País supera a retirada em US$ 646 milhões, segundo o Banco Central

Nas duas primeiras semanas de setembro, o Brasil recebeu mais dólares do que deixou sair. Segundo informações do Banco Central, as relações financeiras de troca entre o País e o restante do mundo deixaram um saldo positivo de US$ 646 milhões no período.

As informações foram divulgadas pelo Banco Central nesta quarta-feira (14) e mostram que o resultado positivo desses primeiros dias do mês foram formados por desempenhos favoráveis no comércio exterior e no mercado financeiro.

Apenas pelo lado comercial, houve um saldo positivo de US$ 630 milhões – resultado formado por US$ 3,4 bilhões em exportações e US$ 2,7 bilhões em importações.

Investimentos estrangeiros

Pelo mercado financeiro, o saldo ficou positivo em US$ 15 milhões – diferença entre ingressos de US$ 7,567 bilhões e saídas de US$ 7,551 bilhões.

Essa conta financeira diz respeito a investimentos estrangeiros em renda fixa, compra e venda de ações, investimentos para o setor produtivo e remessas de lucros e dividendos.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Banco Central

CULTURA

Cultura abre inscrições para seleção de Projetos Estratégicos em Londrina

Projetos selecionados serão beneficiados pelo Promic no exercício de 2017; propostas serão aceitas de 15 de setembro a 14 de outubro

A Secretaria Municipal de Cultura (SMC) recebe, a partir desta quinta-feira (15), inscrições de Projetos Culturais Estratégicos. As propostas selecionadas serão beneficiadas pelo Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic), no exercício 2017. O Edital nº 01, com informações referentes ao processo de seleção, está disponível na edição desta quarta-feira (14) do Jornal Oficial do Município.

As inscrições poderão ser feitas até 14 de outubro, diretamente na sala da Diretoria de Incentivo à Cultura da SMC. O horário de funcionamento é das 12 às 18 horas, e o endereço é Praça 1º de Maio, 110. Os projetos inscritos serão avaliados pela Comissão de Análise de Programas e Projetos Estratégicos (CAPPE), formada por membros indicados pelo Conselho Municipal de Cultura e pela Secretaria.

Segundo a secretária municipal de Cultura, Solange Batigliana, o Promic tem grande responsabilidade na manutenção da agenda cultural que acontece em Londrina. “O Promic é o principal programa de apoio à produção cultural da cidade. Demos início a esse novo ciclo, para que já no início de 2017 o trabalho dos artistas e dos proponentes culturais locais tenha continuidade. Nossa expectativa é que até a próxima semana os próximos editais, para Vilas Culturais e Projetos Independentes, sejam disponibilizados”, adiantou.

No ato da inscrição, os proponentes deverão entregar, em envelope lacrado, uma via do Plano de Trabalho, a documentação do proponente e a do projeto, conforme determinado em Edital. Serão aceitos somente projetos inscritos por pessoas jurídicas de direito privado, de natureza cultural e sem fins lucrativos.

Foram disponibilizadas cinco linhas para apresentações dos Projetos Estratégicos: Livres, Preservação da Memória Histórica de Londrina, Carnaval, Festivais, e Ações Formativas. O total de recursos disponibilizados será de R$ 1.480.000,00.

A previsão é que o Edital de Aprovação seja divulgado em 16 de dezembro. Os proponentes que tiverem seus projetos selecionados terão 30 dias corridos, a partir da data de publicação do Edital de Aprovação, para apresentar o plano de trabalho adequado, e também a documentação necessária para a assinatura do Termo de Cooperação.

Missão árdua para o Conselho de Cultura nesta quarta

Conselho Estadual de Cultura debate regras de funcionamento e necessidades de verbas

Wed Sep 14 09:31:00 BRT 2016 – Tatiana Notaro, da Folha de Pernambuco
Úrsula Freire/Folha de Pernambuco
Juliana Albuquerque, bibliotecária, titular de Literatura do Conselho: entre as discussões, carta de repúdio ao corte de recursos e se os participantes vão ou não receber

A bibliotecária Juliana Albuquerque foi recentemente eleita titular de Literatura do Conselho Estadual de Cultura, grupo formado por 40 membros empossados no último mês de junho e que têm a missão de ampliar a participação da sociedade civil na formulação das políticas públicas. Reunido nesta terça, o Conselho conclui a construção de seu regimento interno e parte para a lida efetiva, que inclui reaver verbas destinadas à Cultura que foram realocadas para outros fins dentro do orçamento do Estado. Junto com outros membros do Conselho, Juliana assina carta de repúdio contra o corte de R$ 780 mil para a implantação do Sistema Estadual de Cultura, R$140 mil da Valorização do Livro, da Leitura e da Biblioteca, e R$ 230 mil da Implantação de Ações Culturais no Pacto pela Vida. “Fizemos a carta porque, enquanto conselheiros, não poderíamos deixar passar”.

Verba para a Cultura
Em uma das reuniões, essa questão foi conversada. O secretário (Marcelino Granja) apresentou alguns slides de orçamento, que ainda serão enviados para nós para que possamos retomar essa discussão. A gente questionou esse corte tão grande para garantir um direito que existe há tanto tempo (R$ 1,150 milhão remanejados para pagamento de auxílio funeral dos servidores do Estado, parte do orçamento da Cultura). Outros cortes maiores aconteceram, mas estamos discutindo ainda. O secretário disse que vai haver devolução de parte desse dinheiro, algo em torno de R$ 400 mil. Não é nada comparado ao todo, mas ele explicou que os cortes foram gerais. Não sei se há (valores garantidos para atividades do Conselho). O que se discutiu foi se nós, conselheiros, receberíamos ou não. Eu não concordo porque somos uma instância de controle social e é complicado que recebamos para estar lá. As coisas ficariam confusas, como se o Governo estivesse nos pagando para estarmos lá.

Planejamento de atuação
Entre as propostas da minha campanha eleitoral  estão o estímulo a políticas de formação em escrita criativa, a criação de um fundo exclusivo para o setor de livro, leitura, literatura e bibliotecas (um Funcultura setorial, como existe para o audiovisual) e investir na construção do Plano. Algumas coisas já estão caminhando. As escutas têm acontecido, inclusive no Interior, e são elas que vão formar o Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas, até para que todos se sintam incluídos. No momento aguardamos da Secretaria de Cultura o lançamento de um edital para convocar as pessoas para escrever esse plano.

A ideia é que essas escutas deem a base para identificar onde estão as maiores deficiências. A gente sempre pede que se fale a verdade, avisa que o material não vai vazar, porque se as pessoas camuflarem a realidade, estarão dizendo que está tudo bem e a gente não vai ter o que construir. Já sabemos que algumas bibliotecas funcionam puramente por iniciativa dos funcionários, por exemplo.

Relação com entes públicos
Com o Governo do Estado, com o secretário Marcelino Granja, o diálogo é melhor do que com a Prefeitura do Recife. As verbas para bibliotecas do Estado são vinculadas à Secretaria de Educação, mas as da Prefeitura do Recife estão na Segurança Urbana. Isso afeta porque nesta quarta temos um secretário, Murilo Cavalcanti, sensível às bibliotecas, mas as eleições estão aí e tudo pode mudar. Ele vê nas bibliotecas um apoio para a segurança, e pegou para ele. É o único lugar do Brasil que eu conheço onde as bibliotecas não estão nem com Educação nem com Cultura. Existe a biblioteca do Estado de Pernambuco (próxima ao Parque Treze de Maio) que foi recentemente reformada e está funcionando, e foram reabertas as de Afogados, de Casa Amarela e a do Compaz do Alto Santa Terezinha, todas no Recife.

 

Cada edição da roda de conversa acontece em local diferente, do baixo até o alto Xingu

A partir do projeto Rodas de Conversa das Mulheres Xinguanas, cerca de 100 indígenas se reúnem, todo ano, para debater temas que afetam o cotidiano das integrantes. A iniciativa, promovida pela Associação Yamurikumã das Mulheres do Xingu, foi uma das premiadas no Prêmio Pontos de Cultura Indígenas, lançado pelo Ministério da Cultura (MinC), em 2015.

A associação recebeu, neste mês, recursos previstos no edital. O projeto faz parte do compromisso assumido pela atual gestão da pasta de cultura de quitar pagamentos pendentes.

A presidente da Associação Yamurikumã das Mulheres do Xingu, Kaiulu Yawalapiti, afirma que a premiação permitirá melhorar a infraestrutura e a comunicação entre as integrantes da aldeia. “Mandamos o projeto com o objetivo de fortalecer institucionalmente a associação. Não temos nada e precisamos de computador, impressora, rádio para nos comunicarmos melhor”, destaca.

Cada edição da roda de conversa acontece em local diferente, do baixo até o alto Xingu. Entre os assuntos tratados estão: saúde da mulher indígena, a poluição que afeta a produção alimentar e produtos industrializados que chegam às aldeias.

“O objetivo é dar voz às mulheres indígenas”, conta. “Discutimos com todas as mulheres como podemos solucionar os problemas que estão nos afetando. A roda dá mais voz e união às mulheres”, explica Kaiulu Yawalapiti.

Início do Projeto

A ideia da roda surgiu após realização do II Encontro das Mulheres Xinguanas, em outubro de 2013, em Canarana (MT). A iniciativa teve como objetivo de reunir e fortalecer as lideranças femininas da Terra Indígena do Xingu. Promovido pela associação, o evento recebeu cerca de 250 mulheres de 16 etnias. De lá, foi sugerida a continuidade da ação, para ajudar as mulheres xinguanas a terem mais força política.

Prêmio  

O Prêmio Pontos de Cultura Indígenas visa reconhecer e apoiar atividades culturais já realizadas ou em realização por povos indígenas, dando visibilidade às expressões culturais dessas comunidades.

Foram distribuídos 70 prêmios – 50 culturais e 20 audiovisuais – no valor de R$ 40 mil cada. Entre os premiados, estão projetos de 20 Estados de todas as regiões brasileiras. Somente os povos indígenas e suas comunidades puderam concorrer.

