CULTURA

Cultura abre inscrições para seleção de Projetos Estratégicos em Londrina

Projetos selecionados serão beneficiados pelo Promic no exercício de 2017; propostas serão aceitas de 15 de setembro a 14 de outubro

A Secretaria Municipal de Cultura (SMC) recebe, a partir desta quinta-feira (15), inscrições de Projetos Culturais Estratégicos. As propostas selecionadas serão beneficiadas pelo Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic), no exercício 2017. O Edital nº 01, com informações referentes ao processo de seleção, está disponível na edição desta quarta-feira (14) do Jornal Oficial do Município.

As inscrições poderão ser feitas até 14 de outubro, diretamente na sala da Diretoria de Incentivo à Cultura da SMC. O horário de funcionamento é das 12 às 18 horas, e o endereço é Praça 1º de Maio, 110. Os projetos inscritos serão avaliados pela Comissão de Análise de Programas e Projetos Estratégicos (CAPPE), formada por membros indicados pelo Conselho Municipal de Cultura e pela Secretaria.

Segundo a secretária municipal de Cultura, Solange Batigliana, o Promic tem grande responsabilidade na manutenção da agenda cultural que acontece em Londrina. “O Promic é o principal programa de apoio à produção cultural da cidade. Demos início a esse novo ciclo, para que já no início de 2017 o trabalho dos artistas e dos proponentes culturais locais tenha continuidade. Nossa expectativa é que até a próxima semana os próximos editais, para Vilas Culturais e Projetos Independentes, sejam disponibilizados”, adiantou.

No ato da inscrição, os proponentes deverão entregar, em envelope lacrado, uma via do Plano de Trabalho, a documentação do proponente e a do projeto, conforme determinado em Edital. Serão aceitos somente projetos inscritos por pessoas jurídicas de direito privado, de natureza cultural e sem fins lucrativos.

Foram disponibilizadas cinco linhas para apresentações dos Projetos Estratégicos: Livres, Preservação da Memória Histórica de Londrina, Carnaval, Festivais, e Ações Formativas. O total de recursos disponibilizados será de R$ 1.480.000,00.

A previsão é que o Edital de Aprovação seja divulgado em 16 de dezembro. Os proponentes que tiverem seus projetos selecionados terão 30 dias corridos, a partir da data de publicação do Edital de Aprovação, para apresentar o plano de trabalho adequado, e também a documentação necessária para a assinatura do Termo de Cooperação.

Missão árdua para o Conselho de Cultura nesta quarta

Conselho Estadual de Cultura debate regras de funcionamento e necessidades de verbas

Wed Sep 14 09:31:00 BRT 2016 – Tatiana Notaro, da Folha de Pernambuco
Úrsula Freire/Folha de Pernambuco
Juliana Albuquerque, bibliotecária, titular de Literatura do Conselho: entre as discussões, carta de repúdio ao corte de recursos e se os participantes vão ou não receber

A bibliotecária Juliana Albuquerque foi recentemente eleita titular de Literatura do Conselho Estadual de Cultura, grupo formado por 40 membros empossados no último mês de junho e que têm a missão de ampliar a participação da sociedade civil na formulação das políticas públicas. Reunido nesta terça, o Conselho conclui a construção de seu regimento interno e parte para a lida efetiva, que inclui reaver verbas destinadas à Cultura que foram realocadas para outros fins dentro do orçamento do Estado. Junto com outros membros do Conselho, Juliana assina carta de repúdio contra o corte de R$ 780 mil para a implantação do Sistema Estadual de Cultura, R$140 mil da Valorização do Livro, da Leitura e da Biblioteca, e R$ 230 mil da Implantação de Ações Culturais no Pacto pela Vida. “Fizemos a carta porque, enquanto conselheiros, não poderíamos deixar passar”.

Verba para a Cultura
Em uma das reuniões, essa questão foi conversada. O secretário (Marcelino Granja) apresentou alguns slides de orçamento, que ainda serão enviados para nós para que possamos retomar essa discussão. A gente questionou esse corte tão grande para garantir um direito que existe há tanto tempo (R$ 1,150 milhão remanejados para pagamento de auxílio funeral dos servidores do Estado, parte do orçamento da Cultura). Outros cortes maiores aconteceram, mas estamos discutindo ainda. O secretário disse que vai haver devolução de parte desse dinheiro, algo em torno de R$ 400 mil. Não é nada comparado ao todo, mas ele explicou que os cortes foram gerais. Não sei se há (valores garantidos para atividades do Conselho). O que se discutiu foi se nós, conselheiros, receberíamos ou não. Eu não concordo porque somos uma instância de controle social e é complicado que recebamos para estar lá. As coisas ficariam confusas, como se o Governo estivesse nos pagando para estarmos lá.

