NEW YORK TIMES NOTICIAS EUROPEIA

MSAKEN, Tunisia — His own parents were so frightened by his violence that they kicked him out when he was 16. Desperate, by the time he was 19, they dragged him to a psychiatrist, who prescribed an antipsychotic drug, a tranquilizer and an antidepressant.

“There were the beginnings of a psychosis,” the doctor, Hamouda Chemceddine, recalled in an interview in the Tunisian city of Sousse, looking over his notes from that visit in August 2004. “He wasn’t someone who was living in the real world.”

In France, he even created a Facebook page with an alter ego, listing his profession as a “professor of salsa dancing” and displaying a mock image of Nicolas Sarkozy, the former French president, in drag.

That man — a 31-year-old delivery driver, Mohamed Lahouaiej Bouhlel — trained his violent tendencies on a crowd watching fireworks along the French Riviera on July 14, running over hundreds of people and killing 84in a rented cargo truck during Bastille Day celebrations in Nice.

Since then, all of France has struggled to explain the single most murderous act yet committed by an individual since the country’s wave of terror began. Was Mr. Lahouaiej Bouhlel’s rampage terrorism or merely the outburst of a madman? Or both?

The Islamic State quickly proclaimed him a “soldier.” Yet Mr. Lahouaiej Bouhlel’s life — pieced together in numerous interviews in France andTunisia, where he was born and raised — showed few signs of real radicalization, and certainly no Islamic zeal.

Instead, it showed plenty of signs of verging psychosis and a hair-trigger propensity for violence by a man variously described as a drinker, a wife beater, a drug taker and a chronic womanizer.

“He danced, he smoked, he ate pork. It was almost as though he wasn’t even Muslim,” Mr. Lahouaiej Bouhlel’s brother Jaber, 19, said in an interview outside the family home here in Msaken, Tunisia. “He didn’t even pray.”

Rather, Mr. Lahouaiej Bouhlel’s life appears to show the ways in which the unstable and aggrieved have latched on to Islamic State propaganda to shape their violent fixations and find permission to act them out.

In turn, the Islamic State has latched on to them, declaring as its foot soldiers even individuals with tenuous ties to the group but long histories of personal and psychological troubles who are far from models of Islamic rectitude.

It remains unclear what led Mr. Lahouaiej Bouhlel to his murderous rampage. But his killings have left the French authorities, like those elsewhere, struggling to define the intersection of political terrorism and personal psychoses.

In a media age saturated by violence, that intersection has spawned a new kind of killer, like Mr. Lahouaiej Bouhlel or Omar Mateen, who killed 49 people last month in a gay nightclub in Orlando, Fla. Their troubled and obscured interior lives led to hyperviolence difficult to anticipate or prevent. In Munich on Friday, a young man who had been bullied at school and had a fascination with mass violence, shot and killed nine people before committing suicide, an attack that does not appear to have had a terrorist link.

The Paris prosecutor, François Molins, said Mr. Lahouaiej Bouhlel hadprepared his massacre for several months with the help of at least five accomplices, who were arrested.

One was Tunisian, two had dual French and Tunisian citizenship, and two were from Albania. All were charged with, among other things, terrorist conspiracy on accusations that they egged on Mr. Lahouaiej Bouhlel and helped him get a gun and rent the truck he used.

Photo

A forensic officer near the bullet-riddled truck that plowed into a crowd of revelers who had gathered to watch fireworks in Nice. CreditClaude Paris/Associated Press

But none, including Mr. Lahouaiej Bouhlel, appeared linked to the Islamic State in a meaningful way, Mr. Molins said, despite apparently following its exhortations to kill the enemy, including to “run him over with your car.”

Mr. Lahouaiej Bouhlel’s violent outburst was not that surprising to people in his old neighborhood in Msaken, a bustling suburb of Sousse with a tennis club and a picturesque mosque. He was raised here as one of three sons and six daughters born to a hardworking and fairly prosperous farmer and property owner.

Instead, the neighbors felt shame, and many were resisting having him buried here, a local official said. No one mentioned his having the slightest allegiance to extremist Islam.

But many had stories of abuse by him, and knew to avoid crossing the bulky young man who skipped classes, worked out obsessively, bulked up on protein and flew into a rage at the drop of a hat.

Continue reading the main story

“He would hit me when I was young,” said a cousin, Zied Bouhlel, a lanky young man, wincing at the memory. “He did it as a joke, but it ended up hurting. Every time he saw me, as a joke.”

Many recalled an episode when Mr. Lahouaiej Bouhlel, driving a rental car past the local bathhouse, was rear-ended by another car. Both drivers got out, and Mr. Lahouaiej Bouhlel proceeded to beat the daylights out of the other man.