 

NOTICIAS INTERNACIONAL

AP

Ações de caridade da Fundação de Trump passam a ser investigadas NOVA YORK  –  Fundação Donald J. Trump, que leva o nome do presidenciável republicano, está oficialmente sob investigação. O procurador-geral de Nova York, Eric Schneiderman, afirmou nesta terça-feira (13) que averigua a situação da entidade “para garantir que ela está de acordo com

Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link http://www.valor.com.br/internacional/4709013/acoes-de-caridade-da-fundacao-de-trump-passam-ser-investigadas ou as ferramentas oferecidas na página.
Textos, fotos, artes e vídeos do Valor estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do Valor (falecom@valor.com.br). Essas regras têm como objetivo proteger o investimento que o Valor faz na qualidade de seu jornalismo.

iStock/Getty Images

SÃO PAULO  –  Os chanceleres dos quatro países fundadores do Mercosul – Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai – decidiram nesta terça-feira que a presidência do bloco não será exercida pela Venezuela neste semestre, mas por meio da coordenação entre os quatro países, “que poderão definir cursos de ação e adotar as decisões necessárias em matéria ec

A $150 Million Stairway to Nowhere on the Far West Side
By TED LOOSSEPT. 14, 2016
Continue reading the main storyShare This Page

A rendering of “Vessel,” with the entry garden and water feature. Credit Rendering by Visual House-Nelson Byrd Woltz
By the look of the renderings officially unveiled on Wednesday morning, New York’s next significant landmark may be the city’s biggest Rorschach test, too.

Big, bold and basket-shaped, the structure, “Vessel,” stands 15 stories, weighs 600 tons and is filled with 2,500 climbable steps. Long under wraps, it is the creation of Thomas Heatherwick, 46, an acclaimed and controversial British designer, and will rise in the mammoth Far West Side development Hudson Yards, anchoring a five-acre plaza and garden that will not open until 2018. Some may see a jungle gym, others a honeycomb.

But Stephen M. Ross, the billionaire founder and chairman of Related Companies, which is developing Hudson Yards with Oxford Properties Group, has his own nickname for “Vessel”: “the social climber.” And the steep price tag Mr. Ross’s privately held company is paying for Mr. Heatherwick’s installation? More than $150 million.

The back story of the stair-filled “Vessel” involves two men who are in step in more ways than one: a designer known for dreaming big, and a deep-pocketed developer who will spend whatever it takes to make a statement.

Currently under construction in Monfalcone, Italy, the bronzed-steel and concrete pieces that make up “Vessel” are not to be assembled on site until next year, but on Wednesday, Related Companies rolled out the design with a Hudson Yards spectacle hosted by Anderson Cooper, with a performance by the Alvin Ailey dance troupe on a set that mimicked the multiple stairways inside “Vessel.” The crowd of hundreds included Mayor Bill de Blasio.

“We know ‘Vessel’ will be debated and discussed and looked at from every angle, and Thomas,” the mayor added, addressing the architect, “if you meet 100 New Yorkers, you will find 100 different opinions on the beautiful work you’ve created. Do not be dismayed.”

On a visit to New York this summer, Mr. Heatherwick, founder of the Heatherwick Studio in London, was eager to explain his design.

Continue reading the main story

“We had to think of what could act as the role of a landmarker,” he said. “Something that could help give character and particularity to the space.”

Mr. Heatherwick said “Vessel” was partly inspired by Indian stepwells, but he also referred to it as a climbing frame — what Americans would call a jungle gym — as well as “a Busby Berkeley musical with a lot of steps.”

Photo

An upper-level view through “Vessel.” Credit Rendering by Forbes Massie-Heatherwick Studio
The design reflects Mr. Heatherwick’s belief that city natives are always looking for their next workout. “New Yorkers have a fitness thing,” he said. (It will test many city folk who can barely climb into their Ubers, but there will be an elevator for anyone unable to reach the top.)

Inside the piece, the 154 interconnecting staircases may put visitors in mind of a drawing by M. C. Escher, especially given that the open-topped structure will have 80 viewing landings.

Mr. Heatherwick’s career, as measured by his personal profile, has certainly been climbing. He gained fame for ingenious designs like his torch for the 2012 London Olympics, known as the Caldron. He is collaborating with the architect Bjarke Ingels on the design for Google’s new campus in Mountain View, Calif., and he is reimagining the home of the New York Philharmonic, David Geffen Hall, with Diamond Schmitt Architects of Toronto.

But other projects have faced some downward pressure. Mr. Heatherwick’s proposal for a garden-topped bridge across the Thames River in London was held up by budget issues in July, though Mr. Heatherwick said it was moving forward again. In New York, the Hudson River island park known as Pier 55 — funded by another Heatherwick-admiring billionaire, Barry Diller — was stalled by a legal challenge that was rejected last week. (According to Mr. Diller, the challenge is being secretly sponsored by Douglas Durst, a real estate rival of Mr. Ross’s.)

“It’s a leap of faith in terms of scale,” said Susan K. Freedman, president of the Public Art Fund, who has seen the “Vessel” renderings and likes them. “ I admire the ambition,” she added. “You can’t be small in New York.”

But Ms. Freedman had her reservations. “The bigger problem may be traffic control,” she said, given that the work will be near the already crowded High Line, the tourist attraction whose northernmost segment winds around Hudson Yards. “I think people will want to experience it.”

Thomas Woltz, of the firm Nelson Byrd Woltz, designed Hudson Yards’ Public Square and Gardens, with input from Mr. Heatherwick, as a dramatically landscaped attraction. The square will be the $200 million centerpiece of Hudson Yards’ eastern section, a mixed-use parcel with eight buildings comprising office space, retail outlets, residences and a new cultural institution, the Shed. The eastern section stretches from 30th to 34th Streets and from 10th to 11th Avenues, built largely on a platform over the West Side Rail Yards.

Despite the name “Public Square,” Hudson Yards is a private development, and “Vessel” was commissioned and approved by a committee of one: Mr. Ross, who has kept the design models in a locked cabinet in the Related offices — when not allowing brief peeks to lure commercial tenants. “I have the only key,” he said with a smile.

When Mr. Ross began the process of finding a piece several years ago, he first turned to five artists who are known for working in public plazas — and whom he declined to name — and asked them for detailed proposals. One of the unbuilt plans cost him $500,000, he said, and another $250,000.

Photo

Interior view of “Vessel,” with 80 viewing landings. Credit Forbes Massie-Heatherwick Studio
But he was unsatisfied. “Been there, seen that,” Mr. Ross said of his reaction.

A Related colleague suggested Mr. Heatherwick, who had come in previously for a meeting at the company to discuss a future pavilion on the site.

Mr. Heatherwick and Mr. Ross talked, and six weeks later, the designer sent a proposal. “I looked at it and said, ‘That’s it,’” Mr. Ross said. “It had everything I wanted.” That was in 2013.

“Everybody here thought I was nuts,” Mr. Ross said of his colleagues’ reactions.

The idea of “Vessel” as an exclamation point toward the northern end of the High Line is part of Mr. Ross’s grand plan to make Hudson Yards the center of New York, despite its hard-to-reach location.

“The most important place in New York is Rockefeller Center during Christmas time,” Mr. Ross said. “I wanted to have a 12-month Christmas tree.”

One of Mr. Heatherwick’s main goals for the piece is to raise people significantly above ground level so they can see the city — and one another — in a new way.

“The power of the High Line is the changed perspective on the world,” Mr. Heatherwick said.

The interactive feature of “Vessel” was partly a reaction to what Mr. Heatherwick sees as previous failures in public projects: Plop art. “We’ve gotten used to these 1960s, 1970s plazas with obligatory big artworks plunked down,” he said.

“Vessel” is only 50 feet in diameter at its base, rising to 150 feet at the top, meaning that it has a “small bum,” Mr. Heatherwick said, and does not take over the plaza’s ground level.

The cost of the piece has ballooned from the original estimate, $75 million, Mr. Ross said. Mr. Heatherwick noted that the process of making the steel pieces was unusually complex. “We didn’t have an unlimited budget, but no corners have been cut,” Mr. Heatherwick said, adding that “Vessel” was sturdy enough to “take Hurricane Sandys.”

The price does not appear to trouble his patron.

Mr. Ross has now hired Heatherwick Studio to design two residential buildings, one at Hudson Yards and one in Chelsea.

Mayor Nancy Vaughan of Greensboro, N.C., in a TV interview. She said the N.C.A.A.’s decision “cuts really deep.” CreditAndrew Brown/Greensboro Coliseum Complex

For months, North Carolina has weathered the umbrage of corporate America and the anger of the federal government over a law that curbed the rights of gay and transgender people.

But in a state where basketball coaches and March Madness tournament moments are immortalized, the National Collegiate Athletic Association’s decision to punish the state for its contested law — by stripping it of the seven championship events it was to host this academic year — was, in the words of the writer Ed Southern, “a punch to the gut.”

Hosting college sports tournaments is part of the state’s fabric. “It is something that North Carolinians take pride in, and have taken pride in for so long,” said Mr. Southern, the author of an anthology about sports in North Carolina. “Especially when it comes to college basketball, we tend to be pretty snobbish.”

Yet the coming college basketball postseason will not run through North Carolina, nor will N.C.A.A. championships in baseball, lacrosse, golf, soccer and tennis that were scheduled for the state. And Tuesday’s round of sports-related soul-searching often seemed to revolve around a single question: Why did a political firestorm about transgender rights have to shut down basketball courts and baseball diamonds?

Supporters of the law commonly known as House Bill 2, which, among other provisions, requires people in publicly owned buildings to use restrooms that correspond with the gender listed on their birth certificate, saw the N.C.A.A. as a fount of hypocrisy and “political peacocking.” Critics, who say the statute is discriminatory, frequently described the decision as bittersweet. Some questioned whether the N.C.A.A. should have penalized communities for the actions of the state government.