Planejamento de atuação
Entre as propostas da minha campanha eleitoral  estão o estímulo a políticas de formação em escrita criativa, a criação de um fundo exclusivo para o setor de livro, leitura, literatura e bibliotecas (um Funcultura setorial, como existe para o audiovisual) e investir na construção do Plano. Algumas coisas já estão caminhando. As escutas têm acontecido, inclusive no Interior, e são elas que vão formar o Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas, até para que todos se sintam incluídos. No momento aguardamos da Secretaria de Cultura o lançamento de um edital para convocar as pessoas para escrever esse plano.

A ideia é que essas escutas deem a base para identificar onde estão as maiores deficiências. A gente sempre pede que se fale a verdade, avisa que o material não vai vazar, porque se as pessoas camuflarem a realidade, estarão dizendo que está tudo bem e a gente não vai ter o que construir. Já sabemos que algumas bibliotecas funcionam puramente por iniciativa dos funcionários, por exemplo.

Relação com entes públicos
Com o Governo do Estado, com o secretário Marcelino Granja, o diálogo é melhor do que com a Prefeitura do Recife. As verbas para bibliotecas do Estado são vinculadas à Secretaria de Educação, mas as da Prefeitura do Recife estão na Segurança Urbana. Isso afeta porque nesta quarta temos um secretário, Murilo Cavalcanti, sensível às bibliotecas, mas as eleições estão aí e tudo pode mudar. Ele vê nas bibliotecas um apoio para a segurança, e pegou para ele. É o único lugar do Brasil que eu conheço onde as bibliotecas não estão nem com Educação nem com Cultura. Existe a biblioteca do Estado de Pernambuco (próxima ao Parque Treze de Maio) que foi recentemente reformada e está funcionando, e foram reabertas as de Afogados, de Casa Amarela e a do Compaz do Alto Santa Terezinha, todas no Recife.

 

Cada edição da roda de conversa acontece em local diferente, do baixo até o alto Xingu

A partir do projeto Rodas de Conversa das Mulheres Xinguanas, cerca de 100 indígenas se reúnem, todo ano, para debater temas que afetam o cotidiano das integrantes. A iniciativa, promovida pela Associação Yamurikumã das Mulheres do Xingu, foi uma das premiadas no Prêmio Pontos de Cultura Indígenas, lançado pelo Ministério da Cultura (MinC), em 2015.

A associação recebeu, neste mês, recursos previstos no edital. O projeto faz parte do compromisso assumido pela atual gestão da pasta de cultura de quitar pagamentos pendentes.

A presidente da Associação Yamurikumã das Mulheres do Xingu, Kaiulu Yawalapiti, afirma que a premiação permitirá melhorar a infraestrutura e a comunicação entre as integrantes da aldeia. “Mandamos o projeto com o objetivo de fortalecer institucionalmente a associação. Não temos nada e precisamos de computador, impressora, rádio para nos comunicarmos melhor”, destaca.

Cada edição da roda de conversa acontece em local diferente, do baixo até o alto Xingu. Entre os assuntos tratados estão: saúde da mulher indígena, a poluição que afeta a produção alimentar e produtos industrializados que chegam às aldeias.

“O objetivo é dar voz às mulheres indígenas”, conta. “Discutimos com todas as mulheres como podemos solucionar os problemas que estão nos afetando. A roda dá mais voz e união às mulheres”, explica Kaiulu Yawalapiti.

Início do Projeto

A ideia da roda surgiu após realização do II Encontro das Mulheres Xinguanas, em outubro de 2013, em Canarana (MT). A iniciativa teve como objetivo de reunir e fortalecer as lideranças femininas da Terra Indígena do Xingu. Promovido pela associação, o evento recebeu cerca de 250 mulheres de 16 etnias. De lá, foi sugerida a continuidade da ação, para ajudar as mulheres xinguanas a terem mais força política.

Prêmio  

O Prêmio Pontos de Cultura Indígenas visa reconhecer e apoiar atividades culturais já realizadas ou em realização por povos indígenas, dando visibilidade às expressões culturais dessas comunidades.

Foram distribuídos 70 prêmios – 50 culturais e 20 audiovisuais – no valor de R$ 40 mil cada. Entre os premiados, estão projetos de 20 Estados de todas as regiões brasileiras. Somente os povos indígenas e suas comunidades puderam concorrer.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s