“This was totally normal for him,” said Hamila Hassen, who witnessed the confrontation.

Mr. Lahouaiej Bouhlel had not been back in some four years, his brother Jaber said, adding that he had spoken with Mr. Lahouaiej Bouhlel often bySkype, taking advice about clothing and food.

Distraught, he showed a selfie his brother had sent him from Nice’s Promenade des Anglais just hours before the massacre occurred there, his brother’s lips twisted in a slight smile.

While acknowledging that Mr. Lahouaiej Bouhlel could become “very aggressive,” Jaber nonetheless insisted that his brother could not have committed the Nice atrocity.

Their father, Mondher Lahouaiej Bouhlel, refused to be interviewed. But by all accounts, relations between father and son were fraught.

“He would get mad with his parents over nothing,” recalled the psychiatrist, Dr. Chemceddine.

A crisis was reached when Mr. Lahouaiej Bouhlel deliberately locked his parents out of the family home. It was then that they went to see the psychiatrist.

Like many adolescents, Mr. Lahouaiej Bouhlel appeared concerned over his physical appearance. But the young man sitting in front of him obsessed over it.

“He wasn’t satisfied with the image of his body,” Dr. Chemceddine said. “‘I am ugly,’ he said. ‘I’ve got to build myself up.’”

“He seemed strange to me,” Dr. Chemceddine added. “He had an altered perception of reality.”

Around 2009, Mr. Lahouaiej Bouhlel moved to Nice, taking advantage of an arranged marriage to a cousin whose family lived there but was also originally from Msaken. The marriage was Mr. Lahouaiej Bouhlel’s ticket out of Tunisia, and he seized it.

Photo

Mohamed Lahouaiej Bouhlel’s name plate on the building where he lived in Nice. Mr. Lahouaiej Bouhlel, 31, drove the truck through the crowd before being shot to death by the police.CreditEric Gaillard/Reuters

By 2009, he had his French residency papers and a 10-year carte de séjour, or residency permit, which allowed him to work, according to a scan of the document. Soon he and his wife had a child.

After he got his documents, his treatment of his wife changed drastically, for the worse, according to neighbors.

“He married her to have the papers,” said one, who gave her name only as Deborah and lived several floors below the couple in a 13-story building. “He showed his real face afterwards.”

She said she was close to Mrs. Lahouaiej Bouhlel, and like her wore a hijab and had three children.

Mr. Lahouaiej Bouhlel was interested only in women and drinking, she added. “My husband never saw him at the mosque.”

By 2011 or 2012, he began to lead a double life, creating a false Facebook profile under the name Javin Bensucon. The most recent cover page was updated on Feb. 7, 2015.

He used the made-up identity to help him pick up women he often met salsa dancing, going to classes three times a week as well as going out for evening “soirees.”

He kept his salsa world completely separate from his family life, and he created a personality to go with it. In his Facebook profile, he was single, had gone to Cuba High and was from Bresilienne, a city in Haiti. He had 10 friends on the public part of his website, all of them glamorous-looking women.

He went out with multiple women, some of them 20 or more years older. He never told his partners that he was married or a father.

Patricia Marguerite Giliberto, 55, a regular salsa dance partner for nearly two years, pointed The New York Times to the profile under the alias. She said she had been shaken when she realized it belonged to Mr. Lahouaiej Bouhlel, and angry at herself for having been friendly at one time with a man who is now one of France’s biggest mass murderers.

“I knew nothing about his life,” she said. “I thought he was single. He always hid everything.”

One thing was clear, however: The insecure young man, once obsessed by his ugliness, was now fascinated by his good looks. “He viewed himself as a stud,” Ms. Giliberto said. “He was very confident about his attractiveness.”

When they corresponded on Facebook, she said, he asked her personal questions: “Where are you now? Is your skin against another person’s skin” — a way of asking if she was in bed with a lover.

Their chats were playful and affectionate. Ms. Giliberto called him Momo, and they often agreed on where to meet for dancing.

He did not have much money, and she always paid for drinks. Since she was so much older, she said, she thinks he saw her as a way to meet other, younger women.

GRAPHIC

What Happened in the Truck Attack in Nice, France

A witness said the truck “crushed everyone in its path.”

OPEN GRAPHIC

When Ms. Giliberto met the man she later married, she began to distance herself from him, and Mr. Lahouaiej Bouhlel became rude and angry.

“You are not interesting to me, you are a problem woman,” he wrote in a text. Later he told her, “You are old.”

She did not hear from him again. That was just before 2013.