The debates sometimes appeared academic, amid copious talk about sports in a state where elementary students dress in jerseys and can rattle off the letters of the consonant-rich surname of the men’s basketball coach at Duke University (Krzyzewski).

“For so many here, college athletics is part of their identity, so I think today, it’s more than economics,” said D. Scott Dupree, the executive director of the Greater Raleigh Sports Alliance, which recruits events to the area in and around the state capital. “I think people today feel disappointed, frustrated, ticked off or just plain sad, or a combination of all of the above. People take it personally.”

Some officials at the universities in the state that belong to the Atlantic Coast Conference — Duke, North Carolina, North Carolina State and Wake Forest — expressed disappointment in the effects of the N.C.A.A.’s decision. Fan websites became forums for arguments about civil rights law instead of recruiting. Then there was the incredulity that North Carolina, which has hosted more N.C.A.A. men’s basketball tournament games (251) than any other state, would not do so next year.

“This cuts really deep for me,” said Mayor Nancy Vaughan of Greensboro, whose father was the A.C.C.’s associate commissioner for basketball operations. “We have a history of supporting people throughout our community, and we wish the N.C.A.A. would have made their decision based on the merits of the communities that these tournaments are in and not by something the legislature imposed on us.”

More disappointments may lie ahead, in large part because Monday’s decision increased the pressure on the A.C.C., which is headquartered in Greensboro and has scheduled more than a dozen championship events in North Carolina in the coming months.

California Today: A Leaning Tower in San Francisco
Mike McPhate
Mike McPhate
CALIFORNIA TODAY SEPT. 14, 2016
Continue reading the main storyShare This Page

The Millennium Tower, a 58-story condominium skyscraper in San Francisco. Credit Thomas Fuller/The New York Times
Good morning.

Welcome to California Today, a morning update on the stories that matter to Californians (and anyone else interested in the state).

Tell us about the issues that matter to you — and what you’d like to see: CAtoday@nytimes.com.

Want to receive California Today by email? Sign up.

Thomas Fuller, the San Francisco bureau chief for The New York Times, provides today’s introduction with news in the case of the sinking Millennium Tower.

For years, San Francisco was a famously low-rise city. Then came the tech boom and the race was on to build the glass and steel edifices that populate the world’s great cities. But in earthquake-prone San Francisco there’s a catch: many of the city’s new skyscrapers are concentrated in a neighborhood of squishy land reclaimed from the bay.

One of the new buildings, the 58-story Millennium Tower, has now sunk by 16 inches. Worse, the condominium building is sinking unevenly.

The scandal of San Francisco’s Millennium Tower turned decidedly more political on Tuesday when Aaron Peskin, a member of the San Francisco Board of Supervisors, told reporters that he had unearthed official documents showing the city’s building inspection department had raised concerns about sinking seven years ago, just before the building was supposed to open its doors.

.

California Today
The news and stories that matter to Californians (and anyone else interested in the state). Sign up to get it by email.

Email address
Sign Up
A letter sent by the city to the engineering firm spoke of “larger than usual” settlement of the structure and asked whether the consequences had been studied.

Yet six months later, in August 2009, the city declared the building safe for occupancy.

On Tuesday, Mr. Peskin questioned why the city allowed people to move in.

“I believe, and I know this is a very serious allegation,” Mr. Peskin said, “that there was some level of political interference.”

The response to the city’s query by the engineering firm, DeSimone Consulting Engineers, is missing from the official record, Mr. Peskin said. He has called hearings scheduled for Sept. 22, and city officials will be subpoenaed.

The hearings are likely to capture the attention of the California political class because the mayor at the time the building was approved, Gavin Newsom, is now lieutenant governor and has aspirations to become governor.

P.J. Johnston, a spokesman for Millennium Partners, told the San Francisco Chronicle that suggesting the firm received special treatment from the city was “simply outrageous.”

Some of the owners of the building, which includes the former San Francisco 49ers quarterback Joe Montana, are trying to band together to recoup losses in property values.

In August, a small army of lawyers filed a class-action lawsuit against the building’s developers as well as the Transbay Joint Powers Authority, a government entity building a transportation hub next door to the Millennium Tower. Whether or not the construction of the Transbay transport terminal contributed to the sinking has yet to be determined.

Mark Garay, one of the lawyers for the apartment owners, says it is too early to pinpoint the precise causes for the building sinking, but that it had already begun significantly before work on the transport terminal started.

“What we do know is that the foundation of this building does not go into bedrock,” he said. “It’s all landfill. It used to be part of the bay.”

Perhaps what is most clear at this point is that all of this is only the beginning of the story.

A protester on Tuesday outside the federal courthouse in Portland, Ore., where the trial of Ammon Bundy and six other defendants was being held. CreditDon Ryan/Associated Press

PORTLAND, Ore. — The armed demonstrators who took over a federal wildlife refuge in Oregon this year were attempting to reclaim land that they believed was improperly seized by the federal government, a lawyer for one of the group’s leaders told a packed courtroom on Tuesday.

Marcus Mumford, the lawyer for Ammon Bundy, one of seven defendants on trial here on federal conspiracy and weapons charges, said in an opening statement that the group was trying to draw attention to the government’s mismanagement of public lands, and to protest the treatment by federal agencies of ranching families in Oregon.

His remarks came during opening statements in the trial of Mr. Bundy, his brother Ryan Bundy and five other activists who led the six-week occupation of the Malheur National Wildlife Refuge, which began on Jan. 2, the latest flare-up in a long-running conflict over who should control millions of acres of publicly owned land in the West.

“Mr. Bundy complied with the law — the government did not,” Mr. Mumford told the 12-member jury. “The federal government didn’t have the right to own” the 187,000-acre refuge, established in 1908 as a land preserve by President Theodore Roosevelt.

Ryan Bundy, who is acting as his own lawyer in the case, told the jury that for his part, he never sought to harm anyone, but felt a responsibility, derived from the principles of the Declaration of Independence — from which he quoted at length — to stand up to tyranny. “We had no intention to do evil, and the evidence will show this,” he said.

But federal prosecutors, in their opening presentation to the panel earlier on Tuesday, said the armed group had posed a threat of violence from the first day, when it cleared the refuge “at gunpoint,” until the final hours of the occupation, when the last holdouts told law enforcement officials that they were prepared to die.

The occupiers’ words and actions were never peaceful, Geoffrey A. Barrow, an assistant United States attorney, told the court. They trained in weapons and hand-to-hand combat while living at the refuge, Mr. Barrow said. They used earth movers to build defensive barricades.

“They wanted the world to know that they had taken it from the federal government,” he said.

The takeover of the refuge, in eastern Oregon, lasted nearly six weeks. It set off a national debate about homegrown right-wing militias, public lands, constitutional rights and police powers, especially after one of the occupiers, LaVoy Finicum, 54, was shot and killed by the Oregon State Police in late January after he raced his truck toward a police roadblock and then appeared to reach for his weapon.

In all, 26 people were indicted on felony conspiracy, weapons and theft charges — with the government contending that the occupiers conspired to impede federal employees at the refuge from performing their duties by using force, intimidation or threats, and that they stole government property and took weapons into a federal property.

The trial of the Bundys and five followers is the first of two expected trials stemming from the refuge seizure, and on Tuesday, the lawyers and defendants — three of whom are representing themselves — outlined the stories they said the evidence would show.

Photo

Ammon Bundy, left, and his brother Ryan Bundy in January in an office at Malheur National Wildlife Refuge in eastern Oregon. Ryan Bundy is acting as his own lawyer in the case. CreditJim Urquhart/Reuters

Federal prosecutors intend to present physical evidence that suggests a threat far beyond mere words. On Tuesday, they filed a list of potential exhibits that included dozens of pistols and rifles recovered from the refuge site and thousands of rounds of ammunition.

Other evidence listed by the prosecution was created by the defendants themselves, including videos and photos taken of one another on their cellphones, posts on Facebook and recordings of the almost daily statements that members of the occupation group made to reporters and television cameras at the refuge.

Defense lawyers have said that the occupiers were legally exercising free speech rights, and that openly carrying a weapon in Oregon is also legal.

Judge Anna J. Brown of United States District Court for the District of Oregon said in her jury instructions that disagreeing with the opinions of the defendants was not enough to support a guilty verdict.

“Defendants’ political beliefs are not on trial,” she said. “Defendants cannot be convicted based on unpopular beliefs.”

Whether unpopular or not, what the defendants believed — and what they said about those beliefs at the time — will define much of the case. And at least one defense strategy so far is to suggest that maybe, at least in the case of David Fry, who was the last occupier to surrender and leave the refuge, those beliefs might not always have made sense.

Mr. Fry’s lawyer, Per C. Olson, said in his opening statement that Mr. Fry, 28, was not a leader of the group, or even really much of a participant, and had left his guns at home in Ohio before driving out to join the occupation in early January.

“He was a little bit of an oddball, if you will,” Mr. Olson said, with patterns of thought that were “not typical and not always rational.”

But then, after Mr. Finicum’s death, Mr. Olson said, Mr. Fry changed. Fearing a police raid on the compound, he began carrying a shotgun, and said in front a camera, “I’m prepared to make a stand — I’m prepared to die,” Mr. Olson said.

Mr. Olson said jurors would see in that arc of psychology a man who had not committed a crime of trying to intimidate or impede anyone. “It was all in defense,” Mr. Olson said.

The trial is expected to last about two months.

ADVERTISEMENT: Breathless Choir
Philips Breathless Choir
Imagine trying to sing when every breath is a battle
DISCOVER MORE
 
Philips Breathless Choir
Imagine trying to sing when every breath is a battle
Watch the inspiring journey of the Breathless Choir
DISCOVER MORE

Tribal members say the camp and protests pose no threat to anyone.

On a stroll through the camp, visitors meet young men on horseback, children playing in the grass and grandparents in camping chairs, some of whom have traveled from as far as California, Florida and New York.

