Arquivo da categoria: AI A BOLA FICOU QUADRADA

AI A BOLA FICOU QUADRADA

Justiça espanhola emite ordem de captura de Ricardo Teixeira, diz site

A Justiça Espanhola emitiu uma ordem de captura contra o ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira, segundo informações do site espanhol Cronica Global. De acordo com a publicação, Teixeira é procurado por participação em um esquema de desvio de dinheiro de jogos amistosos da seleção brasileira. Ainda segundo o Cronica Global, o ex-presidente do Barcelona Sandro Rosell também estaria envolvido.

A reportagem afirma que a ordem de captura de Teixeira foi emitida pela juíza Carmen Lamela, da Audiência Nacional. “Ricardo Teixeira obteve, de forma indireta, mediante  a um emaranhado societário que se nutria da renda do acordo da ISE para a Uptrend, grande parte dos 8,3 milhões de euros [R$ 30,3 milhões] que a ISE transferiu para a Uptrend pela suposta intermediação desta última”, publicou o Cronica Global.

Se Teixeira fosse detido, não seria extraditado para a Espanha já que, como regra, o Brasil não extradita seus cidadãos nacionais.

>> Ricardo Teixeira teria desviado milhões da CBF, diz Procuradoria

>> Presidente da Federação Espanhola de Futebol é preso

Justiça espanhola emite ordem de captura de Ricardo Teixeira, diz site espanhol
Justiça espanhola emite ordem de captura de Ricardo Teixeira, diz site espanhol

Ricardo Teixeira usou jogo da seleção para vender voto ao Catar, diz Fifa

Um documento de 360 páginas do investigador norte-americano Michael Garcia, revelado pela Fifa no dia 27 de junho, mostrou que o ex-presidente da CBF, Ricardo Teixeira, teria usado contratos comerciais para jogos da seleção brasileira em 2010 para camuflar o pagamento de propina que ele teria recebido para apoiar a candidatura do Catar para receber a Copa de 2022.

Um dos detalhes do relatório de Garcia se refere a como Teixeira fez parte do esquema suspeito de compra de votos. Garcia explica como uma partida entre Brasil e a Argentina, realizada no Catar, pode ter sido usada como forma de camuflar recursos que seriam destinados a pagar Teixeira pelo apoio ao país árabe.

Para o amistoso, o Catar gastou, apenas com a hospedagem de Teixeira, mais de US$ 20 mil (R$ 66 mil), cinco vezes o que o governo gastou com o astro argentino Lionel Messi. O brasileiro teve um tratamento de chefe de estado, ocupando uma suíte presidencial.

Os documentos também revelam como Sandro Rosell, ex-presidente do Barcelona, atuaria como intermediário para os interesses do Catar com as federações sul-americanas, entre elas a CBF.

O relatório de Garcia sugere que fosse investigado por corrupção, conflito de interesse e outras violações do código de ética da Fifa.

Garcia foi contratado pela Fifa para apurar as suspeitas de ilegalidade há cinco anos. Juiz de um tribunal de apelação em Nova York, ele constatou indícios fortes de que o país árabe comprou votos para sediar o evento. Seu informe não acabou sendo tornado público e, diante da decisão da entidade de engavetar suas descobertas, Garcia pediu demissão em 2014. Poucos foram processados e o Catar jamais perdeu o direito de sediar o torneio.

Nesta semana, o jornal alemão Bild teve acesso aos documentos, e começou a revelar os detalhes do processo. A Fifa, porém, se antecipou e publicou o relatório em sua integralidade.