In the years after, his domestic life deteriorated. Although his wife had two more children with him, each time hoping that would rekindle the relationship, it did not.

Sometime after their first child was born, he began to hit her. Sometimes he also struck his mother-in-law, said Jean-Yves Garino, the wife’s lawyer.

“He was a narcissistic, perverted man, and he loved himself very much,” Mr. Garino said.

The neighbor Deborah said that Mr. Lahouaiej Bouhlel sometimes drank too much, and that his wife was often afraid of him. He would intimidate and demean her, she said.

She recalled a party with all of the neighbors one night, when he danced in a very seductive way with a 60-year-old woman in front of his wife.

Last year or the year before — Deborah was not sure — when his wife was observing the Muslim monthlong period of fasting and abstinence duringRamadan, “he poured alcohol on her head to humiliate her,” she said.

Around the same time, Mr. Lahouaiej Bouhlel stabbed one of his children’s toys with a knife, and his wife became fearful for her children and sought a divorce, Deborah said.

He moved out, and occasionally gave her some money to support the children, but not much and not often, said Mrs. Lahouaiej Bouhlel’s lawyer, Mr. Garino.

In Nice, Mr. Lahouaiej Bouhlel appeared on the police radar for theft and violence, most recently in January, when he got into a fight with another motorist and threw a wooden pallet at him.

Mr. Lahouaiej Bouhlel received a six-month suspended sentence in March. By then, he may have already been fixated on carrying out violence on a grandiose scale, Mr. Molins, the Paris prosecutor, said.

But it was only in the two weeks before the Nice attack that Mr. Lahouaiej Bouhlel began to research rather mundane Islamic topics, including information about Eid al-Fitr, the celebration that ends the month of Ramadan, Mr. Molins said.

He searched the internet for information on the Orlando attack by Mr. Mateen, who had professed allegiance to the Islamic State. But Mr. Lahouaiej Bouhlel also searched for information on the recent killing of five police officers in Dallas.

Mr. Molins said Mr. Lahouaiej Bouhlel’s photographs on his cellphone, going back nearly a year, included ones showing crowds on the Promenade des Anglais. One set of images showed the crowd during the Bastille Day fireworks a year ago, another a crowd at a concert on the promenade, also last year.

Also included was an image of a January article from the local newspaper,Nice-Matin. It was about a man who purposely drove his car into a terrace cafe in the old port.

Anúncios

CAUS EM BRASILIA

Manifestantes deixam prédio do Ministério da Cultura no Rio

Policiais federais cumpriram hoje (25) mandado de reintegração de posse do Palácio Gustavo Capanema, solicitado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e concedido pela Justiça Federal. A retirada dos manifestantes (servidores do Ministério da Cultura e artistas), que estavam há mais de dois meses ocupando o edifício, no centro do Rio de Janeiro, começou por volta das 6h.

Segundo os manifestantes, eles ainda estavam dormindo quando os policiais chegaram. Depois da reintegração de posse, cerca de 50 pessoas que ocupavam o prédio se mantiveram – em protesto contra a desocupação – no entorno do edifício, que funciona como sede regional dos ministérios da Educação e da Cultura.

“A desocupação foi ilegal, antidemocrática e fere a Constituição. O pilotis do Gustavo Capanema é um espaço público”, disse o advogado Rodrigo Mondego, que representa os manifestantes do chamado Ocupa Minc.

Nenhum representante da Polícia Federal comentou a ação de reintegração de posse.

BRASIL E O PETROLEO

Petróleo aprofunda perdas com preocupações com excesso de oferta

Os barris de petróleo são negociados com desvalorização nesta segunda-feira (25) em Londres e Nova York, em meio ao aumento das preocupações com um excesso de oferta de petróleo bruto e produtos refinados no mercado global. O mercado também calcula o contínuo aumento nas plataformas em operação nos Estados Unidos.

Às 9h21, o barril de Brent, negociado no Intercontinental Exchange (ICE), registrava baixa de 1,00%, a US$ 45,63. Já o barril de WTI, com cotação no New York Mercantile Exchange (Nymex), desvalorizava 1,11%, a US$ 43,70.

Na semana passada (20), dados da Administração Internacional de Energia (AIE) apontaram para uma queda (2,3 mi) maior que a esperada (2,1 mi) nos estoques de crude nos EUA. Contudo os inventários continuam em níveis recordes (519,5 milhões de barris) e os de gasolina apresentaram uma alta que pegou o mercado de surpresa.