But there appear to be few faces from neighboring towns like Mandan and St. Anthony. Residents from Morton County — population 30,000, about 92 percent white — often pass by the camp, cellphone cameras out. Few make the turnoff to head in.

“We don’t know our neighbors,” said Jana Gipp, a member of the Standing Rock Sioux who lives on 130 acres along the Missouri River here. “They don’t know that we’re hard workers. We don’t all drink. We have jobs. We have to support our families.”

The main camp sits on federal land managed by the Army Corps of Engineers and is run by a group of volunteers and members from the Standing Rock Sioux. People line up for communal breakfasts, dance and sing around campfires, and march a mile up the highway to the privately owned ranch land where construction on the pipeline has halted for the moment.

Tribal officials say they have applied for a camping permit from the corps, but law enforcement officials say they do not appear to have one. The corps did not respond to emails asking about the legality or status of the camp. On Tuesday, the chief executive of Energy Transfer Partners, the company developing the pipeline, sent a memo to employees saying it is committed to the project.

There are many ties between Indian and non-Indian residents here. Every weekend, people drive down to the Prairie Knights Casino and Resort on the Standing Rock Sioux reservation to gamble and see concerts. Plenty of friendships straddle reservation boundaries.

But each side views the protests through a starkly different prism.

Last month, Sheriff Kyle Kirchmeier of Morton County warned that his officers had been threatened with pipe bombs. Tribal leaders said that was a misinterpretation of a call for demonstrators to “load up their pipes” — their ceremonial chanupa pipes.

Photo

The Standing Rock Sioux chairman, David Archambault II, spoke to supporters at a rally after learning that the United States government had ordered a pause in construction on part of the pipeline.CreditAlyssa Schukar for The New York Times

Last week, when protests flared into violence at a construction site for the Dakota Access pipeline, many white residents blamed protesters for breaking down a fence, rushing onto privately owned land and attacking pipeline contractors. But opponents of the project said the marchers had been provoked when the pipeline company dug through land that tribal members say is a sacred cultural and burial ground. They condemned the pipeline company for hiring private security guards whose dogs they say bit several people.

On Saturday afternoon, Jim and LaVonne Henes and three friends from Bismarck, N.D., were eating lunch at a restaurant in a tiny farm community, St. Anthony, on their way to a concert by the rocker George Thorogood at the Prairie Knights casino. They had planned to camp there over the weekend, but as tensions and the police presence rose in recent days, they decided to head home after the concert.

“I didn’t feel safe,” Ms. Henes, 55, said.

Mr. Henes echoed a growing impatience with the large-scale protests, now entering their second month. (Smaller numbers have been camped out since April.)

“The feeling’s getting to be that the governor hasn’t done enough,” he said. “They’re on corps land, which they’re not supposed to be on. This has gone on long enough. The governor needs to show some backbone.”

With work stopped for the moment, it is unclear how many people will stay at the camp, and for how long, given the approach of North Dakota’s cutting winter. The sheriff and other public officials have started to talk about their hopes of a “peaceful endgame,” but people at the camp say they plan to stay.

Whatever happens, the Standing Rock Sioux, county residents and law enforcement agree on this: They will be here when the visiting protesters have left.

“I have to live here when everybody’s gone,” said David Archambault II, the chairman of the Standing Rock Sioux.

WASHINGTON/DAMASCO/MOSCOU — Embora um cessar-fogo acordado entre Rússia e Estados Unidos tenha entrado em vigor na Síria nesta segunda-feira, moradores relataram que a trégua foi violada em menos de uma hora na cidade de Aleppo. Por mensagens de celular, eles disseram que um helicóptero do governo lançou explosivos em um distrito controlado pelos rebeldes. Enquanto isso, uma facção rebelde disse em comunicado que matou quatro soldados do regime na província de Daraa.

Veja também

Presidente sírio, Bashar Assad, caminha cercado de autoridades pelas ruas de Daraya no dia previsto para início do cessar-fogoAcordo para cessar-fogo na Síria começa nesta segunda-feira
Homens sírios carregam bebês entre ruínas após bombardeio aéreo no bairro de Salihin, no norte da cidade de Aleppo Rebeldes sírios aprovam trégua, mas alertam para necessidade de supervisão
Homem carrega criança na cena de atentado que atingiu mercado movimentado na SíriaRegime sírio aprova plano de trégua de EUA e Rússia
O Observatório Sírio para Direitos Humanos (OSDH), no entanto, diz que as principais frentes de batalha estão calmas nesta segunda-feira. Com base no Reino Unido, o grupo monitora os conflitos que há cinco anos assolam a Síria.

— Os primeiros relatos que recebi indicam uma redução na violência, além de alguns de confrontos aqui e ali, mas é muito cedo tirar qualquer conclusão definitiva. Haverá invariavelmente relatos de violações, mas é a natureza do cessar-fogo — disse em coletiva o secretário de Estado americano, John Kerry, que destacou a importância de aproveitar a trégua para avançar com a ajuda humanitaria em regiões como Aleppo. — Não preciso soletrar o quão importante é a assistência, em alguns casos significando a diferença entre a vida e a morte de dezenas de milhares de pessoas.

A Rússia emitiu um comunicado, através do Ministério de Relações Exteriores, dizendo estar preocupada com eventuais violações à trégua por parte de grupos rebeldes. A chancelaria afirmou, na nota, esperar dos EUA uma participação na efetivação do cessar de hostilidades.

O cessar-fogo foi iniciado com muitas dúvidas se o pacto seria efetivamente respeitado. Caso seja mantido por sete dias, os EUA e a Rússia deverão realizar ataques aéreos coordenados contra jihadistas na Síria.

O Exército sírio anunciou nesta segunda-feira a interrupção de suas operações militares no país, depois da entrada em vigor da trégua negociada entre a Rússia e os Estados Unidos. Os principais grupos insurgentes, no entanto, ainda não manifestaram oficialmente sua conformidade com o trato.

Mais cedo, o presidente sírio, Bashar al-Assad, afirmou que pretende “recuperar” todo o território que não está sob controle do regime. Ele fez uma aparição pública durante a oração de Eid al-Adha, a festa muçulmana do sacrifício, em uma mesquita de Daraya, antigo reduto rebelde próximo de Damasco.

— O Estado sírio está determinado a recuperar todas as regiões que estão nas mãos dos terroristas e a restabelecer a segurança — declarou Assad à imprensa estatal.

O regime utiliza a palavra terrorista para fazer referência a rebeldes e jihadistas.

— As Forças Armadas vão continuar seu trabalho sem hesitação (…) e independente dos fatores externos e internos — completou Assad, a poucas horas do início do cessar-fogo, programado para 19h locais (13h de Brasília).

OPOSIÇÃO PEDE GARANTIAS

Enquanto isso, a oposição síria pediu garantias sobre a aplicação do acordo de cessar-fogo. Esta é a segunda tentativa de Washington e Moscou para conter a guerra neste ano.

— Queremos saber quais são as garantias (…) Esperamos que existam garantias e pedimos garantias especialmente dos Estados Unidos, que é parte envolvida no acordo de trégua — afirmou Salem al-Muslet, porta-voz do Alto Comitê de Negociações (ACN) da oposição Síria.

PUBLICIDADE

Mesmo após o anúncio do pacto de trégua, regiões do país foram bombardeadas e o número de mortos, inicialmente registrado em 25, ultrapassa 100, segundo agências internacionais e locais. Mais bombardeios aéreos atingiram as províncias de Aleppo e Idlib no domingo, após inserções aéreas deixarem dezenas de mortos no sábado. Um ataque na cidade Saraqeb atingiu um centro de defesa civil que era base de socorristas, informou o OSDH, entidade sediada no Reino Unido que monitora a guerra no país.

A guerra civil na Síria envolve múltiplos atores e já dura cinco anos. Mais de 290 mil pessoas já morreram neste período, enquanto outras milhões já deixaram suas casas na fuga dos conflitos. A violência no país desencadeou uma grande crise migratória, enquanto muitos tentam chegar aos países europeus em busca de uma vida melhor.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/cessar-fogo-na-siria-tem-relatos-de-violacoes-logo-apos-inicio-de-tregua-20095119#ixzz4KHPA355L
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

GIRANDO NA NOTICIA

Imagem da história para noticias de hoje de Estadão

Procuradores devem denunciar Lula hoje por tríplex no Guarujá Por André Guilherme Vieira | Valor SÃO PAULO  –  A força-tarefa da Operação Lava-Jato apresenta na tarde desta quarta-feira ao juiz Sergio Moro a primeira denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por suposta corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo a reforma do apartam

Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link http://www.valor.com.br/politica/4709461/procuradores-devem-denunciar-lula-hoje-por-triplex-no-guaruja ou as ferramentas oferecidas na página.
Textos, fotos, artes e vídeos do Valor estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do Valor (falecom@valor.com.br). Essas regras têm como objetivo proteger o investimento que o Valor faz na qualidade de seu jornalismo.

Movimento alerta os brasileiros sobre preservação da reserva de água doce

Apenas 3% de toda água que existe na Terra é doce.
Seminário em São Paulo reúne especialistas em salvamento de rios.

DAEE alega 'adequação' para redução
de plantio em represa do Alto Tietê

Apenas 3% de toda água que existe na Terra, é doce, própria para o consumo, e está sendo contaminada. O movimento “Vamos limpar o rio” está convocando os brasileiros a cuidar desse bem tão precioso.

O rio Tietê, na capital paulista, nem parece o rio que nasce limpinho em Salesópolis no interior de São Paulo. Quando chega um pouco mais adiante, em Mogi das Cruzes, já apresenta índices críticos de oxigênio e na maior cidade do país, São Paulo, já está praticamente morto.

Uma situação que se repete em muitas outras cidades do país, uma ameaça a natureza e ao abastecimento de água. De 124 rios estudados no estado de São Paulo, pela S.O.S Mata Atlântica, só 6% tem qualidade boa da água; 41,5% estão em situação ruim ou péssima, sem condições para fornecer água ou peixe.

Mas o problema não é só o esgoto não tratado, segundo especialistas e ativistas, cerca de 40% da poluição dos rios urbanos vem da chamada carga difusa, sujeira que vai da bituca de cigarro ao óleo de cozinha despejado na pia, da garrafa pet ao sofá largado nos córregos. E se a população é capaz de poluir, também é capaz de ajudar a limpar.

“O primeiro passo é conscientizar e sensibilizar. A sociedade precisa despertar e acordar para esse problema. Esse problema tem a ver muito com as pessoas que moram nas cidades, antes de esperar só uma política pública”, fala Tomaz Alvim, co-fundador do Arquitetura do Futuro.

É essa a missão e o convite do movimento “Vamos limpar o rio?”, lançado nesta quarta-feira (14), em um seminário em São Paulo, que reúne especialistas em salvamento de rios. No site do movimento será possível se inscrever e conhecer histórias de sucesso como a do Tâmisa, que hoje corta Londres limpo, e do Sena, mais que um rio, um orgulho de Paris.

Candidatos à prefeitura percorrem hoje vários bairros da capital

ACM Neto (DEM), participa hoje, às 10h, de uma carreata no Comércio e região da Nilo Peçanha e Barros Reis

O candidato à reeleição, ACM Neto (DEM), participa hoje, às 10h, de uma carreata no Comércio e região da Nilo Peçanha e Barros Reis, com ponto de encontro na Avenida Contorno. Às 17h15, ele faz caminhada no Alto do Saldanha, com saída próximo à Ladeira da Cruz da Redenção. Em seguida, às 18h, tem outra caminhada no Nordeste de Amaralina, a partir do fim de linha. Às 19h45, Neto participa de lançamento de candidatura a vereador e cumpre agenda administrativa às 20h45.

Na manhã de ontem, o candidato percorreu os bairros do Saboeiro, Narandiba, Cabula, Tancredo Neves e Mata Escura, acompanhado do candidato a vice, Bruno Reis (PMDB).

Hoje, a candidata Alice Portugal (PCdoB) concede entrevistas às 9h30 e às 14h. Às 18h, ela participa de um encontro em defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) e, às 19h, vai a um debate na Unifacs. Ontem, Alice fez caravana na Baixa do Camurujipe e se reuniu pela segunda vez com integrantes do Movimento Negro.

O Pastor Sargento Isidório (PDT) dá entrevista à imprensa às 7h, faz caminhada e apresenta os novos equipamentos de campanha (carros de som) às 9h, no Terreiro de Jesus em direção ao Campo Grande. Às 15h, repete o ato na Barroquinha. Às 20h, tem reunião com assessores. Ontem, ele deu entrevistas e visitou os bairros do Uruguai e Massaranduba.

Cláudio Silva (PP) participa hoje de caminhada em Cajazeiras 8 (Rótula da Feirinha) e visita o mercado municipal. À tarde, grava programa eleitoral e visita às 17h a Casa e o Centro Digital de Memória Olodum. Às 19h, o candidato apresenta as propostas de governo no Facebook. Ontem, ele fez campanha em Pau da Lima e São Rafael.

GIRANDO NA BAHIA

SineBahia e Simm têm vagas para padeiro, garçom, jardineiro e outros

Oportunidades são válidas para esta quarta (14), em Salvador e RMS.
Saiba como se candidatar a uma das vagas disponibilizadas.

O SineBahia e o Simm divulgaram as vagas de emprego para a quarta-feira (14), em Salvador eLauro de Freitas, na região metropolitana.

SineBahia (Foto: Divulgação)SineBahia tem oportunidades de emprego para
Salvador e Lauro de Freitas. (Foto: Divulgação)

SINEBAHIA
Os candidatos interessados nas vagas do SineBahia devem se dirigir à unidade central do órgão, no Edifício Torres do Iguatemi, localizada na Avenida Antônio Carlos Magalhães, ou nos postos do SAC. O horário de atendimento é das 7h às 17h. As senhas começam a ser distribuídas a partir das 6h10. Para todas as oportunidades é preciso levar número do PIS, PASEP ou NIS; Carteira de Trabalho, RG, CPF, comprovante de residência e certificado de escolaridade. Confira as vagas abaixo.

Ofertas exclusivas para as unidades deSalvador:

Secretária executiva (Estágio)
Cursando 3º semestre em Secretariado
Inglês intermediário
Experiência não exigida
01 vaga

Vendedor interno (Peças automotivas)
Ensino médio completo
Experiência mínima de 06 meses em carteira
01 vaga

Auxiliar de padeiro
Ensino médio completo
Experiência mínima de 06 meses em carteira
04 vagas

Auxiliar de confeitaria
Ensino médio completo
Experiência mínima de 06 meses em carteira
02 vagas

Jardineiro
Ensino fundamental completo
Experiência mínima de 03 meses em carteira
04 vagas

Chefe de serviço de limpeza
Ensino médio completo
Experiência mínima de 06 meses em carteira
08 vagas

Churrasqueiro
Ensino médio incompleto
Experiência mínima de 06 meses em carteira
02 vagas

Ofertas exclusivas para a unidade de Lauro de Freitas:

Padeiro
Ensino médio completo
Experiência mínima de 06 meses em carteira
06 vagas

Motorista entregador
Ensino médio completo / CNH D
Experiência mínima de 06 meses em carteira
01 vaga

Açougueiro
Ensino médio completo
Experiência mínima de 06 meses em carteira
04 vagas

Operador de telemarketing
Ensino médio completo
Experiência mínima de 06 meses em carteira
30 vagas

Desenhista técnico (Artes gráficas)
Ensino médio completo
Experiência mínima de 06 meses em carteira
02 vagas

Empregada doméstica
Ensino médio completo
Experiência mínima de 06 meses em carteira
01 vaga

Simm (Foto: Reprodução/TV Bahia)Simm tem vagas para Salvador.
(Foto: Reprodução/TV Bahia)

SIMM
Os interessados nas vagas do SIMM devem ir a um dos postos, no Comércio (Rua Miguel Calmon, 382), em Cajazeiras (Estrada do Coqueiro Grande, 1.902), na Boca do Rio (Rua Abelardo Andrade de Carvalho, 141, anexo ao Colégio Imejá) e Cabula (Praça da Mangueira, 84, Cabula VI). É preciso levar originais da carteira de trabalho, carteira de identidade, CPF, comprovantes de residência e histórico escolar, além do número do PIS, Pasep ou NIS.

O atendimento é feito das 7h às 17h, mediante distribuição de senhas, que são entregues a partir das 6h30. O público conta ainda com um ponto de atendimento do SIMM na Estação Ferroviária da Calçada, nas instalações da Agência da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE), cujo horário de atendimento é das 8 às 14h. As vagas podem ser preenchidas ao longo do dia.

Os candidatos podem usufruir do atendimento por hora marcada, que funciona das 7h às 16h30, pelo telefone 3202-2016 ou 0800-2853111 para ligações gratuitas. A população também tem acesso ao atendimento do SIMM nas Prefeituras – Bairros Centro/Brotas, Cabula, Cajazeiras, Cidade Baixa, Itapuã, Pau da Lima e Subúrbio / Ilhas, para realização de cadastro, busca por vagas e encaminhamento para entrevistas e seleções. Veja a lista de vagas:

Técnico eletrônico
Ensino médio completo, 6 meses de experiência, imprescindível experiência com equipamentos hospitalares, curso na área, habilitação B.
1 vaga

Garçom
Ensino médio completo, 6 meses de experiência, sexo masculino, vaga zoneada exclusivamente para os bairros: Nordeste de Amaralina, Santa Cruz, Pernambués, Brotas, Boca do Rio, Vale dos Rios, Liberdade, São Marcos e Pau da Lima. Ter disponibilidade para trabalhar à noite.
2 vagas

Ajudante de Pizzaiolo
Ensino médio completo, 6 meses de experiência, sexo feminino, vaga zoneada exclusivamente para os bairros: Nordeste de Amaralina, Santa Cruz, Pernambués, Brotas, Boca do Rio, Vale dos Rios, Liberdade, São Marcos e Pau da Lima. Ter disponibilidade para trabalhar à noite.
2 vagas

Técnico em Manutenção de Celulares
Ensino fundamental completo, 6 meses de experiência, desejável curso na área e imprescindível experiência em manutenção de celulares.
1 vaga

Auxiliar de Capoteiro
Ensino fundamental completo, 6 meses de experiência, imprescindível experiência com montagem e desmontagem de tapeçaria de veículos.
1 vaga

Fibreiro ou laminador
Ensino médio completo, 6 meses de experiência na confecção de formatos de vasos para paisagismo.
1 vaga

Auxiliar de limpeza (vaga exclusiva para pessoas com deficiência)
Ensino fundamental completo, 6 meses de experiência, vaga zoneada para os bairros de Lauro de Freitas e adjacências.
1 vaga

Auxiliar de expedição (vaga exclusiva para pessoas com deficiência)
Ensino médio completo, sem experiência, sexo masculino, desejável noção básica de informática e logística.
2 vagas

Alunos reclamam de dificuldades para renovar matrículas com Fies na Bahia

Dívida de R$ 700 mi do MEC com bancos atrasa financiamento.
Sindicato diz que expectativa é que problema seja resolvido até outubro.

Faltam três meses para a estudante Antoniza Vale se formar no curso de administração, mas ela está preocupada porque a renovação de sua matrícula com a faculdade particular onde estuda por meio do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), em Salvador, ainda não foi renovada. O problema ocorre por causa de uma dívida de R$ 700 milhões do Ministério da Educação (MEC) com os bancos que administram o programa de crédito universitário, o que está atrasando a liberação do financiamento.

Antoniza afirma que olha a todo o momento o site do Fies para saber quando a renovação do contrato do segundo semestre de 2006 será liberada, mas a mensagem que aparece no portal deixa a estudante preocupada.