PREFEITO DO RIO DE JANEIRO É CRITICADO POR AUSTRALIANOS

‘Não queremos cangurus, queremos encanadores’, diz Austrália a prefeito

Paes declarou que estava “quase botando um canguru na frente do prédio deles”

Depois que o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), comentou que estava quase “quase botando um canguru na frente do prédio” da delegação da Austrália, “para ficar pulando e eles se sentirem em casa”, os australianos responderam: “Não queremos canguru, queremos encanadores”. A delegação se recusou a ficar na Vila Olímpica até que os inúmeros problemas do local sejam solucionados. O condomínio foi inaugurado neste domingo (24) e, até o início da noite, já tinha recebido atletas de 26 países.

“Não precisamos de cangurus, precisamos de encanadores para dar conta dos vários lagos que encontramos nos apartamentos”, disse o diretor de comunicação do comitê olímpico australiano, Mike Tancred, à Folha de S. Paulo.

1 / 17

A equipe da Austrália deve ficar em um hotel nos arredores, mas não divulgou o local por questões de segurança. Em entrevista à imprensa durante a tarde, a chefe de missão da Austrália, Kitty Chiller, ressaltou que já participou de outros cinco Jogos Olímpicos e que nunca viu situação parecida com a presenciada no Rio de Janeiro.

“Eu não havia presenciado esse estado, ou melhor, essa falta de estado, em um período como esse”, frisou Kitty Chiller. “Neste momento, eu não estou preparada para deixá-los entrar neste ambiente. Há agora uma equipe de encanadores em cada andar, em cada apartamento, para arrumar vazamentos”, disse.

>> Austrália reclama de instalações e se recusa a entrar na Vila Olímpica

CRITICANDO NO BRASIL

Imprensa dos Estados Unidos adota tom crítico em relação aos Jogos Olímpicos

A imprensa dos Estados Unidos repercutiu a informação de que o Comitê Olímpico Australiano se recusou a hospedar atletas da Austrália na Vila Olímpica, no Rio de Janeiro, alegando questões de segurança. A vila foi aberta domingo (24) para as delegações que vão participar dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, a partir de 5 de agosto próximo.

O jornal The New York Times informou que a recusa dos australianos se soma à lista de retrocessos e tropeços que estão marcando os preparativos para os Jogos Olímpicos no Brasil. A publicação afirmou que a delegação australiana considerou as instalações “impróprias para ocupação” devido a problemas como, por exemplo, “sanitários bloqueados, vazamento de tubulações e fiação exposta”.

Mas há outros problemas, segundo disse a chefe da missão australiana nos Jogos Olímpicos, Kitty Chiller: iluminação ruim das escadas, pisos sujos e vazamento de água pelo teto, que provoca a formação de “poças no chão em torno de cabos e fios”.

>> Austrália reclama de instalações e se recusa a entrar na Vila Olímpica

Vazamentos

1 / 17

A rede de televisão CBS informou que milhares de atletas que estão chegando para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro podem encontrar, em seus apartamentos na Vila Olímpica, aonde vão se hospedar, defeitos e vazamentos na estrutura hidráulica e problemas nas instalações elétricas.

A emissora informou que, poucas horas antes da abertura da Vila Olímpica, funcionários do Comitê Olímpico Internacional e as autoridades locais fizeram reuniões para tentar encontrar uma solução visando prevenir riscos relacionados à segurança e falta de conforto para os atletas. A CBS divulgou o conteúdo da nota em que o Comitê Olímpico Australiano informa que não vai permitir que seus atletas fiquem hospedados em instalações que não ofereçam segurança.

Em artigo publicado domingo, o jornal Los Angeles Times faz uma análise geral sobre o clima que antecede os Jogos Olímpicos. Ele diz que, a menos de duas semanas da cerimônia de abertura do Rio 2016 “o país [Brasil] não se sente tomado pelo espírito olímpico”.

De acordo com o jornal, a programação dos jogos não conseguiu despertar um debate nacional sobre o assunto e as vendas de ingressos estão lentas. “O sentimento dominante [no país] não se assemelha nem a um forte apoio [aos Jogos Olímpicos], nem uma oposição cerrada, mas a uma indiferença”, assinala o artigo.

SEGURANÇA NAS OLIMPIADAS

Forças Armadas iniciam oficialmente operação de segurança dos Jogosir

Com uma formatura simbólica da qual participaram cerca de 200 homens das Forças Armadas, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, deu início neste domingo (24), oficialmente, no Palácio Duque de Caxias, às atividades de segurança para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, que serão disputados no Rio de Janeiro em agosto e setembro.

“Está em vossas mãos, em vosso trabalho e compromisso, que esses jogos transcorram em paz e em segurança”, disse o ministro aos militares. “Missão dada é missão cumprida”, acrescentou Jungmann.