“Tivemos a surpresa de ter um aviso informando que o Fies será liberado em breve com o aditamento ou a suspensão. A gente vai ter que fazer uma opção: ou pagar esses dois últimos semestres que faltam ou perder os seis semestres que já fizemos. O semestre custa para a gente R$ 3 mil e pouco. Como a gente vai ter esse valor?”, reclama.

Antoniza não é a única que está passando por esse problema. Quase 150 mil alunos dependem do Fies na Bahia. Na noite de segunda-feira (12), um grupo de estudantes realizou uma manifestação em frente a uma faculdade da Avenida ACM para protestar contra o atraso do financiamento.

Alguns alunos afirmam até que estão tendo que assinar uma espécie de contrato se responsabilizando pelos custos. “Esse contrato diz que os estudantes vão arcar com todas as despensas caso não ocorra o aditamento”, afirma a estudante Ednaide Damasceno.

Para pagar a dívida com os bancos, o MEC entrou com pedido de verba suplementar, mas isso depende de aprovação do Congresso Nacional. A votação da pauta estava marcada para o mês de agosto, mas atrasou e não tem previsão de quando vai ocorrer.

“A nossa expectativa é que isso se resolva rapidamente até outubro para que as coisas se normalizem. O importante é que o aluno não seja prejudicado no andamento da sua formação profissional e acadêmica”, afirmou Gilberto Martins, do Sindicato das Instituições de Ensino Superior.

O advogado Candido Sá alerta que as faculdades não podem responsabilizar os alunos pela dívida que não é deles e orienta que os estudantes não devem assinar nenhum tipo de documento se responsabilizado pelos custos. “O aluno não deve assinar [o contrato]. Agora, se assinar terá que ser questionado judicialmente depois porque é completamente ilegal”.

A reportagem não conseguiu uma resposta do Ministério da Educação até a divulgação da reportagem.

Alunos são liberados mais cedo por conta de calor em Barreiras, na Bahia

Previsão desta terça é que temperatura ultrapasse os 37ºC.
Nas creches, crianças ganham banho de mangueira para se refrescar.

O calor e a baixa umidade do ar que atingem o município de Barreiras, no oeste da Bahia, mudaram a rotina nas escolas da região. Por conta das altas temperaturas, a Secretaria Municipal de Educação da cidade determinou que os alunos da rede municipal sejam liberados 40 minutos antes do horário normal.

A previsão do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) para Barreiras, nesta terça-feira (13), é de calor. A temperatura na região pode chegar a 37,5º C.

Calor altera rotina nas escolas de Barreiras, na Bahia (Foto: Reprodução/TV Bahia)Calor e baixa umidade do ar atingem Barreiras
(Foto: Reprodução/TV Bahia)

Nas creches da cidade, as crianças de 1 a 4 anos de idades estão ganhando banhos de mangueira e piscina, que duram cerca de 30 minutos, para diminuir o calor. Esta foi a forma que as professoras encontraram para que as crianças não se afastem das creches.

A diretora de uma delas organizou os banhos de mangueira nas horas mais quentes do dia, entre 10h30 e 11h, e entre  15h e 15h30. Durante as brincadeiras, sungas e biquínis substituem os uniformes normais.

“Enquanto houver esse calor, esse sol quente, a gente vai fazer esse trabalho com as crianças”, contou a diretora Eliane Souza.

Maria Cristina, diretora de uma escola municipal, contou que muitos alunos apresentam sangramento no nariz e dor de cabeça durante o período mais quente. Já os alunos apontam dificuldade de concentração durante as aulas. “Com o calor, dificulta bastante para a gente realizar as atividades”, afirmou a estudante Cauanne Lima.

Cabeleireira lança campanha para ajudar menina com doença rara na BA

Garota de 3 anos sofre com epidermólise bolhosa, que causa bolhas na pele.
Campanha pretende arrecadar R$ 70 mil para comprar curativos e remédios.

Campanha foi lançada há menos de um mês na internet (Foto: Reprodução)Campanha foi lançada há menos de um mês na internet (Foto: Reprodução)

A cabeleireira Aline Teixeira da Silva Coutinho, moradora da cidade de Caculé, sudoeste da Bahia, criou a campanha “Tudo por Natália”, para ajudar uma menina de três anos que sofre com epidermólise bolhosa distrófica. A doença rara e grave se caracteriza por uma sensibilidade acentuada na pele e na mucosa, com formação de bolhas.

Uma página no site de financiamento coletivo iFunding, aberta há menos de um mês, pretende arrecadar R$ 70 mil para comprar remédios e curativos para o tratamento da criança. Até a manhã desta terça-feira (13), a campanha tinha arrecadado R$ 927. Faltam ainda 112 dias para terminar a arrecadação.

Natália Calixto Alves vive com a mãe, a dona de casa Lucimar Faria Calixto, na zona rural do município de Rio do Antônio, também no sudoeste baiano e a cerca de 35 km de Caculé. A região sudoeste concentra cerca de 60% dos casos da epidermólise bolhosa na Bahia, segundo dados da Associação de Familiares, Amigos e Portadores de Epidermólise Bolhosa da Bahia (Afapeb), o quemotiva estudo da Universidade Estadual do Sudoeste (Uesb).

Aline conheceu a família de Natália há cinco meses, depois de uma visita à igreja que frequenta. Desde então, usa as redes sociais para pedir contribuições a fim de ajudar no tratamento e no cuidado com a doença rara. No Facebook, já são 12.312 e no Instagram, 29.400 mil seguidores. Os interessados também podem contribuir por meio de uma conta bancária e um endereço onde podem enviar doações.

Aline pede ajuda para tratar de criança com doença rara (Foto: Reprodução/ Facebook)Aline pede ajuda para tratar de criança com doença
rara (Foto: Reprodução/ Facebook)

“Como não se render a esse cristalino pedido de amor, que salta dos olhos desta criança? Sei que sou suspeita para falar, mas adormeço e amanheço com a cabeça à disposição de tudo que já passamos, e tudo que ainda está por vir”, diz Aline em uma das publicações.

Desde que começou a pedir ajudas nas redes sociais, ela já recebeu muita ajuda, mas ainda não é suficiente.

“Bastante gente ajuda, mas o custo é alto por mês. Se colocar tudo na ponta do lápis, são R$ 40 mil mensais”, afirma. Somente com curativos, que são usados nas bolhas formadas na pele, são gastos cerca de R$ 26 mil por mês.

A cabeleireira disse que a família solicitou o material para o Núcleo de Estudos e Atendimento Multidisciplinar aos Portadores de Epidermólise Bolhosa Congênita do Sudoeste da Bahia, na Universidade Estadual da Bahia (Uesb), mas ainda está em processo de admissão.

Além das bolhas na pele, por conta da doença, a menina tem problemas de visão e sente dores no estômago. Ela também ainda não consegue falar, por isso precisa de atendimento de fonoaudiologia. Natália mora com a mãe e o irmão de 10 anos. O pai deles trabalha como lavrador no estado do Paraná.

Menina de três anos mora com mãe na zona rural de Rio do Antônio (Foto: Reprodução/ Facebook)Menina de três anos mora com mãe na zona rural
de Rio do Antônio (Foto: Reprodução/ Facebook)

“Na família dela, é o quinto caso de epidermólise no lado paterno. Com a campanha também ajudamos um primo dela de 21 anos, que foi diagnosticado com câncer de pele e mora na cidade de Rio do Antônio”, diz Aline. Segundo a cabeleireira, o primo de Natália prefere não se identificar.

Casos da doença
Até 11 de agosto deste ano, a Associação de Familiares, Amigos e Portadores de Epidermólise Bolhosa da Bahia (Afapeb) contabilizou 62 casos da doença rara no estado e 36 deles em cidades do sudoeste baiano. O registro acentuado na região motivou um estudo na Universidade Estadual da Bahia (Uesb), por meio do Núcleo de Estudos e Atendimento Multidisciplinar aos Portadores de Epidermólise Bolhosa Congênita do Sudoeste da Bahia.

Dos relatos iniciais, temos 60% dos casos [de epidermólise bolhosa] por uniões consanguíneas”.
Sandra Maria Bispo

A pesquisa aponta que o número de casos da doença hereditária pode ser resultado de uniões consanguíneas [entre parentes].

Os registros no sudoeste estão concentrados nas cidades de Barra da Estiva e Vitória da Conquista. A associação acompanha dez pessoas com a doença em Barra da Estiva, cidade com população estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no ano passado, em 22.394 habitantes. Já em Conquista – que tem população estimada em 343.230 habitantes – são sete casos da doença rara.

O estudo na Uesb existe desde 2012, como projeto de extensão da universidade, e virou o núcleo em 2013. O grupo é coordenado pela dermatologista e professora da instituição, Maria Esther Ventin. O núcleo oferece diagnóstico e acompanhamento da doença, por meio de uma equipe de saúde multidisciplinar, formada por especialidades como dermatologia, gastroenterologia, odontopediatria e oftalmologia.

Doença rara
A dermatologista Maria Esther detalha que a epidermólise bolhosa é uma doença genética, ainda sem cura, causada por uma alteração na síntese de proteínas que unem as camadas da pele. Por conta disso, as camadas se separam facilmente, sob qualquer pressão ou atrito. Entre os principais cuidados para quem tem a doença, estão os curativos. A formação de bolhas na pele torna as pessoas muito suscetíveis a complicações, como infecções.

A doença rara também causa problemas na absorção de alimentos, o que leva à necessidade de tomar suplementos vitamínicos. A doença também causa deformidades nas extremidades do corpo, como os dedos das mãos, originadas pelos traumas sucessivos na pele.

A depender do tratamento que o paciente recebe, pode vir a não chegar à idade adulta. A dermatologista diz que o tratamento pode devolver qualidade de vida aos pacientes. A especialista pontua que, desde que o núcleo existe na universidade, registrou aumento no número de casos da doença, mas acredita que não houve aumento na incidência.

Vera Fischer apresenta espetáculo ‘Ela é o cara’ em outubro, em Salvador

Sessões serão nos dias 28, 29 e 30, no Teatro Sesc Casa do Comércio.
Ingressos custam entre R$ 25 e R$ 70, até o dia 15.

Vera Fischer apresenta Ela é o cara, em Salvador (Foto: Divulgação)Vera Fischer apresenta ‘Ela é o cara’, em Salvador (Foto: Divulgação)

A atriz Vera Fischer volta a Salvador em outubro para apresentar pela primeira vez na cidade o espetáculo “Ela é o cara”. A peça faz parte da programação do Catálogo Brasileiro de Teatro com apresentações dias 28, 29 e 30 de Outubro, no Teatro Sesc Casa do Comércio, no Caminho das Árvores.

Na comédia, Gilberto Fonseca (Edson Fieschi) é um terapeuta de competência e caráter duvidosos. Após um incidente com um paciente famoso, ele se vê obrigado a administrar a repercussão negativa do caso, o assédio da imprensa e a fúria dos fãs do artista, que o culpam pelo ocorrido e estão ávidos por vingança. Sem saída e com a sua carreira fadada ao fracasso, Gilberto cogita vender sua alma ao “diabo”.

Neste exato momento, surge em seu consultório, Vera Fischer, que insiste em ser atendida. Com um evidente transtorno de personalidade, a famosa atriz insiste em dizer que não é Vera Fischer. Diante da gravidade do quadro, Gilberto aceita atendê-la em troca de publicidade, na esperança de retomar sua carreira. Gilberto passa a viver um novo conflito: quem será a solução para os seus problemas? O Diabo ou Vera Fischer? Desenrolando uma reflexão bem-humorada sobre os males modernos da humanidade.

Os ingressos promocionais estão à venda até dia 15 de outubro, com valores entre R$ 25 e R$ 70, no site compreingressos.com/catalogodeteatro, balcões Ticketmix e no local.

SERVIÇO
28, 29 e 30 de Outubro
Local: Teatro Sesc Casa do Comércio
Horário: Sexta e Sábado, 21h | Domingo, 20h
Classificação: 16 anos
Telefone: (71) 3273.8543

VALORES  VENDA ANTECIPADA
Sexta: R$ 50 (inteira) / R$ 25 (meia)
Sábado: R$ 70 (inteira) / R$ 35 (meia)
Domingo: R$ 60 (inteira) / R$ 30 (meia)

VENDAS
Bilheteria do Teatro: (71) 2373.8543 (Terça a Domingo das 14h às 19h)
Pela internet: compreingressos.com/catalogodeteatro
Por telefone: (71) 2626.0032

REGRAS PARA MEIA-ENTRADA
Estudantes (Com Carteira de Identificação Estudantil)
Pessoas com deficiência, inclusive seu acompanhante quando necessário.
Idosos e Terceira Idade (Cartão de Aposentado ou RG para maiores de 60 anos)
Jovens  com idade de 15 a 29 anos de baixa renda inscritos no Cadastro Único Para Programas Sociais do Governo Federal (Mediante a apresentação da Identidade Jovem, acompanhada de documento de  identificação com foto expedido por órgão público e válido em todo o território nacional)
O direito ao benefício da meia-entrada é assegurado em 40% (quarenta por cento) do total dos ingressos disponíveis para cada evento

Revista acha celulares, carregadores e serras em celas de delegacia na BA

Ação ocorreu na manhã desta terça (13), em Barreiras, no oeste do estado.
Equipamentos serão investigados e depois destruídos.

Celulares, carregadores e outros equipamentos encontrados em revista na Bahia (Foto: Blog do Sigi Vilares)Celulares, carregadores e outros equipamentos encontrados em revista na Bahia (Foto: Blog do Sigi Vilares)

Policiais do Complexo Policial de Barreiras, no oeste da Bahia, encontraram oito celulares, carregadores e serras de ferro dentro das celas da unidade, durante uma revista realizada na manhã desta terça-feira (13). As informações foram divulgadas pela Polícia Civil.

De acordo com o delegado Joaquim Rodrigues, titular de Barreiras, nenhum dos presos assumiu a posse dos materiais apreendidos durante a revista. Segundo ele, os equipamentos serão investigados e depois destruídos.

Suspeito de assaltar loja no centro de Salvador é preso em flagrante; vídeo

Conforme a polícia, jovem foi capturado logo após a ação.
Caso aconteceu na manhã desta terça-feira (13).

Um jovem suspeito de assaltar uma ótica foi foi pela Polícia Militar, logo após a ação, na manhã desta terça-feira (13), em Salvador. Conforme a PM, o crime aconteceu no bairro das Mercês. Uma equipe da TV Bahia, que fazia uma reportagem no local no momento da prisão, registrou o flagrante. [Veja no vídeo acima].
Arma, minições e celulares foram apreendidos com suspeito de assaltar ótica no centro de Salvador, Bahia (Foto: Reprodução/ Tv Bahia)Arma, munições e celulares foram apreendidos com
suspeito de assaltar ótica no centro de Salvador
(Foto: Reprodução/ Tv Bahia)

O suspeito foi capturado na Piedade, após os policiais do 18º Batalhão da PM serem acionados pelo Centro Integrado de Comunicações (Cicom).

Com o suspeito, a polícia encontrou um revólver calibre 38, munição e celulares que foram roubados de clientes e funcionários da ótica.

Segundo a polícia, durante o assalto uma mulher que estava dentro da loja passou mal precisou ser atendida por uma equipe do Samu. Não houve feridos na ação. O suspeito foi levado para a 1ª Delegacia, nos Barris.

Adão Negro, Harrison Stafford, Mishka e Marcel fazem luau em Vilas

Evento será na sexta-feira (16), no Armazém Hall, em Lauro de Freitas.
Ingressos custam R$ 30 (pista), R$ 50 (área VIP) e R$ 60 (camarote).

Luau terá Miska, Adão Negro e Harrison Stafford, em Lauro de Freitas, Bahia (Foto: Divulgação)Luau terá Miska, Adão Negro, Harrison Stafford e Marcel (Foto: Divulgação)

A banda baiana de reggae Adão Negro comanda um luau no Armazém Hall, em Lauro de Freitas, região metropolitana de Salvador, na sexta-feira (16). A casa de shows fica no bairro de Vilas do Atlântico. O californiano Harrison Stafford, o bermudense Mishka e o carioca Marcel completam a programação da noite.

O evento está previsto para começar a partir das 22h. Os ingressos custam R$ 30 (pista), R$ 50 (área VIP) e R$ 60 (camarote) e estão à venda na bilheteria da casa de shows e nos principais balcões de vendas dos shoppings de Salvador.

Líder da Groundation, Harrison Stafford apresenta sua turnê solo, intitulada ‘Harrison Stafford & The Professor Crew’. Fazem parte do repertório os sucessos do álbum mais recente do artista, ‘One Dance’. Também destaque do evento, o guitarrista Mishka traz um show com forte influência caribenha, com canções sobre amor e justiça social.

O cantor, compositor e multi-instrumentista Marcel, que acompanha os dois artistas internacionais na turnê ‘Good Vibes’, leva para o palco um reggae em formato mais pop, com influência da MPB.

Já o Adão Negro, grupo liderado pelo cantor Serginho, apresenta o trabalho mais novo, batizado de #AdãoNegro. Canções como “Vem me dar um beijo”, “Perto do Mar”, “Raio de Sol”, “Abençoe Jah!”, “Todas as coisas do mundo” e “Infinito” fazem parte do setlist.

SERVIÇO

O Quê: Luau do Adão Negro
Quando: 16 de setembro
Horário: a partir das 22h
Local: Armazém Hall – Avenida Luiz Tarquínio, 2893 – Villas do Atlântico
Atrações: Adão Negro, Harrison Stafford, Mishka e Marcel
Valores: R$ 30 (pista), R$ 50 (área VIP) e R$ 60 (camarote)
Vendas: Armazém Hall e principais balcões dos shoppings de Salvador
Mais informações: 71 3379-5360

SAC lança aplicativo que permite a usuários agendar atendimento

Ferramenta, que é gratuita, foi lançada nesta terça-feira (13).
Proposta é que o app dê suporte aos demais canais de atendimento.

Usuários podem agendar atendimento e ter acesso a outros serviços pelo aplicativo (Foto: Divulgação)Usuários podem agendar atendimento e ter acesso a outros serviços pelo aplicativo (Foto: Divulgação)

Foi lançado nesta terça-feira (13) o aplicativo SAC Mobile, do Serviço de Atendimento o Cidadão (SAC), que permite a usuários, entre outras coisas, agendar atendimento. A ferramenta, que é gratuita, foi lançada pela Secretaria da Administração do Estado da Bahia (Saeb).

O aplicativo está disponível na App Store e Play Store, onde o usuário poderá fazer o download para celulares ou tablets com os sistemas operacionais iOS e Android, respectivamente.

Por meio do SAC Mobile, os usuários podem ter acesso aos endereços de todas as 62 unidades de atendimento da Rede SAC na Bahia, assim como todos os serviços e informações oferecidas.

É possível verificar antecipadamente documentação, dados e informações necessários para solicitar a emissão do documento ou prestação de serviço. Para os casos de agendamentos, os usuários podem escolher por meio do aplicativo a unidade da Rede SAC mais próxima, através da geolocalização, a melhor data e horário para o atendimento.

O app também permite consultar em tempo real a localização das unidades do SAC Móvel e os roteiros e consultar notícias e receber avisos.

Após a emissão da senha, nos casos de atendimento por ordem de chegada, será gerado um código que, registrado no aplicativo pelo usuário, permitirá ao cidadão saber quando se aproxima a sua vez de ser atendido.

Desta forma, é facultada ao usuário a espera na recepção do posto ou a realização de outras atividades nos arredores da unidade SAC (em um shopping, por exemplo), enquanto aguarda sua vez para atendimento.