O Exército, a Marinha e a Aeronáutica disponibilizarão nos próximos 64 dias um efetivo de 22.025 homens para cuidar da defesa e segurança de atletas, moradores e turistas no Rio durante os dois eventos. “A partir de hoje, com a abertura da Vila Olímpica, as Forças Armadas do Brasil passam a exercer, oficialmente, seus compromissos e atribuições para a defesa e segurança dos Jogos”, afirmou o ministro.

>> Governo não vai divulgar informações sobre operações antiterrorismo em curso

As tropas foram apresentadas em formatura simbólica no Palácio Duque de Caxias 
As tropas foram apresentadas em formatura simbólica no Palácio Duque de Caxias 

Os conceitos de interoperacionabilidade e atuação conjunta marcam, segundo Jungmann, a operação e se se baseiam na Lei 12.035, de outubro de 2009, conhecida como Lei do Ato Olímpico, que estabeleceu a segurança como compromisso do Brasil para a Rio 2016, e no Aviso 51 do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, em resposta à solicitação do governo fluminense de apoio federal para a segurança pública durante os Jogos.

Com isso, aos 18 mil homens que cuidariam da segurança nos dois eventos, juntam-se mais 4 mil, explicou Raul Jungmann. Os militares darão proteção 24 horas por dia aos locais olímpicos, às vias expressas (Linha Amarela, em toda a sua extensão; Linha Vermelha, entre a Ilha do Governador e o entroncamento com a Linha Amarela; a Transolímpica; a Avenida Brasil até Guadalupe), à Supervia (nas estações de Deodoro, Vila Militar e Magalhães Bastos em todos os horários de trens, e nas demais quatro estações São Cristóvão, Maracanã, Engenho de Dentro e Ricardo de Albuquerque, quando houver competições), às estações do Metrô com ligação com a Supervia (Maracanã e São Cristóvão), à orla carioca, desde o Leme até a Barra da Tijuca.

Algumas vias que interagem com locais olímpicos, como a Rua Barata Ribeiro e a Avenida Nossa Senhora de Copacabana, em Copacabana, também terão a presença dos militares, o mesmo ocorrendo em toda a extensão da Lagoa Rodrigo de Freitas.

Veículos da Forças Armadas ocupam pontos estratégicos da Zona Sul do Rio      
Veículos da Forças Armadas ocupam pontos estratégicos da Zona Sul do Rio      

A segurança também foi reforçada no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro/Galeão-Antonio Carlos Jobim para embarque e desembarque nos terminais 1 e 2, bem como na Base Aérea do Galeão.

Além disso, forças de contingência ficarão aquarteladas e poderão ser acionadas em caso de necessidade ou reforço de defesa e segurança.

Em todo o país, incluindo as cidades onde haverá jogos de futebol olímpico, estão engajados na segurança cerca de 42 mil homens. No Rio de Janeiro, os militares mobilizarão 12 navios, 1.169 viaturas, 70 blindados, 34 helicópteros, 48 embarcações e 174 motocicletas. As regiões onde estará o maior efetivo das Forças Armadas são Copacabana, com 5.847 homens, e Deodoro, com 4.713 soldados.

Coordenação Geral de Defesa

“Estamos prontos”, afirmou o general Fernando Azevedo e Silva, coordenador-geral de Defesa de Área. O general disse, porém, que não haverá ocupação de áreas próximas de vias olímpicas. “As Forças Armadas não substituem os órgãos de segurança pública”, explicou. Azevedo e Silva ressaltou que os militares poderão intervir para ajudar as forças públicas locais, atendendo a eventuais solicitações.

O ministro Raul Jungmann esclareceu que o aumento do efetivo militar objetivou liberar as forças locais para o policiamento regular do Rio de Janeiro.

PALCO DA POLITICA NA BAHIA

Neto terá maior tempo na TV mas, somados, aliados de Rui terão mais exposição.

  • Governador Rui Costa (PT) e prefeito ACM Neto (DEM) - Foto: Raul Spinassé | Ag. A TARDE

    Governador Rui Costa (PT) e prefeito ACM Neto (DEM)

Na reta final para realização das convenções partidárias, que ocorrem até o dia 5 de agosto, as coligações para a disputa ao cargo de prefeito de Salvador começam a se consolidar, definindo o tempo de propaganda em rádio e TV que os candidatos terão durante a campanha a partir do dia 26 do próximo mês. No atual cenário, os virtuais candidatos ACM Neto (DEM) e Alice Portugal (PCdoB) saem na frente com mais da metade desse tempo. O democrata tem, até agora, 3min42s e a comunista 2min40s em cada bloco na TV aberta e rádio.