Conforme a Saeb, a proposta é que o app possa dar suporte aos demais canais de atendimento da Rede SAC, a exemplo do Portal SAC.

Ainda de acordo com a secretaria, a criação do software para dispositivos móveis teve investimento de R$190 mil, e é resultado de parceria entre a Coordenação de Tecnologia da Informação da Saeb e a Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia (Prodeb).

Esteticista morre 12 dias após ter 75% do corpo queimado em salão na BA

Caso ocorreu no dia 31 de agosto, em Teixeira de Freitas, sul do estado.
Mulher estava internada no Hospital Geral do Estado, em Salvador.

Mulher teve 75% do corpo queimado após garrafa com álcool explodir (Foto: Reprodução/Facebook)Mulher teve 75% do corpo queimado após garrafa com álcool explodir (Foto: Reprodução/Facebook)

Uma esteticista de 28 anos morreu na segunda-feira (12), em Salvador, após ficar 12 dias internada no Hospital Geral do Estado (HGE) com 75% do corpo queimado. A mulher se queimou quando tentava acender um fogareiro para derreter cera, no município de Teixeira de Freitas, sul da Bahia. As informações foram passadas ao G1 nesta terça-feira (13), pelo pai da esteticista, Laudinho Santos Souza.

Segundo o pai de Helenuart Santos Souza, o acidente ocorreu no dia 31 de agosto, dentro do salão de estética dela. “Por um descuido, a garrafa de álcool pegou fogo e explodiu no corpo dela”, disse.

Após o acidente, a mulher foi socorrida para o Hospital Municipal de Teixeira de Freitas e em seguida transferida para Salvador, informou Laudinho Santos. De acordo com ele, o quadro de saúde da filha se agravou com uma infecção generalizada.

Ainda conforme Santos, o corpo de Helenuart foi enterrado na tarde desta terça-feira, no cemitério de Teixeira de Freitas. A esteticista deixou uma filha de 3 anos.

Bahia terá Campanha de Multivacinação de 19 a 30 de setembro

Pela primeira vez, campanha abrange público de 9 a 15 anos incompletos.
As vacinas poderão ser aplicadas em 3.345 postos em todo o Estado.

Vacinação contra sarampo e pólio em Campinas (SP) (Foto: Reprodução EPTV )Campanha de vacinação ocorre no período de 19 a 30
de semtembro. (Foto: Reprodução EPTV )

Será realizada na Bahia no período entre 19 a 30 de setembro a Campanha Nacional de Multivacinação, cujo lançamento foi anunciado nesta terça-feira (13) pelo Ministério da Saúde. Além da vacinação contra poliomielite, que ocorre todos os anos, a campanha incluirá, pela primeira vez, todas as vacinas disponíveis pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para crianças de até 5 anos e para crianças e adolescentes entre 9 e 15 anos incompletos, incluindo a imunização contra HPV para meninas.

De acordo com o coordenador do Programa Estadual de Imunização da Diretoria de Vigilância Epidemiológica, Ramon Saavedra, serão oferecidas 14 tipos de vacinas para as crianças e cinco para os adolescentes. As vacinas poderão ser aplicadas em 3.345 postos em todo o Estado.

Ao comparecer a um dos postos de vacinação, os profissionais de saúde irão avaliar se há alguma vacina que ainda não foi administrada, ou se há doses em atraso, para complementar o esquema. Por isso, conforme Saavedra, é importante levar a Caderneta de Vacinação.

O dia de mobilização nacional está marcado para o 24 de setembro, um sábado. Entre as vacinas disponíveis estão Hepatite A, VIP, Meningocócica C, rotavírus, HPV, Pneumo 10, febre amarela, varicela, pentavalente, tetraviral, dupla adulto, DTP, tríplice viral, VOP (poliomielite).

O objetivo principal da campanha é estimular que os pais levem os filhos para por em dia a carteira de vacinação. Como nos anos anteriores, as vacinas serão administradas de forma seletiva para possibilitar a atualização da Caderneta de Vacinação.

A vacinação contra pólio ocorre normalmente no mês de agosto, mas este ano, foi adiada, segundo o Ministério da Saúde, devido à Olimpíada no Rio, que poderia diminuir a adesão. Contra pólio, devem ser vacinadas crianças entre 6 meses e 5 anos de idade que ainda não tenham completado o esquema vacinal, que consiste em três doses da vacina injetável e mais duas doses de reforço em versão oral, a gotinha.

Este ano, o calendário de vacinações teve mudanças no esquema vacinal contra HPV, pólio, meningite e pneumonia. As alterações foram anunciadas em janeiro.

Vídeo da Campanha Nacional de Multivacinação tem Zé Gotinha e personagens da Carreta Furacão (Foto: Divulgação)Vídeo da Campanha Nacional de Multivacinação tem
Zé Gotinha e personagens da Carreta Furacão.
(Foto: Divulgação)

Vacinar adolescentes é desafio
Segundo a médica Mônica Levi, presidente da Comissão Técnica para revisão dos calendários vacinais e consensos da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), a cobertura vacinal de crianças mais velhas e adolescentes ainda é um desafio a ser superado. “Temos um programa nacional de vacinação de muito sucesso, mas algumas vacinas do adolescente acabam esquecidas”, diz.

Um dos casos de baixa adesão é a vacina contra HPV para meninas, que tem o objetivo de prevenir câncer de colo de útero. Mônica lembra que a vacinação contra HPV teve sucesso na aplicação da primeira dose, mas informações divulgadas erroneamente sobre supostos efeitos colaterais da vacina, que posteriormente foram descartados, prejudicaram a campanha.

Quando entrou no programa nacional de imunizações, a vacina contra HPV chegou a ter 92,3% de adesão, entre 2014 e 2015. Porém, até março deste ano, apenas 69,5% das meninas de 9 a 11 anos tinham tomado a primeira dose da vacina. Quanto à segunda dose, a adesão foi ainda pior: só 43,73% do público-alvo foi atingido.

Confira mudanças na vacinação ocorridas este ano:

HPV
Como era: 2 doses para meninas de 9 a 13 anos com intervalo de 6 meses; 3ª dose 5 anos depois.Como fica: 2 doses com intervalo de 6 meses para meninas de 9 a 13 anos.

Poliomielite
Como era: injeção aos 2 e 4 meses e gotinha aos 6 meses. 2 doses de reforço aos 15 meses e aos 4 anos (ambas de gotinha).
Como fica: muda somente que a 3ª dose passa ser a injetável.

Pneumonia
Como era: 3 doses  (2, 4 e 6 meses de idade) e reforço entre 12 e 15 meses.
Como fica: 2 doses – aos 2 e 4 meses e um reforço aos 12 meses.

Meningite
Como era: 2 doses, aos 3 e 5 meses de idade, com reforço aos 15 meses.
Como fica:2 doses, aos 3 e 5 meses de idade, com reforço aos 12 meses.

Perseguição a carro roubado termina com 1 morto e 2 baleados em Salvador

Caso ocorreu na tarde desta terça-feira (13), em Salvador, diz polícia.
Suspeitos foram avistados no Comércio e seguidos até a Vasco da Gama.

Um suspeito foi morto e outros dois baleados durante uma perseguição policial a um carro roubado, na tarde desta terça-feira, (13) em Salvador. De acordo com informações do delegado Nilton Borba, uma equipe da Polícia Civil realizava uma investigação no bairro do Comércio, na Cidade Baixa, quando avistou o veículo com três homens.

O carro em que os suspeitos estavam, segundo a políca, havia sido roubado horas antes da perseguição, em um supermercado do bairro de Brotas. O proprietário do veículo prestou queixa na Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos de veículos (DRFRV).

Carro em que suspeitos estavam tinha sido roubado em estacionamento de supermercado (Foto: Reprodução/TV Bahia)Carro em que suspeitos estavam tinha sido roubado
em estacionamento de supermercado.
(Foto: Reprodução/TV Bahia)

Os policiais começaram a seguir o carro, mas os suspeitos perceberam e, conforme o delegado, começaram a fugir e atirar contra os agentes. A perseguição ocorreu do Comércio até a Avenida Vasco da Gama, uma das mais movimentadas da capital baiana, onde os suspeitos perderam o controle do veículo e colidiram contra um poste, por volta das 16h.

Segundo o delegado, houve nova troca de tiros após a batida e, no confronto, os três homens foram baleados, sendo que um deles não resistiu e morreu.

Os dois dois suspeitos foram socorridos e encaminhados para o Hospital Geral do Estado (HGE). Não há informações sobre o estado de saúde deles. Os homens também não tiveram as identidades divulgadas.

Por causa do acidente envolvendo o carro roubado, o trânsito ficou congestionado na Avenida Vasco da Gama no sentido Dique do Tororó. O tráfego só voltou a fluir normlamente cerca de uma hora depois da batida, após o carro e o poste terem sido retirados do local.

Motorista de carreta é amarrado e tem pneus do veículo roubados na Bahia

Caso ocorreu nesta terça-feira (13), na BR-101, próximo a Entre Rios.
Vítima estacionava carreta quando foi abordado por homens armados.

O motorista de uma carreta foi amarrado e teve os pneus do veículo roubados, na madrugada desta terça-feira (13), na BR-101, nas proximidades do município de Entre Rios, distante cerca de 140 quilômetros de Salvador. As informações são da Polícia Rodoviária Federal.

Motorista teve pneus de carreta roubados na Bahia (Foto: Reprodução/TV Bahia)Motorista teve pneus de carreta roubados na Bahia
(Foto: Reprodução/TV Bahia)

De acordo com a PRF, o motorista foi abordado por homens armados no momento em que estacionava a carreta em um posto de gasolina da região. Ele foi levado para uma plantação de eucaliptos, onde ficou amarrado até a chegada da polícia.

Ainda segundo a PRF, esse tipo de crime tem sido comum na região. O caso está sob investigação da Polícia Civil de Entre Rios.

Nosso Site e de Integra Veracidade nas Informações e Noticiarios