Na prática, a campanha desse ano vai mudar a forma do eleitor acompanhar a propaganda, por conta das mudanças na lei eleitoral, que reduz o tempo dos blocos e aumenta as inserções em rádio e TV. Mesmo com a alteração, analistas ouvidos por A TARDE dizem que a exposição na TV continua sendo a principal aposta dos candidatos e consideram que as mudanças vão tornar a propaganda mais dinâmica e atrativa para os eleitores.

Embora Neto disponha de maior tempo, Alice, Cláudio Silva (PP) e Sargento Isidório (PDT) integram a base aliada do governador Rui Costa (PT) e contam, juntos, com pelo menos 4min50s para cada bloco. Os três fazem parte da estratégia de pulverização de candidaturas para fazer oposição ao prefeito.

Mudanças

Pela nova legislação, o tempo dos blocos em rádio e TV diminuiu, a partir deste ano, de 30 para 10 minutos (sendo 10% do total divididos igualmente entre os candidatos) e as inserções aumentaram de 30 para 70 minutos. Serão 140 inserções por dia, pulverizadas na programação de rádio e televisão das 5h à 0h, sendo 84 para prefeito e 56 para vereador.

Neto e Alice aparecem com os maiores tempos de TV de acordo com levantamento extra oficial feito pelo advogado especialista em direito eleitoral Ademir Ismerim sobre o tempo de cada partido e obtido por A TARDE com exclusividade. Ele utilizou as novas regras da legislação eleitoral para a estimativa. O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e até mesmo os partidos só divulgarão os tempos ao final das convenções.

No rádio, os blocos serão das 7h às 7h10 e das 12h às 12h10, e na televisão, das 13h às 13h10 e das 20h30 às 20h40, de segunda a sábado. Antes, às segundas, quartas e sextas, os blocos eram para postulantes a prefeito, e as terças quintas e sábados para os vereadores. Agora, os blocos são apenas para candidatos a prefeito, enquanto os vereadores ficarão somente com as inserções.

Buscando a reeleição, Neto tem consigo o apoio de mais de dez partidos, o que deve lhe conferir pelo menos 3min42s em cada bloco na TV aberta e rádio. Alice, por sua vez, tem ao seu lado, por enquanto, 3 partidos e deve contar com pelo menos 2min40s.

O restante deve ser dividido entre Cláudio Silva (PP), o deputado estadual Pastor Sargento Isidório (PDT), Fábio Nogueira (PSOL) e Rogério Tadeu da Luz (PRTB). O tempo das virtuais coligações (veja tabela abaixo) deve ser maior, pois, pelo levantamento de A TARDE, ainda resta um minuto para ser dividido entre os candidatos.

Dinamismo

Para Ademir Ismerim, as novas regras vão dar maior dinamismo à propaganda de rádio e TV. “A grande maioria das pessoas desligava a televisão na hora da propaganda”, diz ele. Com o tempo reduzido, “cooptar” os partidos com maior bancada na Câmara Federal ganha ainda mais importância, pondera Ismerim. Somente são contabilizados os tempos dos seis maiores partidos de cada coligação.

Na base de Rui Costa, uma das disputas foi pelo PR, que tem 36 segundos no bloco e decidiu na última semana apoiar Cláudio Silva, em detrimento de Alice e Isidório.

Os presidentes estaduais do DEM, deputado federal José Carlos Aleluia, e do PT, Everaldo Anunciação, aprovam as mudanças. “As inserções são mais vistas. Como o tempo é menor, ao invés de perder tempo atacando, o candidato vai apresentar propostas”, diz Aleluia.

Para Everaldo, o novo formato vai atrair mais a atenção e os candidatos deverão ter mais criatividade. “Só o fato de se posicionar bem na TV não vai garantir o voto. O candidato vai precisar ter maior contato com as pessoas”. Para ele, o fato de ACM Neto ter maior tempo não significa uma vantagem, pois terá três candidaturas lhe fazendo oposição.

NOTICIAS DO MUNDO

Rússia escapa da proibição total nos Jogos Olímpicos, mas será submetida a maior rigor anti-doping

Torcedor com bandeira russa diante de logo olímpicoImage copyrightAP

O Comitê Olímpico Internacional (COI) decidiu neste domingo delegar para cada federação esportiva a decisão sobre banir ou não de atletas russos nos Jogos Olímpicos do Rio por causa de revelações sobre doping.

A Rússia já foi excluída do atletismo, e a discussão do COI dizia respeito a permitir ou não a participação do país em outras modalidades esportivas – a menos de duas semanas antes da abertura dos Jogos.

Em sua justificativa, o COI disse que a decisão “se guiu pela regra fundamental (…) de proteger os atletas limpos e a integridade do esporte”.

Além disso, a 12 dias da abertura dos Jogos, o órgão nota que não tem “tempo suficiente para realizar audiências com os atletas, autoridades e organizações afetados”.

Apesar de escapar da proibição total, a delegação russa será submetida a critérios mais rigorosos anti-doping, incluindo a proibição a atletas pegos em exames anteriores de doping – mesmo se já tiverem cumprido sua punição.

O presidente do órgão, Thomas Bach, disse que o comitê elevou o padrão ao limite ao “estabelecer um número de critérios muito rigorosos aos quais todo atleta russo terá que corresponder se ele ou ela quiser participar dos Jogos Olímpicos do Rio 2016.”

“Eu acho que, desta forma, equilibrados o desejo e necessidade de responsabilidade coletiva versus o direito individual à justiça de cada atleta.”

O COI também confirmou que não autorizará a corredora de 800m Yulia Stepanova, que expôs esquemas sistemáticos de fraude e corrupção no atletismo russo, a competir como neutra no Rio. O comitê observou que ela própria havia usado substâncias não-autorizadas e por isso não cumpria os critérios de participação.

A Rússia diz que medidas de punição coletiva para o escândalo do doping, como barrar toda a equipe de atletismo do país, são injustas e fazem parte de uma conspiração ocidental para humilhar uma das maiores potências do mundo esportivo.

Relatório descreve sistema de doping praticado pela Rússia durante Jogos Olímpicos de Inverno em SochiImage copyrightAFP/GETTY IMAGES
Image captionRelatório descreve sistema de doping praticado pela Rússia durante Jogos Olímpicos de Inverno em Sochi

Esquema patrocinado pelo Estado

O COI já havia anunciado procedimentos disciplinares contra autoridades esportivas russas mencionadas em um relatório independente da Agência Mundial Anti-Doping.

O documento, elaborado pelo especialista legal canadense Richard McLaren, descreveu um esquema sofisticado de doping patrocinado pelo Estado russo e posterior acobertamento da prática entre 2011 e 2015 – principalmente durante os Jogos Olímpicos de Inverno em Sochi, na Rússia, em 2014.

De acordo com o relatório, o Ministério do Esporte russo “dirigiu, controlou e supervisionou” a manipulação de amostras de urina dos atletas e fraudou resultados.

Na segunda-feira, o COI disse que não vai permitir à Rússia organizar ou patrocinar eventos esportivos no país, incluindo os Jogos Europeus de 2019. Além disso, afirmou que as autoridades implicadas no relatório não serão credenciadas para participar nas Olimpíadas do Rio.

NOTICIAS INTERNACIONAL

_90502843_19d1c749-30da-4792-9d1c-1a72cdace048

contra Trump, democratas se unem em convenção que deve chancelar Hilllary

Embora não seja unanimidade, Hillary deve contar com apoio massivo na Convenção DemocrataImage copyrightREUTERS
Image caption
Embora não seja unanimidade, Hillary deve contar com apoio massivo na Convenção Democrata
A ex-secretária de Estado Hillary Clinton não é unanimidade entre os eleitores do Partido Democrata e enfrentou uma longa disputa com o senador Bernie Sanders para ganhar a vaga do partido na eleição presidencial em novembro.
PUBLICIDADE

Ainda assim, ela deve contar com um apoio massivo na Convenção Democrata que se inicia nesta segunda e que deve oficializar sua candidatura. O motivo: o rival de Hillary na eleição em novembro, o empresário republicano Donald Trump, provoca calafrios em eleitores democratas de quase todos os matizes.
Seis inverdades ditas por Trump e o que acham seus eleitores
O próprio Sanders – escalado para discursar na primeira noite da convenção – disse que faria de tudo para que Hillary derrotasse o empresário.
“Enquanto Donald Trump está ocupado ofendendo mexicanos, muçulmanos, mulheres, afro-americanos e veteranos, Hillary Clinton entende que nossa diversidade é uma das nossas maiores forças”, ele afirmou ao declarar seu apoio à candidata, há duas semanas.
Um dos principais objetivos do Partido Democrata na convenção será se apresentar como mais diverso e aberto que os rivais republicanos, aproveitando seu apoio entre minorias étnicas e sexuais e a mudança demográfica em curso nos Estados Unidos.
Sanders disse que faria tudo para Hillary derrotar TrumpImage copyrightREUTERS
Image caption
Sanders disse que faria tudo para Hillary derrotar Trump
Segundo o Censo americano, até 2020 mais da metade das crianças americanas pertencerão a minorias étnicas, e até 2043 brancos deixarão de ser maioria na população geral.
Entre os convidados a discursar estão imigrantes latinos, mães de americanos negros mortos por policiais e ativistas LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais). Também participação da convenção ou de eventos paralelos o rapper Snoop Dogg e as cantoras Lady Gaga e Demi Lovato, entre outras celebridades.
Tropeços de Trump
Se puder unir o partido em torno de si na Filadélfia, Hillary fará algo que Trump não conseguiu fazer na Convenção Republicana na semana passada, em Cleveland.
Ainda que tenha tido sua candidatura confirmada no evento, o empresário enfrentou momentos desagradáveis ao longo da semana e não contou com a presença de importantes líderes republicanos, como o ex-governador da Flórida Jeb Bush e o governador de Ohio, John Kasich.
Trump não teve apoio de nomes importantes do partido RepublicanoImage copyrightGETTY IMAGES
Image caption
Trump não teve apoio de nomes importantes do partido Republicano, como Jeb Bush
Logo no início da convenção, delegados eleitorais contrários a Trump tentaram constrangê-lo ao propor uma votação que atrasaria o início da programação, gerando tumulto e reações acaloradas entre os apoiadores do empresário.
Rússia escapa da proibição total nos Jogos Olímpicos, mas será submetida a maior rigor anti-doping
Na mesma noite, a esposa do empresário, Melania Trump, foi acusada de plágio ao repetir trechos do discurso da atual primeira-dama, Michelle Obama, na convenção democrata de 2008, o que ofuscou o segundo dia do encontro.
Na penúltima noite da convenção, Trump passou por outra situação indesejada quando o senador Ted Cruz, segundo colocado nas prévias republicanas, se recusou em seu discurso a pedir votos para o empresário, deixando o palco sob forte vaia.
Ted Cruz, segundo colocado nas prévias republicanas, se recusou a pedir votos para Trump em convenção do partidoImage copyrightREUTERS
Image caption
Ted Cruz, segundo colocado nas prévias republicanas, se recusou a pedir votos para Trump em convenção do partido
Já Hillary contará com o apoio e a presença de todos os principais membros do Partido Democrata, entre os quais o presidente Barack Obama, a primeira-dama Michelle Obama e a senadora Elizabeth Warren, além de vários governadores e congressistas do partido.
‘Berniemaníacos’
Ainda não se sabe, porém, como os delegados de Sanders reagirão ao cortejo da candidata. Com suas propostas à esquerda (como criar um sistema público de saúde e tornar gratuitas as universidades públicas), o senador venceu as prévias em 23 dos 57 Estados e territórios e foi tratado quase como um herói por seus apoiadores.
Transmissão de Zika por pernilongo comum requer ‘mudança radical’ em medidas de controle
Durante a disputa, Sanders disse que Hillary não tinha preparo para ser presidente e criticou vários pontos de sua biografia, como seu apoio à invasão americana no Iraque, em 2003, e seus laços com banqueiros de Wall Street.
No fim da corrida, mesmo quando já não tinha mais chances de ultrapassá-la, ele se manteve crítico à rival e afirmou que levaria suas bandeiras para a Convenção Democrata.
Ainda não se sabe como os delegados de Sanders reagirão ao cortejo de Hillary na convençãoImage copyrightGETTY IMAGES
Image caption
Ainda não se sabe como os delegados de Sanders reagirão ao cortejo de Hillary na convenção
Outro fator que pode provocar turbulências na convenção são protestos. Nas últimas semanas, ativistas do movimento Black Lives Matter (vidas negras importam), que protestam contra a violência policial contra negros americanos, disseram que poderiam se manifestar durante o evento se a plataforma aprovada na convenção deixar a desejar.
O ativista DeRay McKesson afirmou ao jornal USA Today que o grupo poderia seguir o exemplo de congressistas democratas e se sentar no chão do salão da convenção por várias horas até ter suas demandas atendidas.
Os brasileiros que foram separados à força de pais com lepra e lutam por reparação
Os parlamentares adotaram a estratégia em junho para pressionar os colegas republicanos a aprovar restrições à venda de armas, mas não tiveram sucesso.
Mas mesmo ativistas à esquerda descontentes com a vitória de Hillary têm indicado que, por mais reservas que tenham em relação à candidata, poderão poupá-la de ataques mais duros nos próximos meses para não fortalecer a candidatura de Trump.

Nosso Site e de Integra Veracidade nas Informações e Noticiarios